Quer ter acesso aos nossos resumos completos?

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com conteúdos exclusivos!

Resumo de Karl Marx - Sociologia

Quer estudar Karl Marx? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Sociologia que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Quem é Karl Marx?

Assistir aula

Apresentação

  • Viveu de 1818 a 1883;
  • Estudou filosofia, política, economia e sociologia;
  • Foi redator de gazeta;
  • Participou da Liga dos Comunistas;
  • Integrante da 1ª Internacional.

Principais Obras

  • Manuscritos Econômicos-filosóficos;
  • A ideologia alemã;
  • Miséria da Filosofia;
  • Manifesto Comunista;
  • O 18 de Brumário;
  • O Capital.

Práxis

  • Materialismo histórico;
  • Luta de classes;
  • Alienação;
  • Política;
  • Dialética.

AULA 2

Dialética

Assistir aula

Filosofia de Hegel

  • Tese → Antítese → Síntese;
  • É um movimento interno de negação e superação.

Exemplo

  • Flor:
    • Botão (tese) → flor (antítese, negou a tese) → fruto (síntese, superou o botão e a flor).

Marx

  • Essa dialética é uma ideia. O que importa é a prática (matéria);
  • Marx aplica a dialética na história e na sociedade.

AULA 3

Senhor e Escravo

Assistir aula

Alegoria do senhor e do escravo

Dois indivíduos lutam. O vencedor se torna senhor. O perdedor vira escravo.

Visão marxista

SenhorEscravo
PolíticaTrabalho
Usufrui e controlaDomina os meios de produção
Depende de quem domina o trabalhoPode controlar quem não sabe trabalhar
Escravo do escravoSenhor do senhor
É o patrão, burguês, capitalistaÉ o operário, proletário, trabalhador

 

AULA 4

Socialismo Utópico

Assistir aula

Primeiros socialistas

  • Claude Henri de Rouvroy (Conde de Saint-Simon);
  • François-Charles Fourier;
  • Robert Owen.

Pontos em comum

  • Justiça plena;
  • Ordem social perfeita;
  • Fim do/a: individualismo, competição, propriedade privada.

Marx

  • Esses socialistas não levam em consideração luta política, nem participação do proletariado;
  • São idealistas;
  • Sua mudança é externa;
  • É preciso levar em conta as condições concretas;
  • A mudança deve ser interna (dialética).

AULA 5

As Primeiras Sociedades

Assistir aula

Dialética

  • É um movimento interno;
  • O novo surge do interior do velho;
  • Contradições internas: solidariedade X conflito;
  • Dinamismo: transformação da natureza (pelo trabalho).

Comunidade Original

  • Cooperação e harmonia: não há excedentes nem conflitos sociais.

Sociedade

  • Ferramentas e técnicas → melhor produção → excedentes → distribuição não é justa → propriedade privada → economia → classes sociais.

AULA 6

Classes Sociais

Assistir aula

Relação entre homens

  • Antagonismo – oposição – exploração – complementação.

Relação dialética

  • Harmonia → Antagonismo → Divisão do trabalho → Hierarquia → Desigualdade/Classes sociais.

Meios de produção

  • Proprietários X Não proprietários;
  • Luta de classes:
    • escravo X cidadão livre;
    • servo X senhor feudal;
    • operário X patrão.

AULA 7

Escravo, Servo e Proletário

Assistir aula

Escravo

  • Sem direitos;
  • Propriedade de alguém.

Servo

  • Propriedade da Terra;
  • Protegido pelo Senhor Feudal.

Proletário

  • Livre, com direitos;
  • Recebe salário;
  • O único comprometimento do patrão é pagar o salário.

AULA 8

Luta de Classes

Assistir aula

Visão liberal (Locke)

  • Todos os homens são iguais;
  • Todos têm os mesmos direitos;
  • Todos têm direito à propriedade.

Marx

  • A propriedade do burguês são os meios de produção;
  • A propriedade do proletário é sua força de trabalho;
  • O proletário vende sua força de trabalho para o burguês.

Interesses

  • Os interesses são antagônicos e complementares.
     
AntagônicosComplementares
BurguêsProletárioBurguês + Proletários
Mais lucroDividir lucrosUm existe com o outro
Diminuir o salárioAumentar saláriosMeios de produção
Aumentar jornada de trabalhoDiminuir jornada de trabalhoForça de trabalho

 

AULA 9

Materialismo Histórico

Assistir aula

Teoria geral

  • Tempo & espaço – produção de bens – estrutura social – força produtiva – relações de produção.

