Redação sobre racismo: saiba como criar sua proposta de intervenção!

 

Tudo o que você precisa saber sobre o tema!

Se tiver que fazer uma redação sobre racismo, será que você se sairá bem? Um vestibulando deve dominar as principais possibilidades de tema para a redação. Assim, evitará ser surpreendido em assuntos que não está muito por dentro. Outra dificuldade é a proposta de intervenção. É comum encontrar alunos que erram na hora de mostrar o que deve ser feito para diminuir o problema.

Para que você não perca pontos por causa de uma proposta de intervenção inadequada, veja neste artigo como ela deve ser elaborada. Além disso, saiba como aplicar a teoria em uma redação sobre o racismo.

Quer ter uma boa nota na redação? Então veja os passos que você deve seguir! Boa leitura!

correção de redação

Redação sobre racismo

O período de colonização do Brasil foi marcado por práticas violentas e consideradas, atualmente, como um crime aos direitos inerentes a todo ser humano, como foi o caso dos indígenas nativos do território e negros africanos, trazidos ao país, escravizados nos engenhos e submetidos a tratamentos degradantes e cruéis.

Mesmo após a abolição da escravatura, em 1888, por meio da Lei Áurea, não houve qualquer tentativa do Estado de inserir os ex-escravos com equidade no mercado de trabalho e garantir-lhes bem-estar social. Dessa forma, uma discriminação racista histórica persiste no Brasil contemporâneo, causando pobreza e falta de oportunidades justas a essa parcela populacional e requerendo, portanto, um combate enérgico.

Inicialmente, é por conta dessa situação histórica mal resolvida que grande parte dos indivíduos negros sofre com a pobreza no século XXI. De acordo com o IBGE, entre as pessoas mais pobres do Brasil, 3 em cada 4 são negras, revelando uma desigualdade social que torna-se, também, racial.

Diante desse cenário, há a manutenção contínua dessa conjuntura, pois, sem acesso a escolaridade, por exemplo, tal população se submete a empregos informais, abusivos ou que não são suficientes para a garantia de uma qualidade de vida digna. A partir disso, é muito presente a ideia de que a figura negra se associa à criminalidade, desconsiderando-se o fator da pobreza como impulsionador de tal contexto e, ainda, generalizando o comportamento de toda uma etnia.

Além disso, apesar das ações afirmativas aplicadas com o objetivo de garantir maior inclusão social, escolar e profissional aos negros, há resistência em aceitar figuras negras como merecedoras de reconhecimento.

Em assuntos que são referentes às próprias escolas, não é incomum ver o “embranquecimento” de figuras notáveis que foram negras, como o jornalista Luiz Gama e inclusive o grande escritor Machado de Assis, o qual aparece em diversas capas de livros com a pele de tom claro. Tal negação da figura negra desestimula a parte da população que poderia se inspirar nesses nomes para buscar o sucesso, uma vez que também segundo o IBGE, 54% da população brasileira se identifica como negra ou parda. Assim, a consequência é clara: grupos de pessoas que não enxergam em si a possibilidade de crescimento, pois desconhecem outros que alcançaram tais objetivos.

Portanto, é essencial a expansão de programas que, de fato, modifiquem a pouca aceitação negra na sociedade como forma de combater o racismo. Para isso, é preciso que o Ministério da Educação, junto a grandes editoras brasileiras, dê mais foco a assuntos que demonstrem os grandes notáveis da cultura negra e incentive a escolarização desse percentual social, por meio da reformulação da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), inclusão de livros recém-lançados que abordem especialmente o assunto e oferecimento de bolsas de estudo para pessoas negras que têm o risco de evasão escolar. Dessa forma, ao mesmo tempo em que combate-se o racismo na teoria histórica, ele será combatido socialmente, por meio da inclusão.

O que é racismo?

Para começar, é importante saber o que é racismo, já que você escreverá sobre esse assunto. De acordo com o dicionário Priberam, racismo é:

1. TEORIA QUE DEFENDE A SUPERIORIDADE DE UM GRUPO SOBRE OUTROS, BASEADA NUM CONCEITO DE RAÇA, PRECONIZANDO, PARTICULARMENTE, A SEPARAÇÃO DESTES DENTRO DE UM PAÍS (SEGREGAÇÃO RACIAL) OU MESMO VISANDO AO EXTERMÍNIO DE UMA MINORIA.

