Quer ter acesso aos nossos resumos completos?

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com conteúdos exclusivos!

Resumo de Dissertação argumentativa - Redação

Quer estudar Dissertação argumentativa? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Redação que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Dissertação: noções gerais

Assistir aula

Conceito:

DEFINIÇÃO - A dissertação é um tipo de texto no qual se apresenta um ponto de vista -  tese - sobre determinado tema, por meio de argumentos. Predominam termos abstratos, análises e raciocínio lógico para se expressar uma visão de mundo.

Não é recomendável utilizar a primeira pessoa do singular e também não se recomenda dirigir-se ao leitor em dissertações para o vestibular. A interlocução explícita, ou seja, o diálogo com o leitor, pode causar a impressão de informalidade, pois se conversa com quem lê a redação. Nesses casos, a simples substituição pela terceira pessoa mantém a objetividade necessária ao texto. Também não é desejável que se utilize a primeira pessoa do singular em dissertações, uma vez que esse uso pode dar um tom indesejável de subjetividade ao texto.

Exemplo de estratégia a ser evitada:
No Brasil, eu acho que, se você for mulher, corre o risco de sofrer preconceito devido à mentalidade machista de  parte significativa da população, que… 

Sugestões para apresentar as ideias mais objetivamente: 
No Brasil, a(s) mulher(es) corre(m)o risco de sofrer preconceito…
No Brasil, corre-se o risco de sofrer preconceito quando se é mulher, pois…

 


ESTRUTURA - Na estrutura dissertativa ortodoxa, o texto se organiza em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Na introdução, o tema é contextualizado, para se problematizar a situação-problema  e também explicitar a tese.
No desenvolvimento, a tese deve ser sustentada com argumentos bem articulados e relevantes.
Na conclusão, a tese deve ser reforçada para se fechar a discussão. 

AULA 2

Dissertação: argumentativa e expositiva

Assistir aula

Para se fazer a  distinção entre dissertação argumentativa e dissertação expositiva, é fundamental lembrar o propósito de cada tipo de texto, a finalidade de cada um. 

Na dissertação argumentativa, o intuito é defender uma tese sobre determinado tema,  enquanto na dissertação expositiva, informações sobre o tema são apresentadas, sem que o autor tome partido ou opine explicitamente sobre a questão. Em ambas a linguagem deve ser formal e tom do texto, de objetividade.

 

A dissertação-expositiva tem caráter informativo, enquanto na dissertação-argumentativa predomina o opinativo (ou seja, pode haver descrição e apresentação de fatos e dados, mas direcionados à defesa de uma tese), baseado em argumentos que criarão um “efeito de verdade”.

Na redação para o vestibular, não se recomenda escrever na primeira pessoa do singular, pois corre-se o risco de fazer um texto muito subjetivo. Então, expressões como “eu acho que”, “na minha opinião” não são recomendáveis, por darem um tom de subjetividade ao texto. É preciso argumentar, de modo a sustentar a tese com coerência.

AULA 3

Dissertação argumentativa

Assistir aula

Na dissertação argumentativa, o objetivo não é apresentar uma verdade absoluta, mas uma tese que seja sustentável.

Nesse tipo de texto, deve ficar explícita uma perspectiva, uma visão de mundo. O aluno deve mostrar seu ponto de vista sobre o tema discutido. Como exemplo, pode-se citar o  tema da Unesp sobre a maioridade penal:

A redução da maioridade penal contribuirá para a diminuição da criminalidade no Brasil? 
Para isso, deve apresentar argumentos consistentes e bem articulados, em linguagem formal, de modo a criar um “efeito de verdade”.

AULA 4

Como opinar em dissertações

Assistir aula

Como expressar opinião 

É comum pensar que, para se  expressar uma opinião, é necessário usar a primeira pessoa do singular em expressões como “Na minha opinião”, “Eu acho que”, “Penso que”, “No meu ponto de vista” etc, entretanto, em textos dissertativos-argumentativos para o vestibular, essas construções podem afetar a objetividade da redação, por imprimirem um tom mais subjetivo à argumentação. É diferente do que podemos observar em artigos de opinião, por exemplo, em que o autor pode se colocar mais pessoalmente no texto, dependendo do tema, da situação abordada e do veículo que publica o texto.

