Resumo de Pepetela - Mayombe - Literatura

Quer estudar Pepetela - Mayombe? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Literatura que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Análise da Obra

Assistir aula

Sobre o autor

Pepetela é o pseudônimo do angolano Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, nascido em 29 de outubro de 1941, na cidade de Benguela, no litoral do país. Na década de 1960, começou a cursar engenharia, mudou para letras, mas acabou se decidindo pela política e passou a integrar o MPLA – Movimento Popular para a Libertação de Angola, um dos vários movimentos que lutavam pela independência do país, então uma colônia de Portugal.

Seria difícil resumir em um parágrafo o processo de luta que se estendeu por cerca de 15 anos, entre os angolanos e portugueses, até a independência obtida em 1975. Para complicar, depois disso, eclodiu uma guerra civil entre as duas principais forças políticas no país, o já citado MPLA e a Unita – União Nacional Para a Independência Total de Angola, que durou até 2002. De qualquer modo, é importante ressaltar que é esse panorama de conflito revolucionário e da história angolana que marcam a literatura de Pepetela.

Por seu envolvimento político, o escritor teve de viver no exílio e só após a independência retornou ao país, integrando o governo do presidente Agostinho Neto, como vice-ministro da Educação. Nessa época, por sinal, lançou boa parte de sua obra, como "Muana Puó2 (1978), "As aventuras de Ngunga" (1979) e "Mayombe" (1980). Este último livro, agora incluído na lista da Fuvest, retrata a experiência do autor na guerra revolucionária, mostrando o convívio de guerrilheiros de diversas origens étnicas e sociais em que se divide a nação angolana.

Ana Mafalda Leite, professora de literatura africana em português da Universidade de Lisboa, considera

"Mayombe" uma obra ao mesmo tempo crítica e heroica, que destaca a diversidade étnica angolana e ilustra as divisões tribais presentes naquele país e o levariam à guerra civil. Para a professora Leite, o romance é ainda o relato do conflito que define a fundação da pátria. Mas é interessante acrescentar a esse respeito a própria opinião do autor, para quem o texto seria uma simples reportagem sobre a guerra, mas como o texto acabasse lhe parecendo muito frio, ele foi escrevendo mais e mais, até transformá-lo num romance.

Em tempo, Mayombe, que dá título, ao romance que os candidatos ao vestibular da Fuvest devem ler a partir de agora, é o nome de uma região montanhosa da África, que se estende por vários países, entre os quais Angola, na província de Cabinda. E "Pepetela" significa cílios ou pestana, em uma das línguas africanas de Angola, sendo uma referência a um dos sobrenomes do autor.

 

Resumo e análise

O romance Mayombe, escrito pelo angolano Pepetela, expõe um momento importante da história política de Angola. A estória narrada é focada no personagem Sem Medo, um líder guerrilheiro que comanda o seu pequeno contingente em meio a dificuldades, como o racismo, o tribalismo, o oportunismo...

Ocorre uma representação da realidade mesclada com o ficcionário, já que movimentos guerrilheiros lutavam pela libertação nacional contra o colonialismo português na década de 60 e estendido até meados da década de 70, sendo conduzida efetivamente a independência em 75.

Tudo começou com a partilha da África por interesses Europeus numa conferência de Berlim em 1884-1885.

Neste momento, tribos aliadas foram separadas e tribos inimigas unidas. Assim, somente após a Segunda Guerra Mundial as colônias foram conquistando a independência. Pepetela faz essa transposição, de algo realmente vivido para o literário, a fim de mostrar aos leitores como foi sua experiência durante a guerra de guerrilha e não para justificar, por meio dos documentos históricos, os acontecimentos.

O Mayombe diz respeito a um exílio comunitário e, ao mesmo tempo, singular, onde cada um vive o seu e, também, o outro, tendo uma permuta de experiências moradas e uma aquisição de conduta e caráter para a formação de tais indivíduos. 

O exílio de Sem Medo é uma situação de fuga do passado, algo sentimental deixado para trás. Mas esta fuga não é mais do que uma ilusão criada por ele, pois ele está preso ao exílio, suas memórias estão sempre próximas, prendendo-o a este ciclo rotativo.

Assim, vemos que como comandante, Sem Medo faz do Mayombe de todos, o seu próprio, contudo tendo um toque de desraizamento com este local. Isso mostra que há uma busca incessante por uma identidade, sendo formada por passagens obscuras e objetivas, em que esta busca não terminou antes e nem depois do Mayombe.

Um exílio sentimental mostra ser mais doloroso e mais sombrio para a pessoa que carrega esse fardo; para abstrair essa ideia do passado, ela usa as atividades atuais como algo que possa ocupar sua mente, afastando da sua memória recordações do passado que infrinja o seu presente e, principalmente, seu futuro, um futuro incerto que, dependendo da dor, pode direcionar o caminho a total desgraçada.

Por esse motivo, percebemos que o exílio é algo que deve ser visto por diferentes perspectivas, pois, ainda que o exílio seja algo penoso e torturante, ele, indiretamente, pode auxiliar na formação do indivíduo. Entretanto, o indivíduo deve estar receptivo ao aprendizado, até mesmo em momentos difíceis e não se torturando mentalmente.

Ou seja, o exílio é uma bela arma para a construção de uma nova identidade do indivíduo no espaço em que pertence, já que a antiga se mantém em fragmentos como em um segundo plano, ativada, apenas, em momentos chaves. Assim, só depende do indivíduo superar e seguir em rumo à paz interior ou fracassar e viver amargurado.

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.