2. ATITUDE HOSTIL OU DISCRIMINATÓRIA EM RELAÇÃO A UM GRUPO DE PESSOAS COM CARACTERÍSTICAS DIFERENTES, ETNIA, RELIGIÃO, CULTURA, ETC.

Ou seja, pode-se considerar racismo tanto a superioridade de um grupo sobre outros quanto ter alguma atitude discriminatória em relação a um grupo específico de pessoas. Sendo assim, você deverá entender sobre qual dessas duas possibilidades a banca deseja que você disserte. Caso não seja definido, será possível escolher entre elas.

Para contextualizar o assunto, você também pode usar a definição do termo. Além de mostrar que você entende do tema que está retratando, auxiliará o leitor a ter uma visão mais correta sobre o assunto.

Redação sobre racismo: como tirar nota mil nesse texto

Para tirar nota mil no tema “Racismo na sociedade brasileira”, você deverá criar um texto dissertativo-argumentativo. Ou seja, não basta apenas descrever os problemas do racismo na sociedade, é necessário defender um ponto de vista a partir de argumentos e explicações, com o intuito de convencer seu leitor.

Antes de começar

O primeiro passo para ter uma boa nota na sua redação sobre racismo no Brasil é fazer uma boa pesquisa sobre o tema. Escrever baseando-se no senso comum (visão geral da população) fará com que você perca pontos. Por isso, veja quais são os principais dados e pesquisas sobre o tema e leve em consideração fatos históricos, dados estatísticos entre outras formas de comprovação do seu repertório. Procure entender o que os especialistas falam sobre o problema.

Depois disso, pense sobre o assunto. Qual é a sua visão? Ainda que escrever só com base no senso comum seja um problema, escrever sem originalidade também é. Então, é necessário mostrar sinais de que foi você mesmo quem criou o texto e não de que você se baseou em uma redação sobre racismo pronta. Por isso, é importante dialogar com as pesquisas e opiniões dos especialistas.

Se você tem dificuldades para colocar suas ideias no papel, faça um esquema. Escreva em uma folha de rascunho o seu ponto de vista sobre o assunto. Ele deverá estar visível já na introdução e será a partir dele que você desenvolverá todo o texto. É comum que as pessoas comecem defendendo algum ponto no início do texto, mas terminem falando de outro assunto. Dessa forma, tenha em mente que o assunto do seu texto não deve ser modificado.

Depois, você deve definir os argumentos utilizados para defender a tese. Se possível, diversifique os tipos utilizados, como filosófico e científico. Lembre-se de fortalecer os argumentos utilizando dados, pesquisas e opiniões de especialistas no tema. Dessa forma, você demonstrará estar conectado nos mais diversos assuntos.

Como o tempo pode ser seu inimigo, escolha os argumentos que você tenha maior facilidade em defender. Então, dê preferência para aqueles em que você tenha dados ou pesquisas para comprová-los. Nesse tipo de texto, é essencial que sua produção tenha introdução, desenvolvimento e conclusão. Veja agora o que essas partes devem ter.

Introdução

Na introdução, é importante contextualizar o problema abordado, já mostrando a sua visão sobre o tema. Como a proposta fala no “racismo na sociedade brasileira”, não é interessante defender pontos de vista que não admitam a existência do problema no país. Sendo assim, sempre verifique se sua tese está conectada com o comando da proposta.

Lembre-se de que, nesses textos, você não deve supor que o leitor já sabe sobre o assunto a ser tratado. Ou seja, deve deixar explícito todos os elementos textuais necessários. Pode ser útil pensar que o leitor é uma pessoa que não está fazendo a prova e não sabe qual é o tema da redação. Seu texto deverá fazer sentido também para ela.

É comum que os alunos comecem com citações de filósofos famosos. Entretanto, se quiser se beneficiado com elas, utilize alguma que tenha real relação com o tema. Quanto mais genérica uma citação é, menor valor terá para redação. Ou seja, o ideal é que você tenha um bom repertório de leitura para usar a fonte certa no momento certo.

