Resumo de Machado de Assis - Memórias Póstumas - Literatura

Quer estudar Machado de Assis - Memórias Póstumas? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Literatura que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Personagens

Assistir aula

Brás Cubas: o defunto-autor narrador do livro, que conta suas memórias e é o responsável pela caracterização de todos os demais personagens. 

Vigília: grande amor de Brás Cubas, sobrinha de ministro, e a quem o pai do protagonista via como grande possibilidade de acesso para o filho ao mundo político. Torna-se sua amante depois.

Marcela: prostituta com a qual Brás se envolveu na adolescência.

Eugênia: moça humilde pela qual o protagonista se interessa, mas não se dispõe a levar adiante um romance, porque a garota mancava de uma perna.

Nhá Loló: última possibilidade de casamento para Brás Cubas, moça simples, que morre de febre amarela aos 19 anos. 

Lobo Neves: casa-se com Virgília e tem carreira política sólida, mas sofre o adultério da esposa com o protagonista. 

Quincas Borba: teórico do humanitismo, doutrina à qual Brás Cubas adere. Morre antes de Brás, com problemas psicológicos. 

Dona Plácida: representante da classe média, tem uma vida de muito trabalho e sofrimento, e serve de alcoviteira para Brás e Virgília. 

Prudêncio: escravo da infância de Brás Cubas, ganha depois sua alforria.

AULA 2

Resumo

Assistir aula

Essa obra dá início ao Realismo no Brasil, e, além disso, inicia também a análise psicológica dos personagens, revelando seu caráter, hipocrisias, vaidades etc. De ritmo lento, é narrada por um "defunto autor”, Brás Cubas, que por estar morto e não ter mais nenhum compromisso com a sociedade a qual pertencia, sente-se livre para criticá-la e expô-la da maneira que achar mais pertinente.

Assim, Brás Cubas vai contando a sua vida, começando sobre sua morte, seu enterro e seus últimos momentos terrenos. A narração é mesclada com digressões, uma característica marcante de Machado de Assis, que consiste num desvio momentâneo do assunto sobre o qual se está falando para inserir comentários. Devido a isso, nesse início não há nenhuma ordem convencional dos capítulos, já que a história é narrada da forma como o narrador prefere, desobedecendo qualquer linearidade.

Posteriormente, o narrador retoma essa linearidade narrando seu nascimento e infância, e contando como era inquieto, o que lhe rendeu o apelido de “menino diabo”. Conta-nos que maltratava os escravos, mentia; caçoava dos outros... tudo isso acobertado pelo pai e presenciado com inércia pela mãe.

Após isso, Brás comenta sobre seu Tio João, um militar boa-vida fã de obscenidades, que o influencia desde muito jovem, e depois passa a contar sobre sua árvore genealógica. Damião Cubas foi o fundador da família, um homem humilde especializado em consertar coisas, que se tornou lavrador e fez fortuna, deixando uma boa herança ao filho, Luís Cubas. Entretanto, era nesse herdeiro que começava a linhagem dos Cubas, já que não reconheciam Damião por se envergonharem de sua origem humilde.

Então, é nesse contexto familiar que o menino cresce, envolto em mentiras, lutas por ego, o que nos leva a compreender sua personalidade depois de adulto.

Já adolescente, de início estimulado pelo pai e sofrendo influência do Tio João, envolve-se com Marcela, uma prostituta, com a qual ele mesmo nos conta ter gasto “onze contos de réis”. Diante desses gastos abusivos, seu pai, que outrora o estimulara, resolve afastá-lo da moça e o manda à Europa para estudar. Ao final do Curso Superior Brás retorna, já homem feito, com diploma na mão, e perde a mãe em seguida.

Na sequência Brás narra seu envolvimento com a jovem Eugênia, moça humilde conhecida de sua família. Entretanto, visto que seu pai almejava que ele fosse político, imagina um casamento para o filho com Virgília, filha do Conselheiro Dutra, que devido a sua influência política poderia ajuda-lo a ascender. Além disso, argumenta sobre a necessidade de continuar o ilustre nome de família, não se casando com “qualquer uma”.

Assim, convencido pelo pai, dispõe-se a obter o amor de Virgília em troca de fama e prestígio, apesar de ter se encantado pela beleza da humilde Eugênia. Outro fato que o faz desistir da moça é ela mancar de uma perna. Diante desses fatores Brás segue rumo ao casamento com Virgilia e ao cargo de deputado.

