Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Exercícios de Segundo Reinado

Voltar para Segundo Reinado

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Segundo Reinado dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 181. FUVEST 2017
    No Brasil, do mesmo modo que em muitos outros países latino-americanos, as décadas de 1870 e 1880 foram um período de reforma e de compromisso com as mudanças. De maneira geral, podemos dizer que tal movimento foi uma reação às novas realidades econômicas e sociais resultantes do desenvolvimento capitalista não só como fenômeno mundial mas também em suas manifestações especificamente brasileiras. Emília Viotti da Costa, “Brasil: a era da reforma, 18701889”. In: Leslie Bethell, História da América Latina, v.5. São Paulo: Edusp, 2002. Adaptado. A respeito das mudanças ocorridas na última década do Império do Brasil, cabe destacar a reforma
  2. 182. ENEM - 3 APLICACAO 2016
    Enfermo a 14 de novembro, na segunda-feira o velho Lima voltou ao trabalho, ignorando que no entretempo caíra o regime. Sentou-se e viu que tinham tirado da parede a velha litografia representando D. Pedro de Alcântara. Como na ocasião passasse um contínuo, perguntou-lhe: - Por que tiraram da parede o retrato de Sua Majestade? O contínuo, em tom lentamente desdenhoso: - Ora, cidadão, que fazia ali a figura do Pedro Banana? - Pedro Banana! - repetiu raivoso o velho Lima. E, sentando-se, pensou com tristeza: - Não dou três anos para que isso seja uma República! AZEVEDO, A. Vidas alheias. Porto Alegre: s.e, 1901 (adaptado). A crônica de Artur Azevedo, retratando os dias imediatos a instauração da República no Brasil, refere-se ao(a)
  3. 183. UEMA 2011
    A imprensa brasileira noticiou recentemente uma situação de conflito de terras entre camponeses paraguaios, denominados campesinos, e brasileiros que moram naquele país, chamados de “brasiguaios”. Essas notícias de conflito entre brasileiros e paraguaios,  mesmo se tratando de outro contexto histórico, fazem relembrar a Guerra do Paraguai (1864-1870), a mais longa e sangrenta entre países da América Latina. Marque a opção que se refere a uma característica desse conflito.
  4. 184. UNICENTRO 2011
    A expressão “democracia-racial”, no contexto das relações étnico-raciais do Brasil pós-abolicionista, significa
  5. 185. UNCISAL 2015
    A “grande” imigração alemã teve início em 1824, ganhou volume em 1850 e se prolongou até depois da Segunda Guerra Mundial. Estima-se que nesse período deve ter aportado no Brasil algo em torno de 280 mil indivíduos de língua alemã, o que classifica esse contingente em terceiro lugar no conjunto de outras etnias. [...] Esses imigrantes, em sua quase totalidade, foram encaminhados para a zona rural, notadamente para as áreas meridionais do país e, em especial, nos atuais estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. PEREIRA, João Baptista Borges. Os imigrantes na construção histórica da pluralidade étnica brasileira. REVISTA USP, São Paulo, n. 46, p. 6-29, jun./ago. 2000. Diferente de outros grupos de imigrantes, os alemães se destacam por
  6. 186. UFMA 2009
    “Para a maior parte do continente americano, o século XIX foi um século de abolições. Da independência do Haiti ainda em finais do século XVIII à Lei Áurea no Brasil, as abolições constituíram talvez a mais ampla e profunda transformação social nas Américas.” (CASTRO, Hebe M. Matos de. “Laços de família e direitos no final da escravidão” In: ALENCASTRO, Luiz Felipe de (org.) História da vida privada no Brasil. Império: a corte a a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.)   Sobre o movimento abolicionista no Brasil do século XIX é correto afirmar que:
  7. 187. PUC-CAMPINAS 2017
    O romantismo no Brasil não foi apenas um projeto estético, mas também um movimento cultural e político, profundamente ligado ao nacionalismo. Diferente do movimento alemão de finais do século XIX, tão bem descrito por Norbert Elias, o nacionalismo brasileiro, pintado com as cores do lugar, partiu sobretudo das elites cariocas, que, associadas à monarquia, esforçavam-se em chegar a uma emancipação em termos culturais. Os temas eram nacionais, mas a cultura, em vez de popular, era cada vez mais palaciana (...). Atacados de frente por um historiador como Varnhagen, que os chamava de “patriotas caboclos”, os indianistas brasileiros ganharam, porém, popularidade e tiveram sucesso nesse contexto na imposição da representação romântica do indígena como símbolo nacional. SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 139-140. A valorização do indígena como símbolo nacional, no Brasil do segundo reinado, está diretamente relacionada