Forças produtivas

  • Condições práticas e concretas determinadas para produção:
    • Matéria-prima;
    • Instrumentos e técnicas;
    • Homens.

Relações de produção

  • É a forma como a sociedade se organiza para produzir;
  • Distribuição das forças produtivas e do produto final.

Forças produtivas + Relações de produção

  • Condição material;
  • Muda com a história;
  • Modos de produção.

AULA 10

Modos de Produção

Assistir aula

Dialética

  • O movimento é interno: da tese surge a antítese. Da antítese vem a síntese;
  • As mudanças também são internas.

Modo de Produção Primitivo

  • É o modo de produção utilizado pelas primeiras tribos, culturas e civilizações;
  • Os meios de produção são comuns: toda população compartilha as terras, as caças, etc;
  • As técnicas ainda eram pouco desenvolvidas. A hostilidade da natureza era grande (animais, o clima, etc.). Isso favoreceu os homens a se unirem para produzir;
  • A produção era repartida entre todos;
  • A população cresce e se expande: esse modo de produção não dá mais conta das necessidades.

Modo de Produção Asiático

  • É o modo de produção utilizado em civilizações como Egito e China;
  • Conhecem os ciclos da natureza;
  • Os meios de produção não são mais comuns; agora, pertencem ao Estado;
  • Há mais técnicas. Os homens se dedicam mais ao trabalho. Querem tomar posse da terra (deixa de pertencer ao Estado).

Modo de Produção Antigo

  • É o modo de produção utilizado na Grécia e em Roma;
  • A propriedade é privada;
  • Com a expansão e conquistas, aumentam os escravos: mão-de-obra escrava. A qualidade do trabalho do escravo é menor que a do homem livre. Diminui a expansão, diminui os escravos, e esse modo de produção entra em declínio.

Modo de Produção Germânico

  • É o modo de produção utilizado pelos povos bárbaros;
  • As famílias vivem isoladas. Elas é que cultivam e trabalham. Se unem para cultos religiosos e para a guerra;
  • Esse modo de produção entra em declínio com a ocupação da Europa.

Modo de produção Feudal

  • É o modo de produção utilizado nos Feudos, durante a Idade Média;
  • Junta as características do Modo de Produção Antigo com o Germânico. Da mescla do trabalho escravo (Grécia e Roma) com o familiar (Bárbaros), surge o servo;
  • A produção aumenta, as invasões bárbaras diminuem: guerras internas e revoltas populares. Esse modo de produção entra em crise, surgindo o capitalismo.

AULA 11

Capitalismo

Assistir aula

Trabalho assalariado

  • Meio de produção privado: artesanato, oficina, fábrica;
  • As cidades ressurgem, se desenvolvem e crescem;
  • O comércio se expande. O lucro aumenta.

Revolução Industrial

  • Maior produção → + lucro → + mão-de-obra assalariada → mais poder à burguesia → Revoluções burguesas (Inglaterra, França, EUA).

AULA 12

Salário

Assistir aula

Propriedade

  • Burguês: proprietário dos meios de produção;
  • Operário: proprietário apenas de sua força de trabalho;
  • O operário vende a força de trabalho para quem tem os meios de produção.

O que é salário?

  • É o valor da força de trabalho considera como mercadoria;
  • Deve ser o suficiente para o trabalhador sobreviver.

Quanto vale o salário?

  • Varia conforme: preço do produto, tipo do trabalho, habilidade e especialização do trabalhador.

AULA 13

Força de Trabalho

Assistir aula

Capitalismo

  • A força de trabalho produz e consome as mercadorias.

A. Smith

  • Característica da força de trabalho;
  • Cria valores, não se desgasta nem desaparece, é a verdadeira fonte de riqueza da sociedade.

K. Marx

  • Ressureição:
    • As criações estão “mortas”. A força de trabalho reanima o produto: gera outro produto, agrega outro valor.

AULA 14

Valor da Mercadoria

Assistir aula

Economistas inglesas

  • Tempo de trabalho + gastos = preço da mercadoria.

Marx

  • A habilidade individual e as técnicas vigentes também são fatores para determinar o preço da mercadoria;
  • O valor da mercadoria será: tempo de trabalho socialmente necessário à produção da mercadoria.