Mas, daí vem sua primeira frustração: Brás perde Virgília e o cargo para Lobo Neves, e se torna amante da mulher a qual seria sua esposa, inclusive alugando uma casinha exclusivamente para manter encontros com ela, evitando levantar suspeitas das pessoas. Para disfarçar ainda mais, colocam na casa D. Plácida, uma senhora da confiança da família de Virgília, que aceita a missão de alcoviteira por ter sido subornada por Brás e por temer a solidão e o abandono, devido a algumas situações que já enfrentou na vida, como Brás no conto em seguida: Sempre foi de família humilde, perdeu o pai ainda criança e com isso começou a ajudar a mãe a fazer docinhos para fora para sobreviverem. Ainda bem jovem casou-se com um alfaiate que morreu de tuberculose deixando-lhe em condição de miséria, com uma filha e tendo também a mãe idosa para sustentar. Não se envolve com mais ninguém, dedicando-se arduamente ao trabalho. Adoeceu, envelheceu, a mãe faleceu e a filha fugiu com um homem desconhecido, ficando D. Plácida completamente sozinha até conhecer e cair nas graças da família de Virgília, para quem passou a costurar e, agora, acobertar o adultério de Virgília.

E, como se não bastasse esse envolvimento clandestino com a moça, Brás, num ato ambicioso em busca de alguma ascensão qualquer, torna-se secretário do marido da amante, chegando, depois, a deputado. Mas, em seguida nova frustração lhe assola: engravida Virgília, mas o filho more antes mesmo de nascer, o que, somado a uma carta anônima enviada ao marido traído, põe fim à relação entre os amantes.

Brás tenta novamente a felicidade no amor, num possível noivado arranjado por sua irmã com D. Eulália, conhecida por Nhá Loló, mas que morre vítima de uma epidemia.

Posteriormente o defunto-autor fala sobre seu amigo de infância Quincas Borba, destacando sua filosofia do Humanitismo, em que o mais forte, rico e esperto impera sobre os demais. Quincas aparece e desaparece diversas vezes ao longo do romance, algumas vezes rico e outras pobre, mas vem a morrer também após reaparecer depois de ter sumido por quase um ano.

No meio tempo entre a morte de Quincas e a de Brás, este último tem a ideia de fazer um emplasto contra a hipocondria, buscando finalmente obter a supremacia almejada por toda sua vida, deixando para trás os fracassos que o acompanharam até então. Todavia, este acaba sendo mais um projeto fracassado. Seu último fracasso, aliás, já que morreu de pneumonia antes de registrar seu invento.

Ao seu enterro comparecem pouquíssimas pessoas, entre elas Virgília. Então, para distrair-se do tédio que sentia após a morte, o defunto torna-se autor e nos narra sua história.

AULA 3

Análise da Obra

Assistir aula

Narrador

A narração é feita em primeira pessoa por um narrador observador e protagonista, que se autointitula um defunto-autor, ou seja, um morto que resolveu escrever suas memórias, e que, estando desprovido de qualquer compromisso com o mundo terreno, denuncia as personagens e as mazelas da sociedade carioca do século XIX em tom irreverente e irônico.

Tempo

Nesta obra há o tempo psicológico, do defunto-autor, que conta sua vida fazendo várias digressões, sem seguir uma linearidade temporal, narrando, por exemplo, a morte antes das própria vida; e o tempo cronológico, quando ele narra sequencialmente sua infância, adolescência, ida para Coimbra, volta ao Brasil e morte.

Uma vida de fracassos

Publicado em 1881, o livro trata das vivências de Brás Cubas, um membro da elite brasileira do século XIX e narrador da obra, que começa nos contando sobre sua morte até retornar a sua infância e daí ir avançando nos fatos cronologicamente vividos por ele.

O curioso do romance é que não apresenta grandes acontecimentos: há sempre a sensação de que haverá um clímax, de que algo grandioso será realizado, seguido pela frustração da não obtenção do êxito esperado. Brás Cubas não se casa, não conclui seu emplasto, se torna deputado mas com um desempenho é medíocre, e não tem filhos. Assim, o leitor se depara continuamente com a vida vazia do protagonista, representante da elite.

Entretanto, por mais que seus ideais não fossem alcançados, o que importava era o direito de ter esses ideais, ou seja, a capacidade de almejar, da qual muitos eram desprovidos na época, como é o caso de Dona Plácida, que teve uma vida de sofrimentos na qual só teve tempo para lutar pela sobrevivência, sem luxos ou caprichos.

Assim, o a importância de Memórias Póstumas de Brás Cubas, vai além da literária, pois a obra funciona como instrumento de entendimento do desnível social da época, já que a sociedade se estruturava a partir de uma divisão nítida, onde de um lado estavam os donos de escravos, componentes da classe dominante do país, representada na obra pelos políticos, e de outro os escravos responsáveis pelo trabalho e sustento do país. No meio, estava a classe média, composta por pequenos comerciantes, funcionários públicos e outros servidores dependentes dos favores da classe privilegiada.

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.