Eritroblastose Fetal: o que é?

Também conhecida como doença hemolítica do recém-nascido ou doença de Rhesus, a eritroblastose fetal é decorrente da incompatibilidade sanguínea do Fator Rh materno e do bebê.

Quando a gestante tem o fator Rh negativo e já gerou um filho Rh positivo, o que pressupõe que ela tenha tido contato com o sangue do bebê durante o parto, ou ainda em situações em que a mãe possa ter tido contato com sangue Rh positivo (em uma transfusão inadequada, por exemplo), ocorre a produção de anticorpos contra o fator positivo.

Esses anticorpos, em uma segunda gestação, podem atravessar a placenta, causando hemólise do sangue do bebê. A gravidez pode evoluir para um aborto espontâneo ou, caso isso não ocorra, a criança pode desenvolver vários problemas, como anemia profunda e icterícia, como resposta ao acúmulo de bilirrubina.

Quer descobrir como a eritroblastose fetal pode ser evitada e saber mais sobre fator Rh sanguíneo? Continue a leitura de nosso post e descubra como as questões relativas à biologia podem ser abordadas no Enem!

O que é eritroblastose fetal?

A eritroblastose fetal é causada pelo prejuízo às hemácias de um feto Rh positivo, provocado por anticorpos maternos do sangue Rh negativo. Porém, a gestante só desenvolve tais anticorpos anti-Rh se já houver sido sensibilizada anteriormente por contato com sangue Rh positivo.

Essa sensibilização pode acontecer de várias maneiras:

  • quando a mulher já gestou um feto Rh positivo e teve contato com seu sangue durante o parto;
  • se sofreu uma transfusão sanguínea incompatível;
  • se em alguma circunstância, como compartilhamento de seringas, a mulher teve contato com sangue Rh positivo.

Caso isso tenha acontecido, o feto passa a ser entendido pelo organismo materno como um corpo estranho. Isso faz com que os anticorpos atravessem a placenta e ataquem os eritrócitos do feto.

Esse ataque traz sérias consequências ao bebê. Em grande parte dos casos, a criança é natimorta (o óbito ocorre antes do nascimento).

Tenha acesso GRATUITO a mais de 6 mil videoaulas, 30 mil exercícios, resumos teóricos e materiais complementares pra download!

Quando isso não acontece, o bebê pode desenvolver diversos problemas, como a hemólise, que causa a anemia profunda, até lesões no sistema nervoso, paralisia cerebral, surdez e aumento do fígado.

Existe risco também de que a criança desenvolva icterícia, em virtude do depósito excessivo de bilirrubina no sangue.

Como ocorre a eritroblastose fetal?

Como já explicado, a eritroblastose fetal decorre do ataque dos anticorpos maternos ao feto em desenvolvimento. Para que essa condição aconteça, a mulher já deve ter sido exposta ao fator positivo antes e, necessariamente, ela deve ser fator Rh negativo e o feto Rh positivo.

Isso pode ocorrer quando o pai do bebê é Rh positivo. Se a mãe possuir Rh negativo (rr) e o pai, Rh positivo (R_), existe probabilidade de o casal gerar um bebê com Rh positivo (Rr), uma vez que o R é dominante e o r é recessivo. O genótipo do Rh positivo pode ser RR ou Rr, enquanto o negativo é apenas rr.

Vale explicar que as pessoas com sangue Rh+ (positivo) possuem o fator Rh em suas hemácias. Quando ocorre contato com os anticorpos anti-Rh, sofrem aglutinação no sangue. Quem não possui o fator Rh em suas hemácias são chamados Rh- (negativos) e não apresentam reação de aglutinação ao ter contato com anticorpos anti-Rh.

Eritroblastose fetal: sintomas

Os sintomas da eritroblastose fetal, no recém-nascido, são anemia, pele amarelada e inchaço generalizado, além do aumento de hemácias circulantes, os chamados eritroblastos. A criança pode, ainda, desenvolver outros problemas, como insuficiência respiratória e acúmulo de bilirrubina no sistema nervoso, ocasionando lesões cognitivas, surdez e paralisia cerebral.

