Resumo de Karl Marx - Sociologia

Quer estudar Karl Marx? Aqui no Stoodi você encontra resumos grátis de Sociologia que podem ser salvos em PDF para ajudar na sua preparação para o Enem e principais vestibulares.

AULA 1

Quem é Karl Marx?

Assistir aula

Apresentação

  • Viveu de 1818 a 1883;
  • Estudou filosofia, política, economia e sociologia;
  • Foi redator de gazeta;
  • Participou da Liga dos Comunistas;
  • Integrante da 1ª Internacional.

Principais Obras

  • Manuscritos Econômicos-filosóficos;
  • A ideologia alemã;
  • Miséria da Filosofia;
  • Manifesto Comunista;
  • O 18 de Brumário;
  • O Capital.

Práxis

  • Materialismo histórico;
  • Luta de classes;
  • Alienação;
  • Política;
  • Dialética.

AULA 2

Dialética

Assistir aula

Filosofia de Hegel

  • Tese → Antítese → Síntese;
  • É um movimento interno de negação e superação.

Exemplo

  • Flor:
    • Botão (tese) → flor (antítese, negou a tese) → fruto (síntese, superou o botão e a flor).

Marx

  • Essa dialética é uma ideia. O que importa é a prática (matéria);
  • Marx aplica a dialética na história e na sociedade.

AULA 3

Senhor e Escravo

Assistir aula

Alegoria do senhor e do escravo

Dois indivíduos lutam. O vencedor se torna senhor. O perdedor vira escravo.

Visão marxista

SenhorEscravo
PolíticaTrabalho
Usufrui e controlaDomina os meios de produção
Depende de quem domina o trabalhoPode controlar quem não sabe trabalhar
Escravo do escravoSenhor do senhor
É o patrão, burguês, capitalistaÉ o operário, proletário, trabalhador

 

AULA 4

Socialismo Utópico

Assistir aula

Primeiros socialistas

  • Claude Henri de Rouvroy (Conde de Saint-Simon);
  • François-Charles Fourier;
  • Robert Owen.

Pontos em comum

  • Justiça plena;
  • Ordem social perfeita;
  • Fim do/a: individualismo, competição, propriedade privada.

Marx

  • Esses socialistas não levam em consideração luta política, nem participação do proletariado;
  • São idealistas;
  • Sua mudança é externa;
  • É preciso levar em conta as condições concretas;
  • A mudança deve ser interna (dialética).

AULA 5

As Primeiras Sociedades

Assistir aula

Dialética

  • É um movimento interno;
  • O novo surge do interior do velho;
  • Contradições internas: solidariedade X conflito;
  • Dinamismo: transformação da natureza (pelo trabalho).

Comunidade Original

  • Cooperação e harmonia: não há excedentes nem conflitos sociais.

Sociedade

  • Ferramentas e técnicas → melhor produção → excedentes → distribuição não é justa → propriedade privada → economia → classes sociais.

AULA 6

Classes Sociais

Assistir aula

Relação entre homens

  • Antagonismo – oposição – exploração – complementação.

Relação dialética

  • Harmonia → Antagonismo → Divisão do trabalho → Hierarquia → Desigualdade/Classes sociais.

Meios de produção

  • Proprietários X Não proprietários;
  • Luta de classes:
    • escravo X cidadão livre;
    • servo X senhor feudal;
    • operário X patrão.

AULA 7

Escravo, Servo e Proletário

Assistir aula

Escravo

  • Sem direitos;
  • Propriedade de alguém.

Servo

  • Propriedade da Terra;
  • Protegido pelo Senhor Feudal.

Proletário

  • Livre, com direitos;
  • Recebe salário;
  • O único comprometimento do patrão é pagar o salário.

AULA 8

Luta de Classes

Assistir aula

Visão liberal (Locke)

  • Todos os homens são iguais;
  • Todos têm os mesmos direitos;
  • Todos têm direito à propriedade.

Marx

  • A propriedade do burguês são os meios de produção;
  • A propriedade do proletário é sua força de trabalho;
  • O proletário vende sua força de trabalho para o burguês.

Interesses

  • Os interesses são antagônicos e complementares.
     
AntagônicosComplementares
BurguêsProletárioBurguês + Proletários
Mais lucroDividir lucrosUm existe com o outro
Diminuir o salárioAumentar saláriosMeios de produção
Aumentar jornada de trabalhoDiminuir jornada de trabalhoForça de trabalho

 

AULA 9

Materialismo Histórico

Assistir aula

Teoria geral

  • Tempo & espaço – produção de bens – estrutura social – força produtiva – relações de produção.

