Quer ter acesso aos nossos resumos completos?

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com conteúdos exclusivos!

Resumo de Sintaxe: Termos Associados ao Verbo - Gramática

Quer estudar Sintaxe: Termos Associados ao Verbo? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Gramática que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Transitividade verbal

Assistir aula

Conforme visto no módulo Sintaxe: Sujeito e Predicado, o verbo é indispensável para a
formação do predicado, sendo considerado, na maioria das vezes, seu núcleo.
Assim, iniciando os estudos sobre os termos da oração que são associados ao verbo,
estudaremos sua classificação conforme a predicação.
Quanto à predicação, os verbos se classificam em:


INTRANSITIVOS
Quando não necessitam de complemento, pois já possuem sentido completo.
Exemplos: A borboleta morreu.

Os guerreiros, após a batalha, dormiram.
Hoje o sol apareceu.

Os verbos intransitivos recebem este nome porque não “transitam” para nenhum
complemento.


TRANSITIVOS
Já os verbos transitivos são aqueles que necessitam de um complemento para adquirir sentido
completo. Ou seja, eles transitam para um complemento. Subdividem-se em:


Transitivo direto (VTD)
Quando o verbo é ligado ao complemento diretamente, sem necessidade de
preposição. Exemplo: O lenhador derrubou a árvore.
Notamos que aqui não há preposição. Apenas o artigo unindo o verbo “derrubar” ao
complemento “árvore”. O complemento do verbo transitivo direto recebe o nome
de objeto direto (OD).
 
Transitivo indireto (VTI)
Quando o verbo é ligado ao complemento indiretamente, necessitando de uma
preposição para se conectar.
Exemplo: Eu concordei com tudo.
Percebemos que o verbo “concordar” necessitou da preposição “com” para se ligar ao
complemento “tudo”. O complemento do verbo transitivo indireto recebe o nome
de objeto indireto (OI).
 
Transitivo direto e indireto, ou bitransitivo (VTDI)
Um verbo também pode ter função direta e indireta simultaneamente, quando se liga a
um complemento diretamente e a outro indiretamente.
Exemplo: Eu escrevi uma carta ao prefeito.
No exemplo acima vemos que o verbo “escrever” se liga diretamente ao complemento
“uma carta” (sem preposição, apenas artigo) e indiretamente ao complemento
“prefeito” (com o auxilio da preposição “ao”). Nesse caso, temos um verbo transitivo
direto e indireto ao mesmo tempo. Assim, o complemento “uma carta ao prefeito” é
um objeto direto e indireto ao mesmo tempo(ODI).

É importante salientar que os verbos, relativamente à predicação, não possuem classificação
fixa. Podem pertencer ora a um grupo, ora a outro dependendo do contexto.
Exemplo: A criança brinca. (intransitivo)

A criança brinca com os amigos. (transitivo indireto)

AULA 2

Complementos Verbais: Objetos

Assistir aula

Agora vamos compreender melhor os termos que completam a significação dos verbos, os
chamados complementos verbais, que podem ser um  objeto ou um agente da passiva. Esses
termos são considerados termos integrantes da oração, justamente por integrarem,
inteirarem, seu sentido, sendo indispensáveis à compreensão do enunciado.


OBJETO DIRETO
É o complemento de um verbo transitivo direto.
Geralmente liga-se ao verbo sem auxílio de preposição.
Exemplos: As árvores purificam o ar.
Comprei um livro.


OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO
Há casos em que o objeto direto vem precedido de preposição, geralmente a posição A.
Isso ocorre devido a alguns fatores, tais como:


● Quando o objeto direto é um  pronome pessoal oblíquo tônico (mim, comigo, ti,
contigo, si, consigo, nós, conosco, vós, convosco, ele(s), ela(s).)
Exemplo: Ele prejudicou a si mesmo.
Prejudicar é um VTD, então seu objeto seria direto, mas como se trata do pronome oblíquo
tônico si, passou a ser preposicionado.


● Quando o objeto é o pronome relativo quem.
Exemplo: Ela tem um filho a quem ama muito.