É preciso, portanto, deixar claro qual é o seu ponto de vista sobre o tema proposto de maneira assertiva e objetiva, sempre sustentando o seu posicionamento com argumentos consistentes. 

 

AULA 5

A dissertação no vestibular

Assistir aula

Na maioria dos vestibulares, na prova de redação, exige-se que o candidato redija uma dissertação argumentativa, sobre um tema inédito, apresentado pela banca por meio de um enunciado e de uma coletânea de textos de apoio.
Nesse tipo de texto, deve-se defender um ponto de vista sobre a questão posta em debate, com argumentos lógicos e consistentes.
Geralmente, as propostas solicitam uma redação com limite de 30 linhas.

A exigência de título em dissertações no vestibular vai depender do que é expresso na proposta. Se o enunciado exigir, o candidato deve elaborar um título para o texto, se não, o título é opcional, não é preciso se preocupar com esse aspecto. Se mesmo assim o candidato quiser colocar um título na redação, também não há problemas.

Exemplo de enunciado de vestibular, com termos técnicos, com as exigências a serem atendidas:

FUVEST
Considerando as ideias apresentadas nos textos e também outras informações que julgar pertinentes, redija uma dissertação em prosa, na qual você exponha seu ponto de vista sobre o tema: Devem existir limites para a arte? 

Instruções: 

  • A dissertação deve ser redigida de acordo com a norma padrão da língua portuguesa. 
  • Escreva, no mínimo, 20 linhas, com letra legível e não ultrapasse o espaço de 30 linhas da folha de redação. 
  • Dê um título a sua redação

AULA 6

Estrutura dissertativa

Assistir aula

A dissertação se estrutura em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. É a estrutura ortodoxa da dissertação:

Na introdução, é importante contextualizar o tema, pois é preciso que o tema fique claro para o leitor; e apresentar a tese, uma vez que o ponto de vista sobre o tema proposto deve ficar explícito desde o início, de modo que quem lê o texto compreenda qual é a ideia principal da redação.

No desenvolvimento, deve-se  sustentar a tese com argumentos bem articulados. É preciso estabelecer relações lógicas que podem ser usadas para se sustentar o raciocínio apresentado na tese.

Na conclusão,  de modo geral, é fundamental retomar a tese, reforçar a ideia principal, ou seja, o ponto de vista apresentado no início, para fechar a discussão

AULA 7

Tipos de temas

Assistir aula

O recorte temático pode ser delimitado na proposta de diferentes maneiras.

Se o enunciado pedir que você se posicione sobre uma questão polêmica, por meio de uma pergunta cuja resposta deve ser

  • contrária ou a favorável a determinado aspecto;
  • sim ou não; 
  • isto ou aquilo,  

é fundamental lembrar a importância de explicitar o questionamento na contextualização, e não fazer um texto que defenda um lado somente.
É muito importante mostrar que existe uma polêmica em relação ao tema e considerar um posicionamento contrário ao argumentar, de modo a mostrar para quem lê o nosso texto que estamos fazendo uma análise abrangente, sustentando que é válido o ponto de vista que escolhemos. 

A opinião contrária à tese escolhida deve ser abordada com ressalvas e contra-argumentos (construídos com conjunções coordenadas concessivas: apesar de, embora etc), de modo a deixar bem  claro na argumentação qual é o posicionamento adotado. 

É preciso tomar cuidado para não simplesmente apresentar os dois lados da questão, de modo neutro ao longo do texto, e só se posicionar no final da redação. É imprescindível definir um ponto de vista, para evitar ficar “em cima do muro”. Uma sugestão é explicitar a tese logo na introdução, no final do parágrafo por exemplo, para não se correr o risco de deixar seu ponto de vista apenas implícito na argumentação.  

AULA 8

Tese: Problematização

Assistir aula

Para problematizar o tema com propriedade, é fundamental fazer uma boa interpretação dos textos de apoio, pois é por meio do direcionamento da coletânea que será possível identificar aspectos importantes a serem discutidos. É preciso analisar o que o recorte temático explicita como situação-problema: há termos como desafios, problema? Esse já pode ser um indício do que pode ser discutido.

 

Algumas perguntas podem auxiliar na problematização:

 

Qual é a importância dessa questão para a sociedade atual?”

 

O tema faz referência a leis ou direitos e os relaciona a problemas atuais?

 

Ocorreu algum fato ou evento de grande repercussão relacionado a essa temática que suscitou um debate?”