Forças produtivas

  • Condições práticas e concretas determinadas para produção:
    • Matéria-prima;
    • Instrumentos e técnicas;
    • Homens.

Relações de produção

  • É a forma como a sociedade se organiza para produzir;
  • Distribuição das forças produtivas e do produto final.

Forças produtivas + Relações de produção

  • Condição material;
  • Muda com a história;
  • Modos de produção.

AULA 10

Modos de Produção

Assistir aula

Dialética

  • O movimento é interno: da tese surge a antítese. Da antítese vem a síntese;
  • As mudanças também são internas.

Modo de Produção Primitivo

  • É o modo de produção utilizado pelas primeiras tribos, culturas e civilizações;
  • Os meios de produção são comuns: toda população compartilha as terras, as caças, etc;
  • As técnicas ainda eram pouco desenvolvidas. A hostilidade da natureza era grande (animais, o clima, etc.). Isso favoreceu os homens a se unirem para produzir;
  • A produção era repartida entre todos;
  • A população cresce e se expande: esse modo de produção não dá mais conta das necessidades.

Modo de Produção Asiático

  • É o modo de produção utilizado em civilizações como Egito e China;
  • Conhecem os ciclos da natureza;
  • Os meios de produção não são mais comuns; agora, pertencem ao Estado;
  • Há mais técnicas. Os homens se dedicam mais ao trabalho. Querem tomar posse da terra (deixa de pertencer ao Estado).

Modo de Produção Antigo

  • É o modo de produção utilizado na Grécia e em Roma;
  • A propriedade é privada;
  • Com a expansão e conquistas, aumentam os escravos: mão-de-obra escrava. A qualidade do trabalho do escravo é menor que a do homem livre. Diminui a expansão, diminui os escravos, e esse modo de produção entra em declínio.

Modo de Produção Germânico

  • É o modo de produção utilizado pelos povos bárbaros;
  • As famílias vivem isoladas. Elas é que cultivam e trabalham. Se unem para cultos religiosos e para a guerra;
  • Esse modo de produção entra em declínio com a ocupação da Europa.

Modo de produção Feudal

  • É o modo de produção utilizado nos Feudos, durante a Idade Média;
  • Junta as características do Modo de Produção Antigo com o Germânico. Da mescla do trabalho escravo (Grécia e Roma) com o familiar (Bárbaros), surge o servo;
  • A produção aumenta, as invasões bárbaras diminuem: guerras internas e revoltas populares. Esse modo de produção entra em crise, surgindo o capitalismo.

AULA 11

Capitalismo

Assistir aula

Trabalho assalariado

  • Meio de produção privado: artesanato, oficina, fábrica;
  • As cidades ressurgem, se desenvolvem e crescem;
  • O comércio se expande. O lucro aumenta.

Revolução Industrial

  • Maior produção → + lucro → + mão-de-obra assalariada → mais poder à burguesia → Revoluções burguesas (Inglaterra, França, EUA).

AULA 12

Salário

Assistir aula

Propriedade

  • Burguês: proprietário dos meios de produção;
  • Operário: proprietário apenas de sua força de trabalho;
  • O operário vende a força de trabalho para quem tem os meios de produção.

O que é salário?

  • É o valor da força de trabalho considera como mercadoria;
  • Deve ser o suficiente para o trabalhador sobreviver.

Quanto vale o salário?

  • Varia conforme: preço do produto, tipo do trabalho, habilidade e especialização do trabalhador.

AULA 13

Força de Trabalho

Assistir aula

Capitalismo

  • A força de trabalho produz e consome as mercadorias.

A. Smith

  • Característica da força de trabalho;
  • Cria valores, não se desgasta nem desaparece, é a verdadeira fonte de riqueza da sociedade.

K. Marx

  • Ressureição:
    • As criações estão “mortas”. A força de trabalho reanima o produto: gera outro produto, agrega outro valor.

AULA 14

Valor da Mercadoria

Assistir aula

Economistas inglesas

  • Tempo de trabalho + gastos = preço da mercadoria.

Marx

  • A habilidade individual e as técnicas vigentes também são fatores para determinar o preço da mercadoria;
  • O valor da mercadoria será: tempo de trabalho socialmente necessário à produção da mercadoria.