Já o feto tem o fígado, o baço e o coração aumentados, além de acúmulo de líquido no abdômen, condições que podem ser identificadas no exame de ultrassonografia.

A gestante não apresenta sintomas. Por essa razão, mulheres do grupo de risco (com fator Rh negativo) devem ser avaliadas e realizar exames específicos antes de engravidar.

O diagnóstico clínico para detectar o risco de eritroblastose consiste na investigação dos tipos sanguíneos dos pais e da avaliação acerca da possibilidade de sensibilização da mãe, seja em função de uma gestação anterior, seja por outras razões.

Também é possível realizar o teste de Coombs indireto, que permite a detecção de anticorpos maternos no soro, determinando se a gestante já foi sensibilizada.

Durante a gestação, a forma de avaliar a presença de eritroblastose é por meio de ultrassonografia, com análise da placenta, do volume de líquido amniótico e de um eventual crescimento anormal do abdômen. A velocidade sistólica da artéria cerebral é, também, uma forma de detectar a anemia fetal, e pode ser indicativo do problema.

grávidas eritroblastose fetal

Eritroblastose fetal: prevenção

A melhor forma de prevenção da eritroblastose fetal é, no caso de casais dentro do grupo de risco, o uso de vacinas (pela mãe) com imunoglobulinas, antes da gestação. Essas imunoglobulinas desativam a resistência (anti-Rh), impedindo que elas provoquem a hemólise do sangue do feto.

Normalmente, é indicada uma injeção de gamaglobulina anti-Rh logo após o parto do primeiro bebê Rh positivo de uma mãe Rh negativa. Esse é considerada uma das formas mais seguras para garantir que o segundo filho não sofra com a doença.

Mulheres que sofreram abortos espontâneos, mesmo que em fases iniciais, também devem receber a vacina, por precaução.

Importante destacar, no entanto, que o fato de uma mãe ser Rh negativa e já ter gerado um bebê Rh positivo não indica, necessariamente, que o segundo filho será exposto à eritroblastose. Isso apenas confirma que o casal está em um grupo de risco e, por segurança, o tratamento preventivo com imunoglobulinas deve ser realizado.

A injeção de imunoglobulina também deve ser administrada na 28ª semana de gravidez, especialmente se a mãe não tiver tomado uma dose após o parto do filho primogênito, ou se os exames detectarem sua sensibilização ao fator Rh positivo.

Eritroblastose fetal: tratamento

Caso nenhuma conduta preventiva tenha sido adotada e o bebê estiver sofrendo de eritroblastose fetal, é possível fazer uma transfusão intrauterina, na tentativa de conter a anemia antes do nascimento. Além disso, o obstetra pode determinar a antecipação da data do parto, quando os pulmões e coração do bebê estiverem adequadamente desenvolvidos.

Após o nascimento, a transfusão também é considerada uma terapia de sucesso para a icterícia neonatal grave, sendo essencial para reduzir o índice de mortalidade dos recém-nascidos com doença hemolítica perinatal, ou eritroblastose fetal.

Essa prática consiste na substituição de quase todo o sangue do bebê pelo sangue de um doador. O procedimento é possível com a retirada e transfusão de sangue realizadas de forma simultânea. A prática é denominada exsanguineotransfusão, e ainda ocupa papel importante na conduta terapêutica dos casos graves de eritroblastose fetal e hiperbilirrubinemia (excesso de bilirrubina).

Para a icterícia, além das transfusões, o tratamento indicado é a fototerapia.

De qualquer forma, vale ressaltar que os eventos envolvendo incompatibilidade sanguínea, hoje, são raros, graças ao tratamento preventivo. A eritroblastose fetal é uma patologia grave, mas, com a conduta adequada, os riscos são minimizados e a gestação é segura. Esse conteúdo é essencial para a disciplina de biologia e merece a atenção dos estudantes que vão prestar provas para o Enem e outros vestibulares.

Continue em nossa página para entender melhor as questões relacionadas aos tipos sanguíneos e fator Rh e teste seus conhecimentos acerca da eritroblastose fetal!