Livre-se dos jargões. Expressões como “na sociedade contemporânea” e “no mundo atual” não trazem significado para seu texto. Qualquer termo que possa ser dispensável não precisa ser utilizado. Por isso, evite palavras apenas para “encher linguiça” e opte por aquelas que mostrarão melhor aquilo em que você acredita, de forma concreta.

Desenvolvimento

No desenvolvimento, você deve apresentar argumentos para que seu ponto de vista seja verdadeiro. É proibido copiar partes dos textos motivadores, uma vez que eles são fornecidos para aguçar seu pensamento sobre o tema. Caso utilize citações diretas, identifique-as com aspas, mostrando quem é o autor da frase. Dessa forma, você evitará que seu texto seja identificado como plágio.

Como você deseja convencer o leitor, é importante embasar seus argumentos com dados, pesquisas ou opiniões de especialistas. Além disso, seu texto deve ter coesão, ou seja, as partes precisam estar conectadas entre si, fazendo com que o leitor identifique apenas um texto. Dessa forma, verifique sempre se ele segue uma ordem lógica, progredindo as ideias durante a redação.

Não tangencie o tema

Se é uma redação dissertativa sobre racismo no Brasil, individualize ao máximo a questão para nosso país. Cite outros apenas para exemplificar ou mostrar como eles conseguiram resolver a questão. Deixe sempre claro que você estará retratando o problema brasileiro e suas particularidades.

Da mesma forma, evite argumentar sobre outras minorias. A proposta não é sobre refugiados, homossexuais ou religiões afrodescendentes. Você até pode citá-las em algum momento, mas deve ter cuidado para não basear parte da sua argumentação nesses grupos. Caso contrário, você será penalizado por tangenciamento ao tema.

Tenha cuidado com a coerência e a coesão

Para que um texto seja considerado bom, ele deve ser coeso. Isso significa que todas as suas partes devem estar “bem amarradas”. Assim, você não dará a impressão de que está escrevendo sobre vários assuntos ao mesmo tempo ou que não há ligação entre seus parágrafos. Para isso, é importante utilizar os conectivos (como portanto, entretanto, sendo assim, uma vez que, desse modo, etc.).

Também é interessante que seguir uma mesma linha de raciocínio. Se você acredita, por exemplo, que as cotas trazem mais racismo para a sociedade, não as coloque como uma possível solução para o problema. Você não deve se contradizer!

Conclusão

Para concluir seu texto, você deverá apresentar uma proposta de intervenção para resolver os problemas apontados. Um dos maiores cuidados que você deve ter é não ferir os direitos humanos. Você poderá ser bastante penalizado por isso, mas não terá a redação zerada, como ocorria em edições anteriores do Enem.

Quer mais detalhes para fazer sua intervenção? Veja agora como fazer isso na prática!

Redação sobre o racismo na prática: proposta de intervenção

redação sobre racismo

Muitos alunos têm grandes dificuldades para desenvolver uma conclusão de acordo com esperado pelo Enem. Para você resolver esse problema, veja como elaborar uma proposta de intervenção perfeita.

Respeite os direitos humanos

Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, em novembro de 2017, que desrespeitar os direitos humanos não deve zerar a redação. A decisão foi tomada para evitar que diferenças ideológicas fossem determinantes na nota. Ainda assim, esse quesito poderá penalizá-lo em até 200 pontos. Por isso todo cuidado é pouco.

Para ter certeza de que sua intervenção não fere nenhum direito humano, você pode consultar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, publicada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948. Confira alguns itens que você não deve citar:

Direto à vida

Nenhum de seus argumentos deve propor a morte de alguém para solucionar o problema. Por isso, não use discursos de genocídio, morte ou tortura, afinal, este é um dos principais direitos: o direito à vida.

Discursos de exclusão

Também não se deve propor ideias que aumentem ou alimentem a desigualdade ou a exclusão social. Evite propor que as fronteiras sejam fechadas ou que afrodescendentes sejam segregados, por exemplo. Você também não deve atacar alguma minoria, seja ela étnica, seja de gênero.

