Conhecer os diferentes tipos de pronome é um passo importante para quem está estudando para o vestibular ou para o Enem. Afinal, é um tema recorrente nas provas de Língua Portuguesa e um importante elemento de coesão cobrado nas redações. Então, o que é pronome e como ele pode ser identificado e utilizado da maneira correta nos exames?

Se você ainda não sabe como responder a essa pergunta, não se preocupe! Preparamos este artigo com as principais informações sobre pronome. Continue lendo e descubra mais sobre o tema!

O que é um pronome?

Como comentamos, o pronome é a classe gramatical responsável por substituir ou determinar um substantivo. Os pronomes podem variar em gênero e número, estabelecendo relações com uma das três pessoas do discurso, ou ficar invariáveis.

O pronome é capaz de indicar a posse de um determinado objeto ou, ainda, sua localização. Então, será que todos os pronomes são iguais? Se você acha que a resposta é não, acertou em cheio! Como o pronome se relaciona com os nomes (substantivos), pode determiná-los ou substituí-los.

Qual a função do pronome?

Você já deve ter percebido que os pronomes têm uma função muito importante: substituir ou determinar um substantivo. Eles conseguem assumir um significado lexical geral, ou seja, atribuem um conceito genérico à palavra com a qual se relacionam, sempre dentro do contexto em que estão inseridos.

Um dos melhores exemplos para compreender essa função é a seguinte frase:

  • As plantas que sobreviveram ao inverno rigoroso frutificaram com a nova estação.

O termo “que” é um pronome que substitui o substantivo da oração principal (“plantas”). Por outro lado, se analisássemos a frase a seguir, obteríamos uma função diferente para a palavra:

  • Aquele texto que você me mostrou apresenta umas palavras complicadas que eu não compreendo.

A palavra “aquele” é caracterizada como um pronome adjetivo, já que está acompanhando o elemento nominal ou indicando ao leitor o significado atribuído à palavra, estabelecendo uma concordância de gênero e número.

, fonte: https://unsplash.com/photos/s9CC2SKySJM

Tipos de pronome

Você lembra que no início do artigo comentamos que existem diferentes tipos de pronome? Pois é, cada um apresenta um significado diferente que pode se referir às pessoas gramaticais ou pessoas do discurso de determinada oração. Pensando nisso, separamos todos os tipos a seguir. Acompanhe!

Pronome pessoal

Como o próprio nome aponta, esse tipo de pronome indica quem é a pessoa do discurso (primeira, segunda ou terceira) e se divide em dois subtipos:

Pronomes pessoais do caso reto

Suprem a função de sujeito na oração: eu, tu, ele, nós, vós eles.

  • Eu fui ao cinema hoje.

Pronomes pessoais do caso oblíquo

Substituem os substantivos, além de complementarem os verbos da oração: me, mim, contigo, se, conosco, nos e outros.

Vale lembrar que os casos oblíquos podem ser tônicos ou átonos. Nós explicamos: os pronomes tônicos são caracterizados pelo uso de uma preposição e podem exercer a função de complemento nominal, objeto direto e indireto, agente da passiva e adjunto adverbial.

Já os pronomes átonos não são acompanhados pela preposição, podendo substituir o substantivo que ocupa o lugar de objeto direto ou indireto. Confira alguns exemplos:

  • oblíquos tônicos: mim, comigo, ti, contigo, conosco, convosco — exemplo: muitos carboidratos fazem mal a mim;
  • oblíquos átonos: me, te, a, o, lhe, nos, vos, os, as e lhes — exemplo: eles me respeitam;
  • reto: eu, tu, ele, ela, nós e vós — exemplo: nós vamos à praia antes do pôr do sol.

Pronome de tratamento

aperto de mão pronome de tratamento

Os pronomes de tratamento talvez sejam aqueles mais conhecidos pelos estudantes. De maneira simples, eles representam os termos respeitosos que são utilizados para estabelecer uma comunicação com o interlocutor a partir da situação de formalidade. Normalmente, utilizá-los em redações que demandam a criação de um conto pode ser uma excelente estratégia para destaque.

A seguir, separamos os principais para você:

  • você: utilizado em situações informais;
  • senhor(es) e senhora(s): utilizado para tratar pessoas que ocupam uma posição de respeito;
  • Vossa Excelência: utilizado para falar com pessoas de alta autoridade;
  • Vossa Magnificência: utilizado para falar com reitores de universidades;
  • Vossa Senhoria: utilizado em correspondências ou textos escritos;
  • Vossa Majestade: utilizado para tratar reis e rainhas;
  • Vossa Alteza: utilizado para tratar príncipes, princesas e duques;
  • Vossa Santidade: utilizado para falar com o Papa;
  • Vossa Eminência: utilizado para tratar cardeais;
  • Vossa Reverendíssima: utilizado para sacerdotes.