AULA 15

Lucro

Assistir aula

Exemplo: tênis.

GastosQuantidade
Matéria-prima100
Instrumentos20
Trabalho30
Total150

150 é a despesa, é o preço de custo.

Hipótese

  • Aumentar os preços: + 50;
  • 200 (preço final, com 50 de lucro).

Problemas

  • Arbitrário e transitório;
  • Atrai concorrentes;
  • Aumenta a oferta, diminui o preço;
  • Se todos aumentam o preço, gera inflação e crise econômica.

AULA 16

Mais-valia

Assistir aula

Vamos supor uma jornada de trabalho de 12h, com um par de tênis feito a cada 2h. Serão 6 pares ao dia. Os valores ficarão assim:
 

 1 par6 pares (Jornada)
Matéria-prima100600
Instrumento20120
Trabalhador3030
Total150750

 

  • Cada par custará: 125;
  • Lucro por par: 25;
  • Lucro do dia: 25 x 6 = 150;
  • Esse 150 é a mais-valia..

AULA 17

Mais-valia Absoluta e Relativa

Assistir aula

Absoluta

  • Valor da força de trabalho (salário) ≠ Rendimento do trabalho (mais-valia);
  • Para aumentar o lucro, explora-se mais o trabalhador;
  • Problema: os seres humanos têm limites.

Relativa

  • Com mais tecnologia, gera mais produtos, que aumenta o lucro;
  • O número de trabalhadores diminui. Aumenta o desemprego;
  • O valor da força de trabalho é desvalorizado: o homem passa a ser um apêndice subordinado à máquina.

AULA 18

Alienação

Assistir aula

Separação

  • Meios de produção  X  Operário;
  • Trabalho   X    Trabalhador;
  • Máquina       X    Homem;
  • Mais-valia    X   Salário.

Consequências

  • O trabalhador não se identifica com o produto produzido;
  • O trabalhador não se reconhece no seu trabalho.

Âmbitos do reconhecimento

  • Econômico, social, psicológico, político;
  • O trabalho alienado não é reconhecido em nenhum desses âmbitos.

AULA 19

Política

Assistir aula

Diferentes classes sociais

  • Existência da existência material: econômica (riqueza) e valores (comportamento, lazer, vivência, interesses, etc).

Dominação burguesa

  • Apropria o Estado → Estabelece leis → Legitima a exploração.

Solução

  • União da classe trabalhadora;
  • Mobilização política.

AULA 20

Superação

Assistir aula

Capitalismo

  • É a tese;
  • É a primeira classe a se legitimar pela dominação material;
  • Tem consciência de si;
  • A natureza está a serviço da indústria;
  • Surgem meios de comunicação, libertação;
  • As cidades são centros de debates;
  • Aumenta os recursos e a produção.

Consequências

  • É a antítese;
  • Injustiça, exploração, alienação, miséria;
  • A síntese será a superação da dessas contradições: O socialismo.

AULA 21

Socialismo e Comunismo

Assistir aula

Capitalismo

  • Baixo salário, condições indignas de trabalho, sem poder ao trabalhador.


Socialismo

  • É a síntese entre a tese (avanço do capitalismo) e a antítese (a miséria causada pelo capitalismo);
  • Fim dos meios de produção privados. Meios de produção estatais. Estado governado pelo proletário. Divisão igualitária de renda. Fim da divisão das classes sociais.


Comunismo

  • É a superação do socialismo;
  • Busca mais que o básico à sobrevivência;
  • Verdadeira democracia. Fim do Estado. Trabalhadores se autogerem.

AULA 22

Análise de Texto

Assistir aula

  • Ideia central do texto:
    • As condições de vida do trabalhador.
  • Modo de produção capitalista:
    • Dialética: O proletário é chave para explicar e superar o Capitalismo.
  • Alienação:
    • Trabalho sem identificação;
    • Trabalho sem reconhecimento;
    • Trabalho desvalorizado;
    • Trabalho explorado.
  • Consciência de si:
    • O capitalismo é o único sistema a ter consciência de si;
    • Exerce extrema disciplina;
    • Explora cada vez mais a mão-de-obra.
  • Contradições:
    • Ideal burguês (liberdade, igualdade, fraternidade) X Exploração.
  • Política social:
    • As relações do modo de produção se estendem às relações sócias.

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.