 

Observe como debates tendem a surgir (ou ressurgir) depois de algum acontecimento polêmico, por exemplo: um crime bárbaro é cometido por um menor de idade ou com a participação de um menor e a sociedade volta a debater a redução da maioridade penal; uma lei é sancionada e posteriormente se discutem seus efeitos, como no caso da Lei Seca e Lei Maria da Penha.

 

Também é possível relacionar os termos principais apresentados no recorte temático. Veja, exemplo, o tema da Fuvest 2015:

 

“Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

 

Em primeiro lugar, é importante entender os conceitos apresentados na frase. O que se entende por “camarotização” da sociedade brasileira? 

Uma possibilidade de encaminhamento seria questionar: De que  maneira esse processo se relaciona com a segregação social? A camarotização provoca segregação social? E esse processo afeta a democracia de alguma forma?

 

A coletânea vai ajudar a delimitar o contexto em que essa discussão está inserida.

 

Esses questionamentos servem para compreender, de fato,  o que está sendo discutido. Depois que se compreende a problemática envolvida, é preciso refletir sobre qual é a nossa opinião sobre esse quadro. É com base nesse posicionamento que a tese será formulada.

 

Um encaminhamento possível:

 

“Camarotização”, segundo consta no enunciado, é o nome dado à tendência de manter segregados os diferentes estratos sociais. Nos textos da coletânea, são abordadas situações em que essa segregação ocorre, quando pessoas mais ricas escolhem serviços diferenciados, em espaços exclusivos. Desse modo, a convivência entre classes diferentes diminui cada vez mais. Quem tem maior poder aquisitivo deixa de usar serviços públicos e, por consequência, exigir maior qualidade deles. Além disso, perde-se a oportunidade de conviver com a diversidade, partilhar uma vida em comum e negociar para resolver diferenças, o que deveria ser pressuposto em uma democracia.

Entretanto, se não há convivência com a diferença, se não há a ideia de se lutar por um bem comum, como se pode construir uma sociedade democrática? Num país como o Brasil, em que os mais ricos pagam por melhores escolas, hospitais, segurança particular e uma infinidade de serviços VIP, os mais pobres submetem-se à ineficiência dos serviços públicos, e as perdas sociais são enormes.

 

Em decorrência disso, a sociedade se torna cada vez mais cindida e a representatividade popular diminui, uma vez que as classes mais abastadas, sua maior parte, não se mobilizam para exigir serviços públicos de qualidade, por exemplo.

 

O que se pode avaliar, portanto, é que a camarotização promove uma segregação social maior no Brasil, e esse processo afeta a democracia.

 

No entanto, para que a problematização de fato sirva para encaminhar a tese, é preciso que a opinião do autor fique explícita na redação, então é preciso pensar: “o que eu penso sobre essa situação?”; “meu ponto de vista tende a ser mais pessimista ou mais otimista nesse caso?”.

 

Pode-se, por exemplo, avaliar que a democracia no Brasil é afetada negativamente pela segregação social;  sendo assim, a “camarotização” se mostra extremamente nociva para a vida em sociedade e a democracia. Essa poderia ser uma tese.

 

É possível pensar em vários outros pontos de vista sobre o tema;  mas é necessário sempre que a opinião do autor (expressões qualificadoras e modificadoras) seja expressa na análise. Com um posicionamento claro sobre o tema, é possível pensar nos argumentos que serão usados para sustentar a tese e planejar o que vai ser apresentado em cada parte do texto.

AULA 9

Introdução: função da introdução

Assistir aula

A introdução, na dissertação argumentativa, tem a função de contextualizar o tema, apresentar a questão posta em debate para o leitor; e também explicitar tese.
Não se pode presumir que o leitor conhece o recorte temático ou que ele já leu os textos de apoio.

A introdução funciona como o trailer de um filme e tem a função de despertar o interesse do leitor. Serve como uma espécie de prévia sobre o que vai ser abordado no texto.

Há diversas possibilidades para se contextualizar o tema e encaminhar a tese em um texto:


estabelecer uma comparação, por oposição ou semelhança;
ilustrar por meio de uma narrativa ou descrição;
elaborar uma pergunta (retórica ou não);
apresentar um panorama histórico;
partir de uma citação filosófica, literária, cinematográfica etc;
apontar as teses em circulação;
apresentar uma definição;
negar o senso comum

 No primeiro parágrafo do texto, você pode escolher se revelará um pouco mais ou um pouco menos do seu ponto de vista.

