Quer ter acesso aos nossos resumos completos?

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com conteúdos exclusivos!

Resumo de Política Indigenista no Brasil - História

Quer estudar Política Indigenista no Brasil? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de História que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Política Indigenista no Brasil - Período Colonial

Assistir aula

Introdução

  • População indígena estimada em 1500: 2.431.000
  •  População indígena atual: 896.917, oque corresponde a 0,47% da população total do país (fonte: IBGE, Censo Demográfico 2010)
  •  Fatores da queda sofrida pelas populações indígenas:

o guerras de conquista; o extermínio; o escravização; o contágio de doenças como a varíola, o sarampo e a tuberculose, que dizimavam grupos inteiros rapidamente.

Período Colonial (1500-1822)

  • As diferenças de costumes diante dos europeus (etnocentrismo/eurocentrismo) eram enfatizadas, sendo ressaltadas as práticas tidas como “bárbaras”.
  • As representações dos índios no período colonial derivavam de visões de mundo que davam um sentido humanitário e religioso ao empreendimento colonial.
  • A superioridade cristã diante dos nativos “degenerados” justificava a conquista: para mudar costumes e valores era necessário integrar os nativos ao trabalho colonial.
  • Bula Inter Arcana do papa Clemente VII (1529)

o Esta bula papal estabelecia que os indignas deveriam participar do “reino dos céus mesmo que pela força”

  • Chegada do primeiro grupo de jesuítas (1549) chegou na mesma época em que desembarcou o Governador-Geral Tomé de Sousa.

o Eram chefiados pelo padre Manuel da Nóbrega o Uma das estratégias adotadas por Manuel da Nóbrega na conversão dos gentios foi a construção de aldeias de catequização, que se situavam próximas das vilas e cidades portuguesas. Essas aldeias eram habitadas pelos padres jesuítas e pelos índios a serem convertidos e destinavam-se a atingir três objetivos:

  • objetivo doutrinário – que visava ensinar a religião e a prática cristã aos índios;
  • objetivo econômico – visava a instituir o hábito do trabalho como princípio fundamental na formação da sociedade brasileira;
  • objetivo político – visava a utilizar os índios convertidos contra os ataques dos índios selvagens e, também, dos inimigos externos.
  • Carta Régia (1570) proibindo a captura e escravização dos indígenas

oEsta lei só permitia a escravização dos indígenas com a alegação de “guerra justa” o “Guerra Justa”: somente os índios que se voltassem contra os colonizadores estariam sujeitos à condição de escravos.

  • Diretório dos Índios (1757-1798): conjunto de determinações em relação às populações indígenas instituído no governo do Marquês de Pombal

o Nas aldeias transformadas em vilas, os índios passariam a ser governados por juízes e vereadores, e não mais pelos jesuítas (expulsos do Brasil). o Reafirmação da liberdade indígena. o Estabelecia a necessidade da introdução e do uso da língua portuguesa. o Toda a instrução e a comunicação
entre os indígenas deveriam fazer-se exclusivamente mediante o uso da língua portuguesa. o Estímulo ao casamento entre índios e brancos (casamentos interétnicos).

  • Carta Régia de D. João VI (1808)

o Declarava guerra aos índios botocudos. o Estabelecia que “as terras conquistadas por guerra justa aos índios são devolutas” (pertencem ao Estado)

AULA 2

Política Indigenista no Brasil - Império e República

Assistir aula

Império (1822-1889)

  • Progressivo retorno dos missionários à condição de administradores dos índios.

 Integração indígena por meio da catequese (franciscanos, capuchinhos e dominicanos).

  • Os índios eram considerados “incapazes” diante da lei, cabendo ao Estado catequizá-los e civiliza-los.
  • 1831: Lei considerando o índio na condição de “órfão” e sob a tutela do juiz de paz.
  • Lei de Terras (1850)

O índio foi colocado na situação de “invasor de terra” pois não possuía o título da propriedade que ocupava.
Consequências: conflitos, expulsões e dizimação.

  • 1854: decreto estabelecendo a demarcação de terras indígenas por autoridades locais.

República (1889 até hoje)

  • 1910: criação do Serviço de Proteção ao Índio (SPI)

Direção: Cândido Rondon
Funções:

Pacificação de grupos indígenas em áreas de colonização.

  • Assistência sanitária e educacional.

 Tese da integração do índio à sociedade brasileira (pacificar os indígenas ainda não contatados, aculturá-los e transformá-los em pequenos produtores rurais)
 Demarcação de terras propostas pelo SPI só eram feitas com a autorização dos governos estaduais.

  • 1939: criação, durante o Estado Novo, do

Conselho Nacional de Proteção aos Índios (CNPI)

  • 1967: criação da Fundação Nacional do Índio (FUNAI)

Funções:

  • Demarcação de terras.
  • Proteção dos indígenas.
  • Desenvolvimento de programas para a gradual integração do índio.
  • 1969: elaboração do Estatuto do Índio

Tutela do Estado sobre os índios.
Reservou ao Estado brasileiro o direito de intervir nas terras indígenas demarcadas em casos previstos, como por exemplo “por imposição da segurança nacional para a realização
de obras públicas que interessem ao desenvolvimento nacional”, ou para “exploração de riquezas do subsolo relevante interesse para a segurança e o desenvolvimento nacional”.

  • Constituição de 1988 o Rompeu-se a perspectiva integracionista estabelecida desde o SPI.

 As terras indígenas seriam definidas desde então como aquelas que possibilitam a reprodução dos índios, isto é, aquelas “necessárias a sua preservação física e cultural, segundo
seus usos, costumes e tradições” o Índios sob a tutela do Estado.

 

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login