Pronome possessivo

O pronome possessivo é aquele que indica posse, ou seja, flexiona-se em gênero e número, concordando com o objeto da ação e o substantivo. Por isso, podemos reconhecê-lo a partir das pessoas do discurso, acompanhe:

  • 1ª pessoa do singular (eu): meu, minha, meus, minhas;
  • 2ª pessoa do singular (tu e você): teu, tua, teus, tuas;
  • 3ª pessoa do singular (ele e ela): seu, sua, seus, suas;
  • 1ª pessoa do plural (nós): nosso, nossa, nossos, nossas;
  • 2ª pessoa do plural (vós e vocês): vosso, vossa, vossos, vossas;
  • 3ª pessoa do plural (eles e elas): seu, sua, seus, suas.

Pronome demonstrativo

Você já parou para pensar na forma como você fala quando quer indicar algo?

Normalmente, palavras como “esse, aquele e isso” são muito utilizadas no nosso vocabulário, e nada mais são do que os pronomes demonstrativos. Dependendo da posição em que a pessoa que fala está em relação ao elemento emitido, tanto no discurso quanto no tempo ou no espaço, o pronome demonstrativo é modificado:

  • 1ª pessoa: este, esta, estes, estas e isto: aplicado quando o elemento está com a pessoa que fala. Exemplo: isto não é meu;
  • 2ª pessoa: esse, essa, esses, essas e isso: aplicado quando o elemento está com quem o emissor está conversando. Exemplo: isso não se faz, filho;
  • 3ª pessoa: aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo: aplicado quando o elemento não pertence nem ao emissor nem ao receptor. Exemplo: nossa, aquele lugar é muito bonito.

Pronome indefinido

Por outro lado, o indefinido é aquele utilizado somente na terceira pessoa do discurso de forma indeterminada, pois faz referência ao substantivo de maneira genérica. Isso faz com que ele assuma formas variáveis ou invariáveis. Confira:

  • variáveis: algum, alguma, nenhum, nenhuma, muito, muita, pouco, pouca, todo, toda, outro, outra, certo, certa, vários, várias, tanto, tanta, quanto, quanta, qualquer, quaisquer, qual, quais, um, uma;
  • invariáveis: quem, alguém, ninguém, tudo, nada, outrem, algo e cada.

Pronome relativo

Esse tipo de pronome tem como objetivo retomar um substantivo já citado, normalmente apresentando uma nova oração a partir disso. Assim, também pode surgir de forma variável ou invariável, dependendo do termo antecedente e e de ocupar a posição de sujeito, objeto direto ou indireto, adjunto adnominal ou adverbial, agente da passiva, predicativo ou complemento nominal. Confira alguns exemplos:

  • variáveis: o qual, a qual, os quais, as quais, cujo, cuja, cujos, cujas, quanto, quanta, quantos e quantas. Exemplo: assisti uma série sobre a qual nunca tinha ouvido falar.
  • invariáveis: quem, que e onde. Exemplo: hoje fui ao local onde você nasceu.

Pronome interrogativo

Os pronomes interrogativos talvez sejam os mais utilizados no nosso dia a dia, afinal, estamos sempre fazendo perguntas, não é mesmo? Aqui, eles também podem ser variáveis e invariáveis e são empregados a fim de criar perguntas diretas ou indiretas. Confira alguns exemplos:

  • variáveis: qual, quais, quanto, quantos, quanta e quantas. Exemplos: quanto custa esse doce? Quais canetas você quer levar?;
  • invariáveis: quem e que. Exemplo: quem estava com você quando Suzana chegou? Que teria acontecido com ela?

Pronome reflexivo

Para concluir, não poderíamos deixar de falar dos pronomes reflexivos, concorda? Eles são caracterizados como pessoais oblíquos que fazem referência ao sujeito da oração, ainda que possam ocupar o lugar de objeto direto ou indireto na frase.

Nesse sentido, eles apontam quem é o sujeito que pratica e recebe a ação do verbo, como você pode conferir:

  • 1ª pessoa do singular: me, mim. Exemplo: eu não me orgulho do que fiz;
  • 2ª pessoa do singular: te, ti. Exemplo: conhece a ti mesmo;
  • 3ª pessoa do singular: se, si, consigo. Exemplo: João já se preparou para o exame;
  • 1ª pessoa do plural: nos. Exemplo: lavamo-nos na praia;
  • 2ª pessoa do plural: vos. Exemplo: vós vos beneficiastes com isso;
  • 3ª pessoa do plural: se, si, consigo. Exemplo: eles se conheceram ontem.

Você percebe como o pronome é fundamental para a Língua Portuguesa e nossa Gramática? Sem ele, dificilmente conseguiríamos construir uma frase coerente e correta gramaticalmente.

Por isso, é fundamental dedicar um tempo da sua rotina para estudá-lo com calma, realizando diversos exercícios para assimilar o conteúdo com tranquilidade.

Então, quer se preparar com calma para o vestibular? Aproveite para conferir o nosso plano de estudo e organizar sua rotina para mandar bem nas provas!

Banner Stoodi Med
Você pode gostar também

Crase: dicas para escrever corretamente

A língua portuguesa já é complexa, com a mudança da norma ortográfica ficou ainda mais fácil se confundir. Para melhorar a comunicação escrita, a dica de hoje é sobre crase A crase é um fenômeno que ocorre quando juntamos a preposição “a” com o artigo “a”. Por exemplo: A aluna...