Exemplo:

A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado um aumento significativo nas últimas décadas. De acordo com o Mapa da Violência, o número de feminicídios aumentou em 230% no período de 1980 a 2010. A persistência dessa problemática é preocupante e tem raízes históricas e ideológicas.

A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado aumento significativo nas últimas décadas. De acordo com o Mapa da Violência, o número de feminicídios aumentou em 230% no período de 1980 a 2010. A persistência dessa problemática é preocupante e tem raízes históricas -  devido à influência do patriarcalismo desde as origens da sociedade brasileira -  e ideológicas, provocadas, principalmente, pela ação da mídia, que objetifica a imagem da mulher e contribui para a legitimação da violência de gênero.

A introdução funciona como o trailer de um filme e tem a função de despertar o interesse do leitor. Serve como uma espécie de prévia sobre o que vai ser abordado no texto.

AULA 10

Introdução: tipos de introdução

Assistir aula

Há diversas possibilidades de introdução. É importante enfatizar que são possibilidades, pois,  desde que a introdução cumpra seu papel na estrutura narrativa, o aluno pode escolher seu estilo de escrita para  contextualizar o tema e encaminhar a tese em um texto.

 

AULA 11

Introdução: Estabelecer comparação

Assistir aula

Na Noruega, desde que os aterros sanitários foram proibidos, em 2009, o país investiu em modernas instalações para transformação do lixo em energia. Dotadas de enorme capacidade de incineração, elas produzem energia térmica, que é canalizada para prédios residenciais e comerciais. É muito diferente do que acontece no Brasil, onde a Política Nacional de Resíduos Sólidos, de 2010, estabelecia como meta que até agosto de 2014 o país deveria estar livre dos lixões e todos os resíduos não passíveis de reaproveitamento ou reciclagem deveriam ser destinados para aterros sanitários. Entretanto grande parte dos resíduos produzidos no país ainda é encaminhada para lixões e aterros controlados. Essa preocupante situação revela que o Brasil ainda precisa avançar muito no que se refere à gestão de lixo e medidas devem ser adotadas para se ampliar a reciclagem de materiais. 

 

AULA 12

Introdução: Utilizar uma Metáfora

Assistir aula

A representação do cartão de crédito como chave da porta que guarda “o melhor que o mundo tem a oferecer” traz implícita a redução da vida  e da experiência humanas à lógica de consumo. Se hoje o indivíduo “é aquilo que consome”, o valor simbolizado pelo cartão de crédito se tornou o sinal que comprova sua existência, bem como a medida que a qualifica, como se verifica através da engenhosa hierarquia que divide as pessoas em “comuns”, “silver”, “gold” e “platinum”.

 

AULA 13

Introdução: Fazer uma Analogia

Assistir aula

Dado que anúncios publicitários têm o objetivo de atingir determinado público para difundir determinada ideia, é fato que ela reflete os valores desse mesmo público e do tempo em que foi produzida. Nesse sentido, se mudam os valores, muda o anúncio: se antes chaminés expelindo fumaça eram propaganda do progresso, são hoje o contrário devido à preocupação ambiental a que a opinião pública tem aderido. Desse modo, um anúncio que associe “o melhor que o mundo pode oferecer” a um shopping center não é menor indicativo de que o consumo é, hoje, parte central do modo de vida urbano, fundamental no que se entende por lazer e, muitas vezes, o objetivo do cidadão comum.

 

AULA 14

Introdução: Ilustrar por narrativa

Assistir aula

(casos de grande repercussão)
A farmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes é hoje uma das mais  importantes figuras da história das lutas feministas brasileiras. Depois de sofrer duas tentativas de assassinato pelo então marido, procurou a justiça e tornou-se líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres. Após um longo processo de luta, em 2006, foi sancionada a Lei Maria da Penha, para combater a violência doméstica contra mulheres. No entanto, apesar do avanço representado pela lei, a preocupante persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira mostra que ainda existem muitos obstáculos para que milhares de mulheres possam, de fato, obter justiça ao denunciar seus agressores e viver em igualdade de direitos no Brasil.

