Mamíferos são animais que estão inseridos na classe animal denominada Mammalia. Em nosso planeta, existem aproximadamente cinco mil espécies vivendo em grupos — que vão de moderados a altamente sociais. Este grupo compartilha determinadas características que fazem com que os mamíferos sejam a classe mais desenvolvida em termos de evolução animal.

Sendo assim, é importante estudar os mamíferos para nos ajudar a entender suas características, o que têm em comum e, também, o que há de diferente em relação a outras classes de animais. Quer saber mais? Então, continue a leitura e aprofunde seus conhecimentos sobre este assunto!

O que é mamífero e quais são suas características?

Uma das características mais expressivas dos mamíferos é a sua tendência a viver em sociedade. Para fins de sobrevivência, estes animais evolutivamente se mantêm juntos para que possam se sustentar, afastar predadores e garantir a continuidade da espécie. Em grupos de animais em que a amamentação é necessária para nutrir o filhote, existe uma maior propensão à vivências sociais mais elaboradas.

Os mamíferos são também um dos grupos mais adaptáveis no que concerne ao habitat. Afinal, espécies deste gênero são capazes de modificar seu comportamento de acordo com o local onde se encontram. Dessa forma, o corpo mutável é muito útil para que eles se adaptem às condições climáticas do ambiente em que vivem, o tipo de alimento que consomem — ou mesmo a falta dele —, cuidados com a prole, entre outros.

Outra característica observável é a tendência para desenvolverem brincadeiras entre si. Nas mais diferentes espécies, pode-se observar as interações entre os filhotes, ou entre os filhotes e os pais e outros membros de seu grupo social. É por meio dessas brincadeiras que os animais entram em contato com a dinâmica do próprio grupo e entendem como funciona seu lugar dentro dele.

Aspectos corporais

Todos os mamíferos compartilham algumas características responsáveis por agrupá-los na classe adequada. A primeira delas é também responsável pela formação das glândulas mamárias nas fêmeas. Assim, por meio delas os filhotes são alimentados e recebem os nutrientes necessários até adquirirem autonomia para buscar o próprio alimento.

O corpo dos mamíferos costuma ser coberto por pelos, e sua função consiste em manter a temperatura corporal adequada ao ambiente. Portanto, os animais que vivem em locais mais frios possuem pelos mais densos e longos para prover uma proteção maior, sendo o urso polar um grande exemplo. Já nas regiões tropicais, a pelagem desses animais pode apresentar um aspecto mais rasteiro.

A arcada dentária dos mamíferos também é adequada de acordo com a evolução para que possa abocanhar, matar e comer a sua presa. Da mesma forma, os mamíferos possuem diafragma, uma membrana responsável por auxiliar na liberação e circulação de ar nos pulmões, e que separa o tórax do abdômen.

 Habitat

Os mamíferos são a classe do reino animal que detém a maior capacidade de adaptação ao ambiente em que vivem. Desde os desertos mais inóspitos até os lugares mais propícios ao desenvolvimento da vida, os mamíferos estão presentes. O Rato-Canguru, por exemplo, é uma espécie que vive nos ambientes mais áridos, como o deserto norte-americano do Vale da Morte, na Califórnia. Por outro lado, as baleias são animais imensos que habitam as misteriosas águas dos oceanos.

Não podemos deixar de citar, ainda, a capacidade do ser humano, mamífero com maior competência intelectual, maior propensão a viver em sociedade, além da incrível aptidão para sobreviver nos ambientes mais inóspitos. Quando o físico não ajuda no processo de sobrevivência, a mente preenche os vãos e cria formas de burlar as situações de risco.

Sistema nervoso

Os mamíferos apresentam um sistema nervoso bem desenvolvido, que influencia em vários aspectos de sua sobrevivência. O cérebro é bastante complexo e emite sinais para todo o corpo. Nos seres vertebrados, sendo mamíferos ou não, este sistema é classificado como sistema nervoso cérebro-espinhal. Ele é formado por um núcleo, o SNC (Sistema Nervoso Central), e pelo sistema nervoso periférico, que se ramificam para as demais áreas do corpo.

