Exercícios de Karl Marx

Voltar para Karl Marx

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Karl Marx dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude Sociologia com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. FATEC 2013
    Em 2012, o Brasil comemorou os 100 anos de nascimento do escritor baiano Jorge Amado. Uma das características de seus livros é a defesa de suas ideias políticas. Leia atentamente o trecho do romance Jubiabá, publicado em 1937. “Quando eu saio de casa, digo a meus filhos: vocês são irmãos de todas as crianças operárias do Brasil. Digo isso porque posso morrer e quero que meus filhos continuem a lutar pela redenção do proletariado. O proletariado é uma força e se souber se conduzir, se souber dirigir a sua luta, conseguirá o que quiser...” (AMADO, Jorge. Jubiabá. São Paulo: Martins Fontes, s/d, p. 286. Adaptado)  Considerando que o trecho expressa o ponto de vista do escritor, conclui-se que Jorge Amado defendia uma posição política
  2. 2. UNICENTRO 2012
    De acordo com as análises de Karl Marx, a divisão social do trabalho revela duas classes que se contrapõem. Na produção capitalista, as duas classes antagônicas são as indicadas em
  3. 3. UEL 2011
    Observe a charge. Com base na charge e nos conhecimentos sobre a teoria de Marx, é correto afirmar:
  4. 4. ENEM 2016
    TEXTO I   Cidadão   Tá vendo aquele edifício, moço? Ajudei a levantar Foi um tempo de aflição Eram quatro condução Duas pra ir, duas pra voltar Hoje depois dele pronto Olho pra cima e fico tonto Mas me vem um cidadão E me diz desconfiado “Tu tá aí admirado Ou tá querendo roubar?” Meu domingo tá perdido Vou pra casa entristecido Dá vontade de beber E pra aumentar meu tédio Eu nem posso olhar pro prédio Que eu ajudei a fazer. BARBOSA, L. In: ZÉ RAMALHO.20 Super Sucessos.Rio de Janeiro: Sony Music, 1999 (fragmento).   TEXTO II   O trabalhador fica mais pobre à medida que produz mais riqueza e sua produção cresce em força e extensão. O trabalhador torna-se uma mercadoria ainda mais barata à medida que cria mais bens. Esse fato simplesmente subentende que o objeto produzido pelo trabalho, o seu produto, agora se lhe opõe como um ser estranho, como uma força independente do produtor. MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. (Primeiro manuscrito). São Paulo: Boitempo Editorial, 2004 (adaptado).   Com base nos textos, a relação entre trabalho e modo de produção capitalista é
  5. 5. UEL 2005
    Analise a figura a seguir. A figura ilustra, por meio da ironia, parte da crítica que a perspectiva sociológica baseada nas reflexões teóricas de Karl Marx (1818-1883) faz ao caráter ideológico de certas noções de Estado. Sobre a relação entre Estado e sociedade segundo Karl Marx, é correto afirmar:
  6. 6. UEMA 2007
    Segundo Karl Marx, “o modo de produção da vida material condiciona o desenvolvimento da vida social, política e intelectual em geral”. Essa tese resume a sua teoria da história, também denominada de:
  7. 7. UFU 2008
    Em O Dezoito Brumário, de Luís Bonaparte, Karl Marx sustenta que ... os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado. MARX, K. O Dezoito Brumário de Luís Bonaparte. In Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. (Seleção de textos: José Arthur Giannotti). São Paulo, Abril Cultural, 1978. p. 329. Coleção Os Pensadores Sobre essa concepção de “fazer histórico”, marque a alternativa correta. 
