O que você pensa quando falamos sobre o termo “regência”? Essa é uma palavra com diversos significados, por isso pode ser que você, por exemplo, lembre-se do período em que ocorreram várias revoltas regenciais no país. Outra opção é a condução de músicas em uma orquestra. Mas o que significa esse conceito em Gramática?

Conhecer esse tipo de informação é muito importante para ir bem nos vestibulares de todo o Brasil e no Enem, já que comumente esse tema é cobrado, seja direta ou indiretamente. Por isso, para não ser pego de surpresa ao se deparar com alguma questão do tipo e não perder pontos na redação, vamos estudar esse assunto?

A seguir, veremos o que é regência, quais são os tipos e, ao fim da conversa, faremos alguns exercícios para treinar tudo o que você viu ao longo do post. Boa leitura!

O que é regência?

Para compreender melhor o que é a regência na Gramática e como ela funciona, que tal abordarmos brevemente o significado dessa palavra? “Reger” significa, de modo simplificado, “comandar algo”. Sendo assim, a regência diz respeito a uma certa “hierarquia” entre os termos de uma oração.

Para explicar ainda melhor, quando falamos sobre regência, falamos sobre como os verbos — ou os nomes, no caso do tipo nominal — comandam as frases. Aqui, um certo termo diz muito sobre as palavras seguintes (alguns vêm sempre acompanhados de determinado vocábulo), se ele precisa ou não de uma preposição o acompanhando etc.

Se o conceito ainda não ficou muito claro, não se preocupe. A seguir, explicaremos os tipos de regência e mostraremos alguns exemplos para que tudo fique mais organizado dentro de sua cabeça.

Regência verbal

O primeiro tipo de regência que veremos hoje é a regência verbal. Esse o tema mais recorrente nas provas. Por isso, preste uma atenção extra nesse momento, tá bom?

A regência verbal é composta por dois personagens: o regente e o regido. O regente, no caso, é o verbo — ele é quem dita as ordens de como funcionará o restante da oração. O complemento, portanto, tem o título de regido.

Para compreender bem esse assunto, é essencial relembrar bem a transitividade dos verbos. Há os transitivos diretos, indiretos e aqueles que respondem às duas classificações, além dos intransitivos. Esse conceito será muito importante para a resolução dos exercícios.

material de estudos regência

Exemplos de regência verbal

Agora, vamos ver alguns exemplos de regência verbal e observar como esse tema está relacionado à transitividade dos verbos.

Na palavra “aspirar”, temos dois exemplos clássicos:

Ela aspirou o pó do cômodo, deixando-o livre de impurezas. (verbo transitivo direto)

Ele aspirava à carreira na área da Engenharia. (verbo transitivo indireto)

Além desse exemplo, podemos citar vários outros. Entre eles:

  • visar;
  • assistir;
  • corroborar;
  • preferir;
  • querer.

Há várias tabelas que mostram muitos termos que obedecem à regra básica da regência, ou seja: a presença de um personagem regido e de um regente e, claro, de uma palavra que funciona como algo que “cola” os diferentes blocos da frase uns nos outros. Normalmente, ela é uma preposição.

Regência nominal

Agora, falaremos sobre o segundo tipo de regência: a regência nominal. Esse assunto cai um pouco menos nas provas, mas, quando dá as caras, costuma “dar uma rasteira” nos candidatos. Esse, é claro, não será o seu problema, pois você estará bem preparado com os conceitos que verá a seguir!

Assim como na regência verbal, há um regente (no caso, o nome) e um regido (o complemento). Além disso, também podemos estabelecer uma relação de dependência entre essas partes.

A diferença, aqui, é que ela não ocorre com verbos, mas sim com “nomes” (substantivos, adjetivos e advérbios) que estão sempre acompanhados de uma preposição para que o contexto possa fazer algum sentido.

Exemplos de regência nominal

Agora, observe alguns exemplos de regência nominal. Novamente, há tabelas que mostram dezenas de casos semelhantes, mas a seguir veremos alguns deles para ilustrar melhor a nossa conversa:

  • nocivo a;
  • próximo a/de;
  • passível de;
  • antipatia;
  • estranho a;
  • visível a;
  • atencioso com.

Conhecer esses termos e suas combinações é algo que demanda um certo tempo. A ideia é não decorar as tabelas, mas sim exercitá-las por meio da resolução frequente de questões e com a leitura frequente de obras variadas. Pouco a pouco, isso se torna bem mais natural e automático!

Exercícios de regência

Chegou a hora de testar seus conhecimentos sobre esse assunto! E lembre-se: errar questões não é nenhum problema. Afinal, é assim que construímos o aprendizado e damos um passo à frente em nossos estudos. Vamos lá?

1. (Fuvest) A única frase que NÃO apresenta desvio em relação à regência (nominal e verbal) recomendada pela norma culta é:

a)     O governador insistia em afirmar que o assunto principal seria “as grandes questões nacionais”, com o que discordavam líderes pefelistas.

b)     Enquanto Cuba monopolizava as atenções de um clube, do qual nem sequer pediu para integrar, a situação dos outros países passou despercebida.

c)      Em busca da realização pessoal, profissionais escolhem a dedo aonde trabalhar, priorizando à empresas com atuação social.

d)     Uma família de sem-teto descobriu um sofá deixado por um morador não muito consciente com a limpeza da cidade.

e)     O roteiro do filme oferece uma versão de como conseguimos um dia preferir a estrada à casa, a paixão e o sonho à regra, a aventura à repetição.

Resposta: E

2. (FGV) Assinale a alternativa em que a regência verbal está de acordo com a norma culta:

a)     As crianças, obviamente, preferem mais os doces do que os legumes e verduras.

b)     Assista uma TV de LCD pelo preço de uma de projeção e leve junto um Home Theater!

c)      O jóquei Nélson de Sousa foi para Inglaterra visando títulos e euros.

d)     Construir impérios a partir do nada implica inovação e paixão pelo risco.

e)     A Caixa Econômica informou os mutuários que não haverá prorrogação de prazos.

Resposta: D

O conteúdo de regência certamente é fundamental para as suas provas. No entanto, isso não é tudo! Para saber exatamente o que estudar e ter um cronograma completamente personalizado de acordo com as suas necessidades, dê uma olhadinha no Plano de Estudos Stoodi e dê um passo importante em direção à aprovação!

Giovanna Pessoa

Estudante de Administração de Empresas, a Gi faz parte do time de Marketing e Conteúdo do Stoodi e adora escrever! Ela ama estar em contato com a natureza, ler sobre psicologia, mas acima de tudo, é apaixonada por um cãozinho. Conheça mais sobre os textos da Gi, essa grande escritora que procura crescer cada vez mais em marketing!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!