A diferença entre os vertebrados simples e os mamíferos no que se refere ao sistema nervoso está em sua superfície cerebral — a dos primeiros é lisa, e a dos últimos, rugosa, ou seja, ela aparenta ter ondulações e ser mais complexa, o que de fato, é. Por conta dessas ondulações, os mamíferos são chamados de girencéfalos, que significa um encéfalo com ondas e rugas.

golfinhos mamíferos

Reprodução dos mamíferos

Os mamíferos se reproduzem de forma sexuada, ou seja, pela conjunção física entre macho e fêmea. A fecundação e a gestação são internas, no entanto, há algumas espécies que botam ovos como as aves ou répteis. O ornitorrinco, por exemplo, é uma das espécies em que a gestação é externa e por meio de ovos. Os mamíferos de grande porte costumam passar por uma gestação ao ano, enquanto os menores como coelhos, gatos ou cachorros podem se reproduzir mais vezes.

No período gestacional, as fêmeas passam por intensas modificações físicas nas regiões do útero e da vagina. Mudanças de comportamento também são comuns, uma vez que existe a influência dos hormônios que estão se adaptando a uma nova situação. Vale lembrar que os mamíferos costumam viver em sociedade e demonstram um cuidado extremo com seus filhotes. Dessa forma, os pais são presentes nas vidas dos filhotes até o momento em que eles possam sobreviver de forma independente.

Alimentação

Os hábitos alimentares dos mamíferos são bem variados. Herbívoros, carnívoros ou onívoros, as espécies podem se dividir entre essas preferências, ou ainda fazer uma mistura.

Cavalos, bois, vacas, capivaras são mamíferos herbívoros, ou seja, se alimentam de folhas, plantas e algumas ervas. Leões, onças, raposas e ursos são exemplos de mamíferos carnívoros. Por fim, onívoros são aqueles que podem se alimentar tanto de fontes vegetais quanto animais, como ursos, porcos, morcegos e esquilos.

Classificação dos mamíferos

A classificação e a subdivisão dos mamíferos levam em consideração algumas características compartilhadas. O ambiente em que vivem, sendo eles aquáticos ou terrestres, e também os processos de reprodução.

Em relação à reprodução, os mamíferos são subdivididos em três grupos do reino animal: monotremados ou prototérios, marsupiais e placentários.

Marsupiais

Os marsupiais ou metatérios são vivíparos, isto é, a gestação ocorre dentro do corpo da fêmea. No entanto, existe uma diferença em relação aos placentários. O tempo de desenvolvimento no útero é bem reduzido. Após o período no útero, o filhote sai e, agarrando-se aos pelos da mãe, se instala na bolsa também chamada marsúpio. No marsúpio, o filhote começa a se alimentar pelos mamilos nas glândulas mamárias e seguem com este comportamento até estarem completamente desenvolvidos.

O processo evolutivo fez com que os marsupiais sobrevivessem apenas em determinados espaços geográficos. Estima-se que, ainda que tenham estado presente em todos os continentes, a chegada de outras espécies mais aptas a sobreviverem, com uma forma de reprodução mais segura para os filhotes, tenha expulsado esses animais de determinados espaços.

Hoje, os marsupiais são mais comuns no continente sul-americano e na Oceania, mais especificamente na Austrália. São exemplos de marsupiais os cangurus australianos, os coalas, os gambás sul-americanos e os lobos da Tasmânia.

Placentário

Também chamados de eutérios, os mamíferos placentários são vivíparos. Toda a gestação acontece no interior do corpo materno e costuma durar mais tempo que a dos marsupiais ou dos monotremados. Na gestação placentária, o filhote nasce completamente formado, ainda que dependa dos pais para sobreviver.

Chama-se placentário porque é pela placenta que o filhote terá todos os nutrientes e oxigênio necessários à sobrevivência intrauterina. Além disso, a placenta também serve para produzir os hormônios e realizar as trocas de excreções entre a mãe e o filhote. São exemplos de mamíferos placentários o gato, o cachorro, os bovinos, equinos, seres humanos, entre outros.

Monotremados

Os monotremados ou prototérios são ovíparos, ou seja, a gestação do filhote acontece de maneira extracorpórea, em um ovo. O útero não é completamente desenvolvido, assim como as glândulas mamárias não possuem mamilos. Desta forma, os filhotes lambem o leite que escorre das glândulas e não sugam, como é o caso dos mamíferos placentários ou marsupiais. São exemplos de monotremados os ornitorrincos e as equidnas.