  8. 8. UEL 2009
    Leia o texto seguinte.  [...] Ramón vivia do seu trabalho e tinha que pagar um apartamento e a comida, e inclusive as folhas de papel para poder escrever nos fins de semana. Já sabia que introduzir no computador um argumento e os nomes dos personagens para que realizasse um primeiro esboço não era a mesma coisa que escrever uma novela desde o princípio, mas as coisas agora estavam desse jeito. O mundo editorial tinha mudado, os livros já não eram concebidos como obras de artesanato criadas na mente de um só homem sem nenhuma ajuda exterior. (SAORÍN, J. L. A curiosa história do editor partido ao meio na era dos robôs escritores. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005. p. 109). O texto remete a formulações presentes nas análises de Marx sobre o desenvolvimento do capitalismo. Quanto à posição de Marx em relação ao tema abordado no texto, é correto afirmar. I. Com o advento da sociedade comunista, o trabalho desaparece e instaura-se um ordenamento social em que a preocupação do indivíduo será basicamente com o exercício do lazer. II. O avanço das forças produtivas torna-se desnecessário em uma sociedade socialista, uma vez que as máquinas, responsáveis pelo sofrimento humano, serão substituídas por um retorno à produção artesanal. III. A tendência do movimento do capital é no sentido de uma contínua desqualificação da força de trabalho. Deste modo, intensifica-se a unilateralidade do ser que trabalha e sua degradação física e psíquica. IV. A revolução contínua das forças produtivas é uma necessidade inerente ao processo de acumulação capitalista e está na base da expansão deste modo de produção e da constituição do mercado mundial. Assinale a alternativa correta. 
  9. 9. UFFS 2011
    O Estado tem sido definido como um conjunto de instituições políticas, jurídicas e administrativas com jurisdição sobre a população de um país. Hegel suge ria que o estado seria uma criação racional, represen tando a “coletividade social”. Essa concepção foi rejeitada por Marx e Engels, que concebiam o Estado como:
  10. 10. UNICENTRO 2011
    Teria orgulho, sim, e estava seguro de que um dia teria mesmo esse orgulho, se a luta e o sofrimento fossem não para preservar um Brasil onde muitos trabalhavam e poucos ganhavam, onde o verdadeiro povo brasileiro, o povo que produzia, o povo que construía, o povo que vivia e criava, não tinha voz e nem respeito, onde os poderosos encaravam sua terra apenas como algo a ser pilhado e aproveitado sem nada darem em troca, piratas de seu próprio país; [...] teria orgulho se essa luta tivesse sido, como poderia ser, para defender um Brasil onde o povo governasse, um grande país, uma grande Pátria, em que houvesse dignidade, justiça e liberdade! RIBEIRO, J. U. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1984. Os escritos de Karl Marx refletem o seu interesse pelas mudanças do tempo moderno, principalmente as ligadas ao desenvolvimento do capitalismo e a seus principais elementos: o capital e a mão de obra assalariada. Nesse sentido, pode-se utilizar esse recorte de texto do clássico de João Ubaldo Ribeiro para exemplificar o conceito de
  11. 11. ENEM 2013
    Na produção social que os homens realizam, eles entram em determinadas relações indispensáveis e independentes de sua vontade; tais relações de produção correspondem a um estágio definido de desenvolvimento das suas forças materiais de produção. A totalidade dessas relações constitui a estrutura econômica da sociedade — fundamento real, sobre o qual se erguem as superestruturas política e jurídica, e ao qual correspondem determinadas formas de consciência social. MARX, K. “Prefácio à Crítica da economia política.” In: MARX, K.; ENGELS, F. Textos 3. São Paulo: Edições Sociais, 1977 (adaptado). Para o autor, a relação entre economia e política estabelecida no sistema capitalista faz com que
  12. 12. UNIOESTE 2010
    “A burguesia só pode existir com a condição de revolucionar incessantemente os instrumentos de produção, por conseguinte, as relações de produção e, com isso, todas as relações sociais”. (MARX, K; ENGELS, F. O Manifesto Comunista 150 anos depois. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998). O trecho reproduzido acima destaca uma característica fundamental da burguesia no desenvolvimento do capitalismo, marque a alternativa correta.