  8. 188. UEMA 2008
    Arcanjo de liberdade, Da Pátria loura esperança. Mimosa flor de Bragança Celeste núncia do amor... ... Princesa toda bondade, Exemplo dos soberanos, Vê que os corações humanos Têm todos a mesma cor. O texto é de autoria de Arthur Azevedo e circulou em um panfleto carioca nas últimas semanas do mês de maio de 1888. Da interpretação que o poema confere ao referido contexto, pode-se afirmar que a abolição da escravidão negra no Brasil
  9. 189. ENEM 2010
    Substitui-se então uma história crítica, profunda, por uma crônica de detalhes onde o patriotismo e a bravura dos nossos soldados encobrem a vilania dos motivos que levaram a Inglaterra a armar brasileiros e argentinos para a destruição da mais gloriosa república que já se viu na América Latina, a do Paraguai. CHIAVENATTO, J. J. Genocídio americano: A Guerra do Paraguai. São Paulo: Brasiliense, 1979 (adaptado). O imperialismo inglês, "destruindo o Paraguai, mantém o status quo na América Meridional, impedindo a ascensão do seu único Estado economicamente livre". Essa teoria conspiratória vai contra a realidade dos fatos e não tem provas documentais. Contudo essa teoria tem alguma repercussão. (DORATIOTO. F. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Cia. das Letras, 2002 (adaptado). Uma leitura dessas narrativas divergentes demonstra que ambas estão refletindo sobre
  10. 190. UECE 2016
    A Proclamação da República Brasileira inaugurou uma nova ordem política no País. No que diz respeito à organização político-administrativa nos primeiros anos dessa jovem república, assinale a afirmação FALSA.
  11. 191. UNIMONTES 2013
    Compõe o quadro de fortalecimento/centralização do poder monarquico, a partir da década de 1840, no Brasil:
  12. 192. UERJ 2016
    Sobretudo compreendam os críticos a missão dos poetas, escritores e artistas, neste período especial e ambíguo da formação de uma nacionalidade. São estes os operários incumbidos de polir o talhe e as feições da individualidade que se vai esboçando no viver do povo. O povo que chupa o caju, a manga, o cambucá e a jabuticaba pode falar com igual pronúncia e o mesmo espírito do povo que sorve o figo, a pera, o damasco e a nêspera? José de Alencar, prefácio a Sonhos d’ouro, 1872. Adaptado de ebooksbrasil.org.   De acordo com José de Alencar, a caracterização da identidade nacional brasileira, no século XIX, estava vinculada ao processo de:
  13. 193. UNEMAT 2010
    A mudança de regime político no Brasil de Monarquia para República resultou de uma série de diferentes fatores.   Em relação ao tema, assinale a alternativa incorreta.
  14. 194. UNICENTRO 2012
    O movimento abolicionista, na Província do Paraná,
  15. 195. UPE 2016
    A rica literatura sobre a Insurreição Praieira ensina que sua história tem início na década de 1840, quando apareceu, em Pernambuco, uma dissidência do Partido Liberal, mais conhecida pelo apelido de “Partido Praieiro”. CARVALHO, Marcus J. M. de. Os nomes da Revolução: lideranças populares na Insurreição Praieira, Recife, 1848-1849. Revista Brasileira de História, São Paulo, V. 23, nº 45, pp. 209-238, 2003. (Adaptado)   Esse movimento insurrecional teve como principal(ais) característica(s) sociopolítica(s) a
  16. 196. UNIR 2011
    Em 1867, Brasil e Bolívia assinaram o Tratado de Ayacucho, pelo qual o Brasil incorporou a região do Alto Madeira, até então pertencente à Bolívia e com população predominantemente boliviana. As concessões territoriais bolivianas podem ser explicadas  
  17. 197. UNIMONTES 2014
    “Em 1884, a cidade do Rio de Janeiro, que possuía em torno de 170 mil habitantes, dos quais 50% eram escravos, tinha apenas 256 eleitores inscritos.” (MATTOS, Ilmar R. de e GONÇALVES, M. de Almeida. O Império da Boa Sociedade, SP: Atual. 1991) A explicação para o reduzido número de eleitores inscritos nesse período encontra-se na/no
  18. 198. UECE 2007
    Havia no Brasil pelo menos três correntes que disputavam a definição da natureza do novo regime: o liberalismo à americana, o jacobinismo à francesa e o positivismo de Augusto Conte, defendido por Benjamin Constant. As três correntes combateram-se intensamente nos anos iniciais da República até a vitória de uma delas.  CARVALHO, José Murilo. A Formação das Almas – O imaginário da República no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1990, pp. 9-11.  A corrente vencedora foi:
  19. 199. UNIMONTES 2012
    Acerca da economia na província de Minas Gerais, de modo geral, no século XIX, é CORRETO afirmar que
  20. 200. UNIR 2011
    No início do século XIX, o vale do Guaporé foi marcado pela diminuição das atividades econômicas da região, bem como pelo declínio demográfico. Sobre os fatores que explicam essa situação, considere:   I - A extinção da Companhia de Comércio do Grão Pará e Maranhão que acelerou o processo de concentração mercantil nas rotas do centro-sul. II - O aumento do imposto cobrado da produção aurífera que passou de 10% para 20%, conhecido como Quinto. III - A expulsão da Companhia de Jesus da região, implicando o abandono das atividades missionárias e catequéticas na região. IV - O desaparecimento das monções como alternativa para o escoamento da produção agrícola da região.   São fatores do declínio econômico e demográfico da região:  
  21. 201. ENEM PPL 2010
    A dependência regional maior ou menor da mão de obra escrava teve reflexos políticos importantes no encaminhamento da extinção da escravatura. Mas a possibilidade e a habilidade de lograr uma solução alternativa – caso típico de São Paulo – desempenharam, ao mesmo tempo, papel relevante. FAUSTO, B. História do Brasil  São Paulo: EDUSP, 2000. A crise do escravismo expressa a difícil questão em torno da substituição da mão de obra, que resultou:
  22. 202. UNIMONTES 2009
    A emancipação dos escravos, consequência da Abolição do Tráfico, não é senão uma questão de forma e de oportunidade. Quando as circunstâncias penosas em que se encontra o país permitirem, o governo brasileiro considerará objeto de primeira importância a realização daquilo que o espírito do cristianismo há muito reclama do mundo civilizado.  (Dom Pedro II, resposta à missiva da Junta Francesa de Emancipação, 1866)    Essa correspondência revela, entre outras coisas, que  
  23. 203. UNEMAT 2012
    Conhecida cientificamente como Cephaeles ipecacuanha, a ipeca ou poaia é uma raiz de um pequeno arbusto, que produz emetina, substância usada na produção de diversos medicamentos. Em Mato Grosso, a ipeca era nativa de um extenso território, provocando o início de aglomerados urbanos.   Qual cidade de Mato Grosso teve seu povoamento ligado ao extrativismo de poaia? 
  24. 204. PUC-RJ 1998
    O café tornou-se o principal produto brasileiro de exportação durante o século XIX. Considere as afirmações abaixo sobre o processo de expansão da lavoura cafeeira:   I. A cultura para exportação instalou-se, logo no início do século, no Vale do Paraíba fluminense, a partir da conjunção dos interesses da nobreza do Reino, recém-chegada, com os interesses dos proprietários coloniais.   II. O plantio expandiu-se, a partir de meados do século, para o Vale do Paraíba paulista e mais tarde para o Oeste Paulista. Essa expansão foi facilitada pelo encontro de solo fértil propício, ainda que dificultada pela necessidade de expulsão dos antigos ocupantes da região.   III. A exportação, que durante a primeira metade do século, era majoritariamente para a Inglaterra, a partir de 1870 direcionou-se para os Estados Unidos, quando passou a representar o equivalente a mais da metade da pauta de exportação brasileira.   IV. As relações de trabalho predominantes transformaram-se, após o fim do tráfico negreiro intercontinental, em meados do século. De relações escravistas no Vale do Paraíba fluminense passaram a relações de assalariamento no Vale do Paraíba e Oeste paulistas.   Assinale :
  25. 205. UFRGS 2016
    Considere as seguintes afirmações sobre a história do republicanismo no Ocidente.   I - A organização política da República Romana compreendia um corpo de magistrados vitalícios, senadores oriundos da aristocracia com função consultiva, e assembleias populares que constituíam o centro decisório do sistema.   II - O humanismo cívico, na Florença do século XV, ofereceu novas compreensões sobre o ideal republicano, conciliando uma perspectiva de vida pública com a manutenção dos princípios morais da religião cristã.   III- A publicação do Manifesto Republicano, em 1870, no Rio de Janeiro, assinala a primeira manifestação do republicanismo no Brasil.   Quais estão corretas?
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login