Curiosidades

  • Os mamíferos são os únicos animais que têm a capacidade de brincar uns com os outros. Essa característica indica muito sobre as formas como funciona a socialização entre os membros de cada espécie, a relação parental e comportamental.
  • A Baleia-Azul é o maior mamífero aquático existente no planeta, assim como os elefantes são os maiores mamíferos terrestres.
  • Cachorros, gatos e ratos não possuem glândulas sudoríparas. O suor é muito importante para regular a temperatura, no entanto, nesses animais este controle se dá de outra forma. A pelagem é um componente essencial — os pelos servem tanto para aquecer quanto para isolar o animal do calor externo. É por esse motivo que a tosa no verão pode ser mais prejudicial que benéfica. As patas e a língua também são formas de controlar a temperatura do animal. Assim, o excesso de calor pode sair pelas patas, pela língua e até mesmo pelas orelhas.
  • Os únicos mamíferos voadores, ou seja, aqueles capazes de voar, são os morcegos.
  • A gestação mais rápida de um mamífero é a do gambá-d’água que dura de 12 a 13 dias. Sendo um marsupial, a maior parte da gestação ocorre dentro do marsúpio. Por sua vez, a gestação mais longa é a do elefante asiático, que pode durar até 20 meses.
  • O guepardo é o mamífero mais rápido do mundo, podendo percorrer distâncias em até 114 km por hora. O mamífero mais lento é o bicho-preguiça, que anda 2,4 metros por minuto.

Mamífero que voa

Como foi mencionado, o morcego é o único mamífero capaz de voar. Esta habilidade foi desenvolvida ao longo do tempo, visando à sobrevivência da espécie, além de permitir que a alimentação se tornasse mais variada. A membrana entre os dedos das mãos é o que permite aos morcegos alçarem voo e se manterem no ar.

Assim como os beija-flores, os morcegos também são capazes de planarem no ar. É uma capacidade que permite a esses animais comerem pequenos insetos, flores e frutas sem, necessariamente, pousar em alguma superfície.

Mamíferos aquáticos

Como o próprio nome diz, esse tipo de mamífero necessita estar em contato direto com a água para sobreviver. Alguns deles são semiaquáticos, ou seja, podem passar determinado período de tempo em terra ou na água, sendo o leão-marinho o principal exemplo. As lontras e os ursos polares também são exemplos de mamíferos que vivem, preferencialmente em terra, ainda que possam entrar na água para buscar alimento.

Existem seis grupos de mamíferos marinhos:

  • a Ordem Sirenia, em que os animais têm capacidade de viver tanto em terra quanto na água. Os animais deste grupo são adaptáveis e herbívoros, como o peixe-boi e o dugongo.
  • Ordem Carnívora ou Ursidae, em que os mamíferos placentários se alimentam, sobretudo, de carne. Eles podem passar um bom tempo na água, mas seu principal habitat é terrestre, como é o caso dos ursos polares.
  • A Ordem Carnívora, da superfamília Pinnipedia. Focas, leões-marinhos, morsas e lobos-marinhos são alguns dos exemplos desta ordem. São animais que costumam ser caçados tanto por sua carne, quanto por sua pele. Roupas e sapatos de pele de foca, por exemplo, costumam ser caríssimos e, desta forma, movimentam um grande setor da indústria da moda.
  • A Ordem Carnívora, família Mustelidae. Essa ordem costuma ser caracterizada por mamíferos de patas curtas, corpos alongados e a cauda pode variar em tamanho. São animais que podem viver tanto em ambiente terrestre quanto aquático. Lontras, texugos e doninhas são alguns exemplares dessa ordem.
  • A Ordem Cetacea. Os animais dessa ordem são exclusivamente marinhos e se subdividem em duas categorias: as baleias com dentes, que se alimentam de peixes e lulas; e as baleias sem dentes, que se alimentam de plâncton. São os maiores animais da terra, além de detentores de grande inteligência.
  • A Ordem Desmostylia. Esta ordem era formada por animais semiaquáticos de hábitos alimentares herbívoros, que viviam nas regiões litorâneas. Está extinta desde o final da quarta época da era geológica Cenozoica.

Concluindo, entender mais profundamente os mamíferos é importante para que se possa conhecer melhor como funciona o próprio planeta, os processos evolutivos, como as espécies chegaram a ter o aspecto e a viverem como vivem hoje. Nada aconteceu por acaso. Tratam-se de processos com duração de milênios e que sempre obedeceram ao mandamento mais importante que é o da sobrevivência da espécie.

Gostou desse post? Então, continue a ler os conteúdos do nosso blog aprimorar seu conhecimento! Além disso, não deixe de conferir nossas videoaulas e treinar melhor seus conhecimentos em biologia!

1 Shares:
Você pode gostar também