Descubra como começou a guerra civil na Síria 

 

Você está por dentro do que está acontecendo na Síria? Sabe o motivo de de tantos habitantes precisarem procurar refúgio em outros países? 

Para esclarecer todas essas dúvidas (e muitas outras),  nós convocamos o prof. Érico, de Geografia, e montamos um resumo sobre os refugiados sírios

O que são refugiados? 

Antes de qualquer coisa, precisamos definir o que é um refugiado para alinhar esse conceito. Refugiado é um indivíduo ou grupo humano que se desloca para outro país (ou para outra região dentro de seu próprio país), por conta de problemas relacionados ao meio ambiente, a perseguições políticas ou situação de guerras e extrema pobreza.

Ou seja, podemos dizer que é alguém que passou por uma situação insustentável e desumana em seu país e precisou se deslocar para outro lugar com o objetivo de encontrar uma situação melhor de vida e segurança.

Existem diversos conflitos internacionais que estão causando a necessidade de procurar um novo lugar para se estabelecer, como é o caso dos problemas políticos e civis da Síria

De acordo com relatório da ACNUR, agência da Organização das Nações Unidas, a Síria é o país com o maior número de refugiados do mundo, somando mais de 5 milhões de refugiados. 

Guerra na Síria
 

Por que os sírios estão procurando abrigo em outros países? 

Desde 2011, a Síria passa por momentos de tensão. Existem dois principais motivos para isso: 

  • Situação política do país com forte centralização do poder nas mãos do ditador Bashar al-Assad e muita repressão;
  • Atuação de grupos como o Estado Islâmico. 

Tudo começou ainda no contexto da Primavera Árabe – as revoltas da Tunísia, no final de 2010, serviram de inspiração para os sírios. Em janeiro de 2011, uma parcela significativa da população se juntou para manifestar e pedir por mudanças no país. 

Muitos civis foram às ruas pedir por melhores condições sociais, mais liberdade individual e coletiva, medidas para conter o desemprego, políticas para melhorar a educação do país, a saúde, entre outros. 

Mas Bashar al-Assad, governante que herdou o poder de seu pai e garantiu que a família continuasse no comando do país por mais de 30 anos, não gostou nada disso. Ele reprimiu fortemente todos os tipos de protestos. 

Sociedade síria dividida

A partir desse cenário, o país ficou dividido entre pessoas que apoiavam o governo e pessoas que eram contrárias. Os conflitos, cada vez mais intensos, resultaram em muitas mortes, torturas e situações desumanas, configurando, em 2012, uma guerra civil. 

Para se ter uma ideia, de acordo com dados das ONU, esse conflito interno provocou a morte de aproximadamente 400 mil habitantes. Além disso, a Síria também contou com cerca de 100 mil prisões por questões políticas. 

Para completar, a partir de 2013, o Estado Islâmico vai agir na Síria tomando alguns territórios para formar seu califado. O grupo radical religioso queria impor a “sharia”, um conjunto de leis islâmicas interpretadas do Alcorão, para ser seguido por todos os sírios.    

Refugiados sírios
 

Como a Síria está inserida na atual crise migratória? 

A Síria é o país com o maior número de refugiados do mundo, mas não é o único. De acordo com o relatório “Tendências Globais”, divulgado pela ACNUR, até o final de 2016 o planeta contava com 22,5 milhões de refugiados

Outros países que também passam por essa situação e seus moradores precisam procurar um novo território com melhores condições de vida. Por exemplo: 

  • Palestinos 
  • Colombianos
  • Afegãos
  • Iraquianos 
  • Sul-sudaneses (cidadãos do Sudão do Sul)

O que é o Estado Islâmico? 

Para você ter propriedade sobre esse tema, é preciso entender o que é o Estado Islâmico, qual o objetivo desse grupo e suas práticas. 

O Estado Islâmico é um grupo radical religioso liderado por Abu Bakr al-Baghdadi. Ele foi criado oficialmente em 2013, quando os integrantes de orientação sunita declararam a formação de um califado em terras iraquianas e sírias, se desvencilhando da Al-Qaeda e se tornando um grupo independente.

O objetivo do grupo é formar um califado (um território teocrático) seguindo a Sharia, as interpretações das leis islâmicas. Entre as reivindicações do Estado Islâmico está a restauração dos antigos territórios do auge da expansão árabe (que ocorreu com início no século VII d.C) e novas expansões – principalmente no Oriente médio e em partes dos continentes asiáticos e africanos.

Para os integrantes do EI, quem possui outra crença e não é adepto do islamismo – os chamados infiéis – devem se converter, respeitar e aprender os ensinamentos do profeta Maomé. Caso a pessoa não siga essa orientação, ela precisará pagar impostos e, anda assim, poderá sofrer punições física ou ser condenada à morte.

Veja como o Estado Islâmico surgiu e aprofunde-se no assunto.

Atualmente, o grupo já possui áreas da Síria controladas, porém, o Estado Islâmico reivindica outros territórios do país. Confira na imagem: 

Estado Islâmico

Qual a rota de fuga dos sírios?

De acordo com o prof. Érico, de Geografia, os sírios vão tentar fugir para os países vizinhos como: 

  • Jordânia
  • Líbano
  • Turquia 
  • Hungria 
  • Sérvia

O professor chama atenção para o fato dos três últimos países listados (Turquia, Hungria e Sérvia) serem portas de entrada para a União Europeia. 

Países que mais recebem refugiados no mundo 

É possível saber quais são os países que recebem mais refugiados, não só da Síria, como do mundo inteiro. De acordo com o relatório da ONU, são eles: 

Turquia – 2,5 milhões de refugiados.
Paquistão – 1,6 milhão de refugiados.
Líbano – 1,1 milhão de refugiados.
Irã – 979 mil refugiados.
Etiópia – 736 mil refugiados.
Jordânia – 664 mil refugiados.
Quênia – 554 mil refugiados.
Uganda – 477 mil refugiados.
República do Congo – 383 mil refugiados. 

Crise dos refugiados na Síria

Como é a questão dos sírios no Brasil? 

De acordo com um estudo realizado pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, tivemos um aumento de 12% no número total de refugiados reconhecidos no país em 2016.

O relatório apontou 326 sírios no território brasileiro. É sempre bom estar atento a esses dados porque os exame, principalmente o Enem que tem enfoque nacional, podem apresentar alguma questão sobre refugiados. 

Além disso, uma das apostas da Coordenadora de Redação do Stoodi, Marina Sestito, é de que apareça alguma proposta no Enem relacionada aos “Desafios da população refugiada no Brasil”. 

Se você vai prestar o vestibular e precisa estar por dentro de todos os conceitos relacionados aos refugiados, continue seus estudos por aqui: 

Veja tudo sobre a Crise Migratória;
Descubra a diferença entre sunitas e xiitas
Confira o que é a xenofobia
E relembre alguns atentados.

Para saber mais sobre conflitos religiosos e outros temas que caem no vestibular, cadastre-se gratuitamente no Stoodi.
 

Laura Loyo

Jornalista, ama uma roda de samba e ficar por dentro de todas as novidades. A Laura faz parte do time de Marketing e Conteúdo, e é conhecida como a Laura do Stoodi! Ela busca ter uma vida mais ativa, ama uma conversa de bar e adora comer comida de boteco. Saiba mais sobre a Laurinha!