Seborreia: o que é, causas, sintomas e tratamento!

Doenças de pele são mais comuns do que as pessoas imaginam. Esse órgão, responsável por revestir nosso corpo e realizar o contato do meio interno com o meio externo está sempre exposto a várias situações. Não por menos, o câncer de pele, por exemplo, é um dos tipos mais comuns da doença em todo o mundo.

O que pouca gente imagina é que existem algumas doenças que, aparentemente inofensivas, podem causar desconforto e até mesmo resultar em infecções por bactérias. Esse é o caso da seborreia. Você já ouviu falar nela? Continue lendo nosso post para descobrir tudo sobre essa doença!

O que é seborreia?

A seborreia, também conhecida como dermatite seborreica ou, mais popularmente, caspa, é uma condição médica que leva à inflamação da pele, causando o surgimento de vermelhidão e descamação. Acomete, principalmente, algumas áreas do rosto, como as sobrancelhas e os cantos do nariz. Mas é no couro cabeludo que ela traz os efeitos mais visíveis.

Doença crônica, com períodos de piora e melhora, a seborreia aparece também em recém-nascidos, chamada de crosta láctea, sendo inofensiva e temporária. Caso os cuidados necessários não sejam tomados, é possível que dê início uma infecção na área, decorrente principalmente da coceira.

Muito comum, a seborreia está presente em pelo menos 18% da população mundial.

O que causa dermatite seborreica?

Ainda não se sabe, exatamente, quais são as causas específicas para o ataque da dermatite seborreica. Estima-se que seja uma combinação de vários fatores, entre eles:

  • tendências individuais, dependendo do tipo de pele de cada um;
  • estresse;
  • fungo que convive naturalmente na pele (Pityrosporum ovale);
  • condições médicas e medicamentos;
  • tempo frio e com baixa umidade.

Apesar desses fatores, já se sabe que a dermatite seborreica não tem como causa alergias ou mesmo falta de higiene. Entretanto, alguns fatores de risco colaboram para o surgimento da caspa. Ela é mais comum em homens e em pessoas com pele oleosa.

Algumas condições médicas podem aumentar as chances de surgimento da doença:

  • acne;
  • AIDS;
  • alcoolismo;
  • depressão;
  • transtornos alimentares variados;
  • epilepsia;
  • AVC;
  • ataque cardíaco;
  • Parkinson;
  • psoríase;
  • rosácea.

Essas doenças expõem o organismo a situações de baixa imunidade ou desregulagem hormonal, que agravam o risco do surgimento da dermatite seborreica. Fatores emocionais também contribuem, como acontece com a psoríase.

Sintomas de seborreia

cabelo molhado seborreia

Os sintomas da presença de dermatite seborreica são fáceis de identificar, uma vez que afetam diretamente a autoestima do indivíduo ao interferir em suas condições estéticas. Entre os sintomas, podemos destacar:

  • pele e couro cabeludo com aumento de oleosidade;
  • caspa — escamas brancas descamadas, geralmente presentes no couro cabeludo, sobrancelhas e pelos faciais; facilmente encontrada, pois tende a cair do cabelo;
  • escamas amarelas oleosas e que causam ardor;
  • coceira constante, com tendência de piora, caso haja infecção;
  • vermelhidão na área;
  • possível perda de cabelo.

Apesar de ser mais comum nas partes com pelos e cabelo, a dermatite seborreica pode acometer várias áreas do corpo, por apresentar maior tendência de atacar regiões oleosas da pele. Por isso, a probabilidade de aparecer em áreas como o couro cabeludo é muito maior.

Prevenção da seborreia

Não existe, de fato, uma forma de prevenir o desenvolvimento ou mesmo o ressurgimento da dermatite seborreica. Entretanto, alguns cuidados especiais podem fazer o tratamento ser mais fácil controlado. É importante ressaltar que a seborreia nada tem a ver com falta de asseio pessoal. Nem mesmo pode ser considerada como o início de uma possível queda massiva de cabelos. Por isso, o melhor a se fazer em um primeiro momento é procurar um dermatologista.

Apesar disso, existem algumas ações que podem ajudar a controlar a doença, principalmente evitando se colocar em certos grupos mais propensos ao seu surgimento. São elas:

  • evitar alimentos muito gordurosos e a ingestão recorrente de álcool;
  • não tomar banhos extremamente quentes e enxugar-se bem antes de se vestir — um dos principais fatores para o surgimento das lesões da seborreia é a umidade;
  • usar roupas leves ou que não tenham tendência de reter a transpiração — quem está mais propenso à seborreia deve evitar tecidos sintéticos;
  • tentar controlar fatores emocionais como estresse físico, mental e quadros de ansiedade;
  • ter a certeza de que retirou completamente produtos como xampu e condicionador do cabelo. Seus resíduos ajudam a reter umidade, facilitando o quadro da seborreia;
  • para os bebês, aplicar óleo mineral em suas cabeças antes de remover os resquícios de crosta láctea e trocar fraldas com frequência, evitando o contato úmido com a pele.

Dermatite seborreica: tratamento

O tratamento da dermatite seborreica é focado exclusivamente no controle de suas manifestações, uma vez que a seborreia não tem cura. Isso acontece porque existem casos em que há o desaparecimento total de qualquer sintoma, mas também aqueles que precisam se cuidar durante toda a vida.

Atualmente o mercado tem uma série de produtos voltados para o alívio dos sintomas, como xampus, tônicos capilares, pomadas e cremes, tanto para o cabelo quanto para outras partes do corpo.

Apesar de não causar coceira, a crosta láctea nos bebês fragiliza a pele, deixando-a suscetível ao surgimento de infecções. Por isso, é sempre bom manter a pele da criança o mais seca possível, evitando utilizar gorros, a menos que esteja frio.

Caso seja necessário cobrir a cabeça do bebê, é recomendável remover essa cobertura sempre que o ambiente for aquecido o suficiente. Deixar a pele respirar é fundamental para evitar as complicações da crosta. E, de maneira alguma, tente remover as escamas. Isso aumenta o risco de infecção, de modo que elas devem cair com o tempo.

Já os adultos podem procurar uma série de medicamentos e produtos específicos para o combate da seborreia. No caso dos xampus, é importante buscar aqueles que contenham algumas das seguintes substâncias:

  • alcatrão de hulha;
  • cetoconazol;
  • ácido salicílico;
  • sulfeto de selênio; ou
  • piritionato de zinco.

Para as lesões presentes na pele, é recomendável utilizar loções específicas, como as de corticosteroides e produtos baseados em enxofre. Pomadas e cremes antifúngicos são ótimos para combater o avanço das manifestações da dermatite seborreica.

Além disso, tomar os cuidados descritos acima para os bebês, na medida do possível, é uma boa ideia para os adultos. Manter-se seco, evitando a umidade e a oleosidade são as principais dicas.

Por não ter cura, a convivência com a seborreia deve ser balizada principalmente nos cuidados com umidade, além de evitar a coceira excessiva da área. Em casos de muita piora, o melhor a se fazer é procurar um dermatologista, que receitará medicamentos específicos para a situação.

E aí, curtiu esse post? Então não deixe de conferir outros artigos que temos no blog do Stoodi, como os sobre hanseníase e tuberculose. Aproveite para se preparar ao máximo para o Enem!

Campanha Always On Cronograma