Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

UFG 2007

Leia o poema de Cruz e Sousa.

ACROBATA DA DOR

Gargalha, ri, num riso de tormenta,
Como um palhaço, que desengonçado,
Nervoso, ri, num riso absurdo, inflado
De uma ironia e de uma dor violenta.

Da gargalhada atroz, sanguinolenta,
Agita os guizos, e convulsionado
Salta, "gavroche", salta, "clown", varado
Pelo estertor dessa agonia lenta...

Pedem-te bis e um bis não se despreza!
Vamos! retesa os músculos, retesa
Nessas macabras piruetas d'aço...

E embora caias sobre o chão, fremente,
Afogado em teu sangue estuoso e quente,
Ri! Coração, tristíssimo palhaço.

SOUSA, Cruz e. "Broquéis, Faróis e Últimos sonetos". 2a. ed. reform., São Paulo: Ediouro, 2002. p. 39-40. (Coleção super prestígio).

 

Vocabulário:
"gavroche": garoto de rua que brinca, faz estripulias
"clown": palhaço
estertor: respiração rouca típica dos doentes terminais
estuoso: que ferve, que jorra

Uma característica simbolista do poema apresentado é a

Escolha uma das alternativas.