  13. 13. UFU 2000
    O lucro do capitalismo, segundo Marx, provém I. do aumento do preço da venda da mercadoria. II. da compra e venda da mercadoria. III. do valor excedente criado pelo trabalhador e que não fica com ele, a mais-valia. IV. do trabalho não pago que se materializa nas mercadorias. Assinale a alternativa correta.
  14. 14. UERN 2013
    Assim como no Egito, na Mesopotâmia, a agricultura foi a principal atividade econômica praticada pela população. O Estado era responsável pelas obras hidráulicas necessárias para a sobrevivência da população, bem como pela administração de estoques de alimentação e pela cobrança de impostos (...). (Vicentino, Claudio. História Geral e do Brasil / Claudio Vicentino, Gianpaolo Dorigo. 1a Ed. São Paulo: Scipione. 2010. p. 60-455.) ... a base da economia Inca estava nos Ayllu, espécie de comunidade agrária. Todas as terras do império pertenciam ao Inca, logo, ao Estado. Através da vasta rede de funcionários, essas terras eram doadas aos camponeses para sua sobrevivência. Os membros de cada Ayllu deveriam, em troca, trabalhar nas terras do Estado e dos funcionários, nas obras públicas e pagar impostos. (Moraes, Jose Geraldo Vinci de. 1960. Caminhos das Civilizações – história integrada: Geral e do Brasil. São Paulo: Atual, 1998.) De acordo com o materialismo histórico preconizado por Marx e Engels, o modo de produção que aparece descrito parcialmente nos trechos anteriores, é o
  15. 15. UFU 2004
    Na tradição de alguns filósofos gregos e de Hegel, Marx insere-se entre os pensadores dialéticos. Sua teoria afirma que a contradição social.
  16. 16. UFU 1998
    A ideia de alienação, segundo Marx, refere-se I. à identidade entre os produtores e seus produtos. II. à separação entre o trabalhador e o produto de seu trabalho, devido à divisão social do trabalho e à propriedade privada dos meios de produção. III. à separação do Estado como um poder autônomo, imparcial, acima da coletividade e que a domina. IV. ao fato de o trabalhador não se reconhecer no produto da sua atividade.
  17. 17. UNICENTRO 2014
    A sociedade moderna, segundo Marx, surgiu da sociedade feudal, contudo não aboliu as contradições de classe, ao contrário, estabeleceu novas classes, novas condições de opressão e novas lutas.    Sobre as classes sociais na concepção marxiana, assinale a alternativa correta.
  18. 18. UNICENTRO 2013
    O capitalismo vê a força de trabalho como mercadoria, mas é claro que não se trata de uma mercadoria qualquer. Ela é capaz de gerar valor. [...] O operário é o indivíduo que, nada possuindo, é obrigado a sobreviver da sua força de trabalho” (COSTA, 2005).   Segundo Karl Marx, a força de trabalho é alugada ou comprada por meio
  19. 19. UNICENTRO 2013
    Para entender o capitalismo e explicar a natureza da organização econômica humana, Marx desenvolveu uma teoria abrangente e universal, que procura dar conta de toda e qualquer forma produtiva criada pelo homem. Os princípios básicos dessa teoria estão expressos em seu método de análise intitulado
  20. 20. UNICENTRO 2012
    A respeito das análises que Karl Marx fez sobre o capitalismo, é correto afirmar:
  21. 21. UNICENTRO 2012
    Sobre o trabalho, Karl Marx (1989) observa que o homem “atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo tempo modifica a sua própria natureza”. A partir de uma reflexão sobre essa declaração e a respeito dos estudos referentes a trabalho, assinale V ou F, conforme sejam verdadeiras ou falsas as afirmativas.   ( ) O trabalho caracteriza-se por ser uma atividade realizada por seres vivos, que modificam a natureza visando satisfazer às suas necessidades. ( ) A formação da “classe operária” foi, na sua essência, um fato apenas econômico resultante do sistema fabril e das novas condições de trabalho. ( ) O surgimento da “classe operária” decorreu do crescimento da consciência de identidade de interesses entre todos os diversos grupos de trabalhadores que se manifestavam contra os interesses da burguesia.   A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é a