 

AULA 15

Introdução: Ilustrar por descrição

Assistir aula

(dados estatísticos, por exemplo)
A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado aumentos significativos nas últimas décadas. De acordo com o Mapa da Violência de 2012, o número de mortes por essa causa aumentou em 230% no período de 1980 a 2010. Além da física, o balanço de 2014 relatou cerca de 48% de outros tipos de violência contra a mulher, dentre esses a psicológica. Nesse âmbito, pode-se analisar que essa problemática persiste por ter raízes históricas e ideológicas. 
(redação nota 1000)
 

 

AULA 16

Introdução: Elaborar uma pergunta

Assistir aula

No Brasil, a violência contra as mulheres é ainda um problema muito grave e vem se agravando. Apesar de terem ocorrido avanços para  proteção das vítimas, como a criação da Lei Maria da Penha e da Delegacia da Mulher, são medidas ainda insuficientes, o que se evidencia pelos altos índices de agressões, estupros e feminicídios ocorridos no país, segundo dados do Mapa da Violência de 2015. A situação torna-se cada vez mais alarmante e suscita o questionamento: como combater a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira?

 

AULA 17

Introdução: Apresentar um panorama histórico

Assistir aula

Historicamente, o papel feminino nas sociedades ocidentais foi subjugado aos interesses masculinos e tal paradigma só começou a ser contestado em meados do século XX, tendo a francesa Simone de Beauvoir como expoente. Conquanto tenham sido obtidos avanços no que se refere aos direitos civis, a violência contra a mulher é uma problemática persistente no Brasil, uma vez que ela se dá - na maioria das vezes - no ambiente doméstico. Essa situação dificulta as denúncias contra os agressores, pois muitas mulheres temem expor questões que acreditam ser de ordem particular.
(exemplo de redação nota 1000) 

 

AULA 18

Introdução: Citação

Assistir aula

partir de uma citação filosófica, literária, cinematográfica etc;


“A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mas relativamente a ele; ela não é considerada um ser autônomo”. Essa frase, de Simone de Beauvoir, filósofa existencialista francesa com grande contribuição no campo dos estudos sobre o feminismo e na luta da igualdade de gênero, ilustra a situação de submissão que as mulheres sofrem na vida em sociedade. No Brasil, observa-se um quadro cada vez mais grave, de persistência da violência contra a mulher, que evidencia a perversidade dessa sujeição feminina por uma estrutura patriarcalista que deve ser combatida.

AULA 19

Introdução: Apresentar uma definição

Assistir aula

O Brasil é um Estado laico, ou seja, que defende a liberdade religiosa a todos os seus cidadãos e não permite a interferência de correntes religiosas em matérias sociopolíticas e culturais. No entanto, na prática, observam-se na sociedade brasileira cada vez mais casos de intolerância religiosa, que revelam uma mentalidade ainda muito preconceituosa e eurocêntrica. É preciso, portanto, pensar em caminhos para combater esse grave problema. 

 

AULA 20

Introdução: teses em circulação

Assistir aula

A descriminalização das drogas é um assunto bastante polêmico, ainda mais em um contexto como o brasileiro. Parte da sociedade defende que as drogas devem ser legalizadas, umas vez que a medida seria  muito mais eficaz que combater o tráfico de entorpecentes, por gerar o recolhimento de impostos e diminuir os índices de violência relacionados à venda ilegal de drogas; outras parcelas da sociedade alertam que a descriminalização poderia banalizar o uso de entorpecentes e causar sérios riscos à saúde pública. Apesar da controvérsia, é preciso debater o problema das drogas no Brasil com seriedade e admitir que as políticas de combate ao uso e ao tráfico ainda são muito ineficientes. 

 

AULA 21

Introdução: negação do senso comum

Assistir aula

“Todos os políticos são corruptos, na política do Brasil só há ladrões”. Essa frase, proferida pela população em diversos contextos no Brasil, representa uma generalização, indevida, que faz com que muitas pessoas simplesmente se isentem de discutir e influenciar os rumos do país ao atribuir aos outros a responsabilidade por uma ética cada vez mais distorcida na nação. Assim, o brasileiro, muitas vezes, se coloca como um indivíduo à parte dessa ética nacional em que prevalece a tentativa de levar vantagem em todas as situações, o “jeitinho brasileiro”. Essa separação mostra-se extremamente prejudicial e em nada contribui para as mudanças de que o Brasil tanto necessita.

 

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login