Lembre-se do que deve ser feito

Os vestibulares e o Enem não cobrarão de você uma solução para o problema, mas uma proposta de intervenção — não precisa ser original e você pode propor a ampliação de políticas já adotadas. Seu foco deve ser na viabilidade, ou seja, a proposta poderá ser aplicada com a legislação atual? Ao lembrar disso, você evitará perder tempo imaginando soluções criativas para a situação, uma vez que tais itens não são considerados na correção.

Além disso, atente-se à proposta. Não há necessidade de fazer sua intervenção apenas no parágrafo final. Entretanto, na maioria dos casos, é mais lógico mantê-la ao fim do texto, uma vez que virá após sua argumentação. Entretanto, é possível que o próprio Enem (ou outra banca de vestibular) peça que as propostas sejam apresentadas ao longo de todo o texto. Por isso, não perca o foco.

Seja coerente

Sua proposta de intervenção deve ser coerente com o restante do texto. Isso significa que você não deve apresentar propostas para problemas não mencionados na redação. Por outro lado, verifique se você fez intervenções para as dificuldades apresentadas durante o texto.

Seja específico

Os alunos precisam ser bem específicos em suas conclusões, evitando medidas vagas. Dizer, somente, que “medidas são necessárias” para resolver o problema não é suficiente. Ou seja, é preciso apontar o que deverá ser feito para que a dificuldade citada seja corrigida.

Aponte os autores

Para deixar sua proposta de intervenção mais objetiva, aponte quais serão os autores ou agentes das suas medidas. Evite se referir à “sociedade em geral”. Tente identificar partes concretas da sociedade. Será o Governo Federal, a Câmara Legislativa, algum ministério ou associação? Aponte quais são!

Como fazer?

Explique como os autores implementarão as propostas. É possível que elas sejam realizadas a partir de leis, de conscientização na mídia, programas educativos etc.

Quantidade de propostas

Você até pode fazer mais de uma, entretanto, isso não é necessário. É mais fácil fazer poucas, mas que sejam completas, do que mostrar muitas propostas de forma simples, sem demonstrar como elas podem ser aplicadas na sociedade.

Como criar a proposta?

Agora que você já sabe como deve ser a proposta de intervenção, o que acha de fazer a sua? Ainda ficou com dificuldades? Não se preocupe! Fazer um esquema ajudará a não se perder enquanto escreve. Os pontos que não devem ser deixados para trás são:

  • quem fará mudanças necessárias;
  • o que fará? (o que será implementado);
  • como fará? (quais as etapas de implementação);
  • qual o objetivo a ser alcançado?

Para exemplificar, utilizando a proposta do racismo, veja como ficaria o esquema:

  • Quem fará? O governo federal.
  • O que fará? Aumentar o investimento no ensino fundamental e médio.
  • Como fará? Com valorização dos professores, melhoria na estrutura das escolhas e criação de campanhas de conscientização.
  • Qual o objetivo? Alcançar igualdade de oportunidades entre as raças.

Ficou com dificuldades para ligar cada parte? Veja um bom exemplo:

AINDA QUE OS AVANÇOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA O RACISMO SEJAM VISÍVEIS, MOSTRA-SE EVIDENTE A NECESSIDADE DE SE CRIAREM OUTRAS MEDIDAS AO COMBATE AO RACISMO. ALÉM DAS LEIS EM VIGOR, O GOVERNO DEVE AUMENTAR O INVESTIMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COM A VALORIZAÇÃO DOS PROFESSORES, MELHORAR A ESTRUTURA ESCOLAR E CRIAR CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CONTRA O RACISMO. ASSIM, A IGUALDADE DE OPORTUNIDADE ENTRE AS RAÇAS SERÁ MAIOR E HAVERÁ MENOS MOTIVOS PARA A CRIAÇÃO DE COTAS.

Para escrever com qualidade e ter uma boa nota no vestibular, é necessário se exercitar. Por isso, faça o maior número possível de redações e treine cada parte do texto. Além de elaborar uma redação sobre racismo e preconceito de modo geral, tente escrever sobre outros assuntos. Dessa forma, você estará capacitado para dissertar sobre os mais variados temas. Portanto, leia jornais e revistas, capazes de ampliar seu pensamento crítico sobre a sociedade.

Quer desenvolver uma redação sobre racismo na sociedade brasileira? Escreva agora seu texto e envie para a correção do Stoodi!