  22. 22. UNICENTRO 2012
    Um dos temas mais comuns da Sociologia, discutido na vida do trabalho, refere-se ao acúmulo desigual do capital e à luta existentes entre as diferentes classes sociais. Um dos autores clássicos da Sociologia acompanhou as mudanças causadas pela produção industrial, as desigualdades que dela resultaram e escreveu sobre o desenvolvimento do capitalismo.   Trata-se, nesse caso, de
  23. 23. UNICENTRO 2013
    Segundo Max Weber, é função da Sociologia
  24. 24. UNICENTRO 2010
    A burguesia não pode existir sem revolucionar permanentemente os instrumentos de produção, por conseguinte as relações de produção, por conseguinte todas as relações sociais (...) O permanente revolucionar da produção, o abalar ininterrupto de todas as condições sociais, a incerteza e o movimento eternos distinguem a época da burguesia de todas as outras. (Marx e Engels. Manifesto do partido comunista. URSS: Edições progresso, 1987, p.37).   Considerando as características do capitalismo, de acordo com o pensamento marxista, assinale qual, entre as seguintes alternativas, está INCORRETA.
  25. 25. UNICENTRO 2010
    Meus heróis morreram de overdose Meus inimigos estão no poder Ideologia! Eu quero uma pra viver Ideologia! Eu quero uma pra viver... Ideologia! Pra viver Ideologia! Eu quero uma pra viver...   Esses versos, escritos e cantados por Cazuza em uma de suas canções, que chamou de Ideologia, servem para exemplificar como esse conceito de larga utilização sociológica também pode ser utilizado pelo senso comum.   Considerando as múltiplas acepções do termo ideologia assinale qual destas alternativas está INCORRETA.
  26. 26. UNICENTRO 2010
    Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é corretto afirmar que
  27. 27. UEL 2004
    “A casa não é destinada a morar, o tecido não é disposto a vestir, O pão ainda é destinado a alimentar: ele tem de dar lucro. Mas se a produção apenas é consumida, e não é também vendida Porque o salário dos produtores é muito baixo – quando é aumentado Já não vale mais a pena mandar produzir a mercadoria –, por que Alugar mãos? Elas têm de fazer coisas maiores no banco da fábrica Do que alimentar seu dono e os seus, se é que se quer que haja Lucro! Apenas: para onde com a mercadoria? A boa lógica diz: Lã e trigo, café e frutas e peixes e porcos, tudo junto É sacrificado ao fogo, a fim de aquentar o deus do lucro! Montanhas de maquinaria, ferramentas de exércitos em trabalho, Estaleiros, altos-fornos, lanifícios, minas e moinhos: Tudo quebrado e, para amolecer o deus do lucro, sacrificado! De fato, seu deus do lucro está tomado pela cegueira. As vítimas Ele não vê. [...] As leis da economia se revelam Como a lei da gravidade, quando a casa cai em estrondos Sobre as nossas cabeças. Em pânico, a burguesia atormentada Despedaça os próprios bens e desvaira com seus restos Pelo mundo afora em busca de novos e maiores mercados. (E pensando evitar a peste alguém apenas a carrega consigo, empestando Também os recantos onde se refugia!) Em novas e maiores crises A burguesia volta atônita a si. Mas os miseráveis, exércitos gigantes, Que ela, planejadamente, mas sem planos, arrasta consigo, Atirando-os a saunas e depois de volta a estradas geladas, Começam a entender que o mundo burguês tem seus dias contados Por se mostrar pequeno demais para comportar a riqueza que ele próprio criou.” (BRECHT, Bertolt. O manifesto. Crítica marxista, São Paulo, n. 16, p.116, mar. 2003.)   Os versos anteriores fazem parte de um poema inacabado de Brecht (1898-1956) numa tentativa de versificar O manifesto do partido comunista de Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895). De acordo com o poema e com os conhecimentos da teoria de Marx sobre o capitalismo, é correto afirmar que, na sociedade burguesa, as crises econômicas e políticas, a concentração da renda, a pobreza e a fome são:
  28. 28. UEL 2004
    “Depois de viajar nas alturas durante toda a campanha eleitoral no ano passado e resistir bravamente em alta durante o começo do governo Lula, o dólar finalmente começou a voltar a seu valor de equilíbrio, aquele em que reflete as condições econômicas do país sem os sustos especulativos das eleições e outros terremotos emocionais que os mercados usam com maestria para obter lucros.” (O dólar baixa a crista. Veja, São Paulo, v. 36, n. 17, p. 108, 30 abr. 2003.)   O texto expressa fenômenos típicos da sociedade capitalista: fetichismo e alienação. Sobre esses fenômenos, considere as seguintes afirmativas.   I. Na situação apresentada, integram um processo que, nesse caso, sujeita o capital financeiro a um comportamento racional cuja conseqüência é a alocação ótima de recursos. II. São fenômenos sociais nos quais as mercadorias e o capital aparecem às pessoas como possuidoras de vida própria. III. São fenômenos que, na situação apresentada, revelam a insensibilidade dos agentes econômicos às influências da esfera política e aos eventos de caráter psicossocial. IV. São fenômenos nos quais os homens, a exemplo da situação apresentada, não se reconhecem nas obras que criaram e deixam-se governar por elas.   Assinale a alternativa em que as afirmativas sintetizam de forma correta as análises sobre esses fenômenos.
  29. 29. UEL 2004
    “No tempo em que os sindicatos eram fortes, os trabalhadores podiam se queixar do excesso de velocidade na linha de produção e do índice de acidentes sem medo de serem despedidos. Agora, apenas um terço dos funcionários da IBP [empresa alimentícia norte-americana] pertence a algum sindicato. A maioria dos não sindicalizados é imigrante recente; vários estão no país ilegalmente; e no geral podem ser despedidos sem aviso prévio por seja qual for o motivo. Não é um arranjo que encoraje ninguém a fazer queixa. [...] A velocidade das linhas de produção e o baixo custo trabalhista das fábricas não sindicalizadas da IBP são agora o padrão de toda indústria.” (SCHLOSSER, Eric. País FastFood. São Paulo: Ática, 2002. p. 221.)   No texto, o autor aborda a universalização, no campo industrial, dos empregos do tipo Mcjobs “McEmprego”, comuns em empresas fast-food. Assinale a alternativa que apresenta somente características desse tipo de emprego.
  30. 30. UEL 2004
    A Volkswagen vende cinco vezes mais automóveis do que a BMW, mas vale menos no mercado do que a rival. Para saber por que, é preciso pegar um operário típico da montadora alemã. Klaus Seifert é um veterano da casa. Cabelo grisalho, Seifert é um planejador eletrônico de currículo impecável. Sua filha trabalha na montadora e, nas horas vagas, o pai dá aulas de segurança no trânsito em escolas vizinhas. Mas Seifert tem, ainda, uma bela estabilidade no emprego. Ganha mais de 100 mil marcos por ano (51.125 euros), embora trabalhe apenas 7 horas e meia por dia, quatro dias por semana. ‘Sei que falam que somos caros e inflexíveis’, protesta o alemão durante o almoço no refeitório da sede da Volkswagen AG. ‘Mas o que ninguém entende é que produzimos veículos muito bons.’ E quanto a lucros muito bons?” A relação entre lucro capitalista e remuneração da for- ça-de-trabalho pode ser abordada a partir do conceito de mais-valia, definido como aquele “valor produzido pelo trabalhador [e] que é apropriado pelo capitalista sem que um equivalente seja dado em troca.” BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 227.   Com o intuito de ampliar a taxa de extração de mais-valia absoluta, a medida imediata mais adequada a ser tomada por uma empresa de automóveis seria:
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login