Memória fotográfica: saiba como desenvolver a sua

Campanha Pesquisa de Carreiras

7 dicas que podem te ajudar a mandar muito bem no Enem e principais vestibulares  

 

Você já se deu conta de que nós estamos nos comunicando por imagem? É sério. Antes, postávamos uma foto na rede social para nos lembrar de momentos felizes. Hoje, atualizamos nossa timeline para contar por onde passamos e o que estamos fazendo.

10 técnicas para memorizar o conteúdo que você estuda

Bom, se o nosso modo de agir mudou, tudo indica que o nosso modo de pensar também pode ter mudado. Concorda? É aí que queremos chegar.

Mas, se isso tudo for verdade, como eu posso potencializar o meu estudo?

Quem assume essa função é a famosa memória fotográfica.

Muitas pessoas já possuem facilidade em gravar imagens para se lembrar de conteúdos. Outras, nem tanto. A boa notícia é que existem formas para treinar esse tipo de memória e desenvolvê-la.

7 dicas para melhorar sua memória fotográfica  

1. Complete seus resumos com fotos

Estudo com fotos
Foto: @euescolhiamedicina
Todas as vezes que você estiver estudando, procure imagens para adicionar em seus resumos. É legal visualizar locais, personalidades e, até mesmo, a cultura de determinado conteúdo – isso pode enriquecer muito os seus estudos.

Por exemplo, quando estudamos sobre a Cleópatra, logo vem à nossa mente a sua figura emblemática. A partir dessa imagem, nós conseguimos relembrar alguns fatos históricos em que ela esteve envolvida. Lembramos também de características culturais do país e dados sobre o Egito.

É exatamente isso que você deve fazer. Está estudando a Primavera Árabe? São muito países e líderes com nomes estranhos, não é mesmo? Procure fotos, vídeos ou qualquer outro tipo de material visual. Por meio dessas imagens, você vai conseguir distinguir o que aconteceu na Síria ou quem foi Muammar Al-Gaddafi.

2. Abuse de gráficos, tabelas e mapas mentais

Mapas mentais
Foto: @euescolhiamedicina
Ah, os gráficos <3. Eles ajudam muito os alunos a memorizar os dados.

Se você quer treinar a sua memória fotográfica, faça gráficos, monte tabelas, abuse das cores, desenhe sempre que necessário e produza mapas mentais. Mas atenção: isso tudo de forma organizada, combinado?

Esses formatos são muito úteis para gravamos não só os conceitos, mas para entender os efeitos e consequências.

3. Faça associações

Associações nos estudos

O segredo está concentrado nessa linda dica: faça sempre associações com os conteúdos. Acrônimos e siglas são muito bem vindas para isso. Por exemplo:

A fórmula S=So+Vot+at² pode até parecer de outro mundo, mas ela é muito útil.
                                       2

Com o uso dessa fórmula, o aluno pode encontrar informações sobre espaço, velocidade, aceleração e tempo.

– Como seria um jeito mais fácil para me lembrar dela?

Repare bem: ela se parece com a palavra SORVETÃO, não é mesmo? Pronto. Sempre que você estiver em apuros, precisando de uma fórmula para encontrar esses dados, lembre-se de um sorvete bem grande.

Viu só como é fácil? Provavelmente você não vai esquecer mais.

Memória: Como lembrar toda a matéria na hora do vestibular?

4. Se atente a detalhes

Detalhes no Enem
Foto: @euescolhiamedicina
Os detalhes fazem toda a diferença na hora de ativar a nossa memória fotográfica. Prestar atenção às particularidades é uma forma de fazer links entre as matérias.

Como já falamos na dica de número 2, existem métodos para o aluno aprender a matéria de forma geral. Sendo assim, aqui vai a nossa sugestão: não se contente apenas com os conceitos. Busque entender o que levou aquilo a acontecer, quem são as pessoas envolvidas, quais os efeitos e as consequências de determinado fato.

Ao estudar o Zika vírus, por exemplo, não se limite em reunir apenas imagens sobre a sua estrutura biológica. Procure saber se há um problema de saúde no Brasil ou em nível mundial. Pesquise desde campanhas, até como ele poderia ser tema de uma redação. Já pensou você propondo uma nova política de saúde pública? Pois é.

O Aedes Aegypt, seu transmissor, se diferencia de outros mosquitos por possuir listras brancas em suas patas. Essa informação pode ser determinante numa análise de charge, por exemplo – que é muito comum aparecer no Enem e em outros vestibulares.

Dessa forma, não se esqueça: toda informação é válida. Saber o número de casos de mortes causadas pelo vírus pode ser base tanto para uma questão de Biologia, quando para embasar um argumento em sua redação.

5. Estude atualidades por vídeo

Atualidades no Enem

Muitos professores recomendam que os alunos leiam jornais e revistas. Mas o que você acha de mesclar esse conteúdo com matérias jornalísticas em formato de vídeo?

Hoje, a maioria dos jornais disponibilizam as suas notícias na internet de forma gratuita. Uma coisa que geralmente não nos damos conta é que elas reúnem uma quantidade imensa de imagens.

Se a matéria for sobre os atos de terrorismo do Estado Islâmico na França, por exemplo, você conseguirá ver o que aconteceu no país, qual foi a área que sofreu mais abalos, como o grupo extremista se caracteriza e outras informações.

6. Não deixe de conferir materiais teóricos

Materiais teóricos no Enem
Foto: @euescolhiamedicina

Foco total nessa dica: não pare de ler livros e assistir aulas expositivas para consumir somente esse tipo de material visual. Eles devem ser complementares.

É importante destacar que cada um exerce uma função na vida do vestibulando e as duas formas podem ser encontradas com ótima qualidade. Ou seja, o lema é: não substitua, some!

7. Cuidados com a concentração

Concentração e Enem

Por fim, a última dica é aquela que sempre falamos: é necessário dormir 8 horas por dia, comer de forma saudável e praticar exercícios físicos com regularidade.

Como o sono pode influenciar no aprendizado para o vestibular

Adquirindo esses hábitos, a capacidade de concentração aumenta e, consequentemente, nossa memória gravará os conteúdos com mais agilidade. Para ver mais conteúdos como este, cadastre-se gratuitamente no Stoodi.

Campanha Pesquisa de Carreiras