● Com nomes próprios ou comuns que se refiram a pessoas.
Exemplos: O estrangeiro foi quem ofendeu a Tupã. (José de Alencar)
Ele persuadiu a crédulos e incrédulos. (Machado de Assis)

● Com o termo ambos.
Exemplo: Quando o temporal caiu,encharcou a ambos.


● Com pronomes indefinidos referentes a pessoas.
Exemplo: A estupefação imobilizou a todos. (Machado de Assis)


OBJETO INDIRETO
É o complemento de um verbo transitivo indireto.
Liga-se ao verbo com auxílio de preposição.
Exemplos: Assisti ao filme.

Paguei ao vendedor a quantia combinada.


OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO PLEONÁSTICOS

Ocorre quando queremos destacar ou enfatizar a ideia contida no objeto direto, e para isso o
colocamos no início da frase e depois o repetimos utilizando um pronome oblíquo. A esse
objeto repetido sob a forma pronominal chamamos pleonástico, ou redundante.
Exemplo: Seus cavalos, ela os montava em pelo. (Jorge Amado)


Assim como o objeto direto, o objeto indireto também pode vir repetido para fins de ênfase.
Exemplo: Que me importa a mim o destino de uma mulher tísica...? (Machado de Assis)


Conforme vimos no módulo Sintaxe: Sujeito e Predicado, quando temos um predicado
nominal, o núcleo desse predicado recebe o nome de predicativo do sujeito.
Quando falamos em transitividade verbal, temos o predicativo do objeto. Este é o termo que
se refere ao objeto de um verbo transitivo.
Vejamos:


O juiz declarou o réu culpado.
DECLAROU: VTD
O RÉU: OD
CULPADO: predicativo do objeto


O amor deixa os homens cegos.
DEIXA: VTD
OS HOMENS: OD
CEGOS: predicativo do objeto

 

AULA 3

Complementos Verbais: Agente da Passiva

Assistir aula

Agente da passiva é o nome dado ao complemento de um verbo que está na voz passiva. Antes de seguir, convém relembrar a  voz ativa e a voz passiva de um verbo:

Voz ativa

Sujeito agente, ou seja, que pratica uma ação. Sendo assim, quando tivermos uma oração na voz ativa, teremos um sujeito agente, um verbo na voz ativa e um objeto paciente, já que esse objeto estará sofrendo uma ação executada pelo sujeito agente.

 

Voz passiva

Sujeito paciente, ou seja, que sofre uma ação. Logo, quando tivermos uma oração na voz passiva, teremos um sujeito paciente, uma locução verbal na voz passiva e um objeto agente, que será denominado “agente da passiva”, pois executa uma ação sobre o sujeito paciente.

Exemplo 1: O sol derreteu a neve
(sol = sujeito agente)
(derreteu = verbo na voz ativa)
(neve = objeto paciente)

Exemplo 2: A neve foi derretida pelo sol
(neve = sujeito paciente)
(foi derretida = locução verbal na voz passiva)
(sol = agente da voz passiva)

 

Transformação de voz ativa para voz passiva

Portanto, na transformação de voz ativa para passiva:

1. O sujeito agente vira agente da passiva;

2. O objeto paciente vira sujeito paciente;

3. O verbo na voz ativa vira uma locução verbal na voz passiva.

AULA 4

Complementos Verbais: Adjunto Adverbial

Assistir aula

Diferentemente dos objetos, que são termos integrantes da oração, justamente por inteirarem seu sentido e serem indispensáveis à compreensão do enunciado, o adjunto adverbial é um termo acessório, ou seja, desempenha uma função secundária, que é a de exprimir uma circunstância (de tempo, lugar, modo 76). Noutras palavras, ele age como um advérbio, modificando o sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio.

Exemplo: As crianças,à tarde, brincavam no parque.

(à tarde: adjunto adverbial de tempo)

(no parque: adjunto adverbial de lugar)

Nota-se que são termos dispensáveis, ou seja, não são essenciais para a compreensão da oração, pois poderíamos apenas dizer que “as crianças brincavam”. Entretanto, preferiu-se fazer mais especificações, e para isso foram usados os adjuntos adverbiais.

Mais alguns exemplos:

Carolina chegou cedo.

O dia escureceu  de  repente.

Gosto de viajar de  avião.

 

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login