Redação sobre racismo: saiba como criar sua proposta de intervenção!

Crie a propsta de intervenção perfeita para sua redação sobre racismo!

Se tiver que fazer uma redação sobre racismo, será que você se sairá bem? Um vestibulando deve dominar as principais possibilidades de tema para a redação. Assim, evitará ser surpreendido em assuntos que não está muito por dentro. Outra dificuldade é a proposta de intervenção. É comum encontrar alunos que erram na hora de mostrar o que deve ser feito para diminuir o problema.

Para que você não perca pontos por causa de uma proposta de intervenção inadequada, veja neste artigo como ela deve ser elaborada. Além disso, saiba como aplicar a teoria em uma redação sobre o racismo.

Quer ter uma boa nota na redação? Então veja os passos que você deve seguir! Boa leitura!

O que é racismo?

Para começar, é importante saber o que é racismo, já que você escreverá sobre esse assunto. De acordo com o dicionário Priberam, racismo é:

1. Teoria que defende a superioridade de um grupo sobre outros, baseada num conceito de raça, preconizando, particularmente, a separação destes dentro de um país (segregação racial) ou mesmo visando ao extermínio de uma minoria.

2. Atitude hostil ou discriminatória em relação a um grupo de pessoas com características diferentes, etnia, religião, cultura, etc.

Ou seja, pode-se considerar racismo tanto a superioridade de um grupo sobre outros quanto ter alguma atitude discriminatória em relação a um grupo específico de pessoas. Sendo assim, você deverá entender sobre qual dessas duas possibilidades a banca deseja que você disserte. Caso não seja definido, será possível escolher entre elas.

Para contextualizar o assunto, você também pode usar a definição do termo. Além de mostrar que você entende do tema que está retratando, auxiliará o leitor a ter uma visão mais correta sobre o assunto.

Redação sobre racismo: como tirar nota mil nesse texto

Para tirar nota mil no tema “Racismo na sociedade brasileira”, você deverá criar um texto dissertativo-argumentativo. Ou seja, não basta apenas descrever os problemas do racismo na sociedade, é necessário defender um ponto de vista a partir de argumentos e explicações, com o intuito de convencer seu leitor.

Antes de começar

O primeiro passo para ter uma boa nota na sua redação sobre racismo no Brasil é fazer uma boa pesquisa sobre o tema. Escrever baseando-se no senso comum (visão geral da população) fará com que você perca pontos. Por isso, veja quais são os principais dados e pesquisas sobre o tema e leve em consideração fatos históricos, dados estatísticos entre outras formas de comprovação do seu repertório. Procure entender o que os especialistas falam sobre o problema.

Depois disso, pense sobre o assunto. Qual é a sua visão? Ainda que escrever só com base no senso comum seja um problema, escrever sem originalidade também é. Então, é necessário mostrar sinais de que foi você mesmo quem criou o texto e não de que você se baseou em uma redação sobre racismo pronta. Por isso, é importante dialogar com as pesquisas e opiniões dos especialistas.

Se você tem dificuldades para colocar suas ideias no papel, faça um esquema. Escreva em uma folha de rascunho o seu ponto de vista sobre o assunto. Ele deverá estar visível já na introdução e será a partir dele que você desenvolverá todo o texto. É comum que as pessoas comecem defendendo algum ponto no início do texto, mas terminem falando de outro assunto. Dessa forma, tenha em mente que o assunto do seu texto não deve ser modificado.

Depois, você deve definir os argumentos utilizados para defender a tese. Se possível, diversifique os tipos utilizados, como filosófico e científico. Lembre-se de fortalecer os argumentos utilizando dados, pesquisas e opiniões de especialistas no tema. Dessa forma, você demonstrará estar conectado nos mais diversos assuntos.

Como o tempo pode ser seu inimigo, escolha os argumentos que você tenha maior facilidade em defender. Então, dê preferência para aqueles em que você tenha dados ou pesquisas para comprová-los. Nesse tipo de texto, é essencial que sua produção tenha introdução, desenvolvimento e conclusão. Veja agora o que essas partes devem ter.

banner-anuncio-STOODI-TIM-01

Introdução

Na introdução, é importante contextualizar o problema abordado, já mostrando a sua visão sobre o tema. Como a proposta fala no “racismo na sociedade brasileira”, não é interessante defender pontos de vista que não admitam a existência do problema no país. Sendo assim, sempre verifique se sua tese está conectada com o comando da proposta.