AULA 15

Lucro

Assistir aula

Exemplo: tênis.

GastosQuantidade
Matéria-prima100
Instrumentos20
Trabalho30
Total150

150 é a despesa, é o preço de custo.

Hipótese

  • Aumentar os preços: + 50;
  • 200 (preço final, com 50 de lucro).

Problemas

  • Arbitrário e transitório;
  • Atrai concorrentes;
  • Aumenta a oferta, diminui o preço;
  • Se todos aumentam o preço, gera inflação e crise econômica.

AULA 16

Mais-valia

Assistir aula

Vamos supor uma jornada de trabalho de 12h, com um par de tênis feito a cada 2h. Serão 6 pares ao dia. Os valores ficarão assim:
 

 1 par6 pares (Jornada)
Matéria-prima100600
Instrumento20120
Trabalhador3030
Total150750

 

  • Cada par custará: 125;
  • Lucro por par: 25;
  • Lucro do dia: 25 x 6 = 150;
  • Esse 150 é a mais-valia..

AULA 17

Mais-valia Absoluta e Relativa

Assistir aula

Absoluta

  • Valor da força de trabalho (salário) ≠ Rendimento do trabalho (mais-valia);
  • Para aumentar o lucro, explora-se mais o trabalhador;
  • Problema: os seres humanos têm limites.

Relativa

  • Com mais tecnologia, gera mais produtos, que aumenta o lucro;
  • O número de trabalhadores diminui. Aumenta o desemprego;
  • O valor da força de trabalho é desvalorizado: o homem passa a ser um apêndice subordinado à máquina.

AULA 18

Alienação

Assistir aula

Separação

  • Meios de produção  X  Operário;
  • Trabalho   X    Trabalhador;
  • Máquina       X    Homem;
  • Mais-valia    X   Salário.

Consequências

  • O trabalhador não se identifica com o produto produzido;
  • O trabalhador não se reconhece no seu trabalho.

Âmbitos do reconhecimento

  • Econômico, social, psicológico, político;
  • O trabalho alienado não é reconhecido em nenhum desses âmbitos.

AULA 19

Política

Assistir aula

Diferentes classes sociais

  • Existência da existência material: econômica (riqueza) e valores (comportamento, lazer, vivência, interesses, etc).

Dominação burguesa

  • Apropria o Estado → Estabelece leis → Legitima a exploração.

Solução

  • União da classe trabalhadora;
  • Mobilização política.

AULA 20

Superação

Assistir aula

Capitalismo

  • É a tese;
  • É a primeira classe a se legitimar pela dominação material;
  • Tem consciência de si;
  • A natureza está a serviço da indústria;
  • Surgem meios de comunicação, libertação;
  • As cidades são centros de debates;
  • Aumenta os recursos e a produção.

Consequências

  • É a antítese;
  • Injustiça, exploração, alienação, miséria;
  • A síntese será a superação da dessas contradições: O socialismo.

AULA 21

Socialismo e Comunismo

Assistir aula

Capitalismo

  • Baixo salário, condições indignas de trabalho, sem poder ao trabalhador.


Socialismo

  • É a síntese entre a tese (avanço do capitalismo) e a antítese (a miséria causada pelo capitalismo);
  • Fim dos meios de produção privados. Meios de produção estatais. Estado governado pelo proletário. Divisão igualitária de renda. Fim da divisão das classes sociais.


Comunismo

  • É a superação do socialismo;
  • Busca mais que o básico à sobrevivência;
  • Verdadeira democracia. Fim do Estado. Trabalhadores se autogerem.

AULA 22

Análise de Texto

Assistir aula

  • Ideia central do texto:
    • As condições de vida do trabalhador.
  • Modo de produção capitalista:
    • Dialética: O proletário é chave para explicar e superar o Capitalismo.
  • Alienação:
    • Trabalho sem identificação;
    • Trabalho sem reconhecimento;
    • Trabalho desvalorizado;
    • Trabalho explorado.
  • Consciência de si:
    • O capitalismo é o único sistema a ter consciência de si;
    • Exerce extrema disciplina;
    • Explora cada vez mais a mão-de-obra.
  • Contradições:
    • Ideal burguês (liberdade, igualdade, fraternidade) X Exploração.
  • Política social:
    • As relações do modo de produção se estendem às relações sócias.
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.