Tenha acesso GRATUITO a mais de 6 mil videoaulas, 30 mil exercícios, resumos teóricos e materiais complementares pra download!

Lembre-se de que, nesses textos, você não deve supor que o leitor já sabe sobre o assunto a ser tratado. Ou seja, deve deixar explícito todos os elementos textuais necessários. Pode ser útil pensar que o leitor é uma pessoa que não está fazendo a prova e não sabe qual é o tema da redação. Seu texto deverá fazer sentido também para ela.

É comum que os alunos comecem com citações de filósofos famosos. Entretanto, se quiser se beneficiado com elas, utilize alguma que tenha real relação com o tema. Quanto mais genérica uma citação é, menor valor terá para redação. Ou seja, o ideal é que você tenha um bom repertório de leitura para usar a fonte certa no momento certo.

Livre-se dos jargões. Expressões como “na sociedade contemporânea” e “no mundo atual” não trazem significado para seu texto. Qualquer termo que possa ser dispensável não precisa ser utilizado. Por isso, evite palavras apenas para “encher linguiça” e opte por aquelas que mostrarão melhor aquilo em que você acredita, de forma concreta.

Desenvolvimento

No desenvolvimento, você deve apresentar argumentos para que seu ponto de vista seja verdadeiro. É proibido copiar partes dos textos motivadores, uma vez que eles são fornecidos para aguçar seu pensamento sobre o tema. Caso utilize citações diretas, identifique-as com aspas, mostrando quem é o autor da frase. Dessa forma, você evitará que seu texto seja identificado como plágio.

Como você deseja convencer o leitor, é importante embasar seus argumentos com dados, pesquisas ou opiniões de especialistas. Além disso, seu texto deve ter coesão, ou seja, as partes precisam estar conectadas entre si, fazendo com que o leitor identifique apenas um texto. Dessa forma, verifique sempre se ele segue uma ordem lógica, progredindo as ideias durante a redação.

Não tangencie o tema

Se é uma redação dissertativa sobre racismo no Brasil, individualize ao máximo a questão para nosso país. Cite outros apenas para exemplificar ou mostrar como eles conseguiram resolver a questão. Deixe sempre claro que você estará retratando o problema brasileiro e suas particularidades.

Da mesma forma, evite argumentar sobre outras minorias. A proposta não é sobre refugiados, homossexuais ou religiões afrodescendentes. Você até pode citá-las em algum momento, mas deve ter cuidado para não basear parte da sua argumentação nesses grupos. Caso contrário, você será penalizado por tangenciamento ao tema.

Tenha cuidado com a coerência e a coesão

Para que um texto seja considerado bom, ele deve ser coeso. Isso significa que todas as suas partes devem estar “bem amarradas”. Assim, você não dará a impressão de que está escrevendo sobre vários assuntos ao mesmo tempo ou que não há ligação entre seus parágrafos. Para isso, é importante utilizar os conectivos (como portanto, entretanto, sendo assim, uma vez que, desse modo, etc.).

Também é interessante que seguir uma mesma linha de raciocínio. Se você acredita, por exemplo, que as cotas trazem mais racismo para a sociedade, não as coloque como uma possível solução para o problema. Você não deve se contradizer!

Conclusão

Para concluir seu texto, você deverá apresentar uma proposta de intervenção para resolver os problemas apontados. Um dos maiores cuidados que você deve ter é não ferir os direitos humanos. Você poderá ser bastante penalizado por isso, mas não terá a redação zerada, como ocorria em edições anteriores do Enem.

Quer mais detalhes para fazer sua intervenção? Veja agora como fazer isso na prática!

Redação sobre o racismo na prática: proposta de intervenção

redação sobre racismo

Muitos alunos têm grandes dificuldades para desenvolver uma conclusão de acordo com esperado pelo Enem. Para você resolver esse problema, veja como elaborar uma proposta de intervenção perfeita.

Respeite os direitos humanos

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, em novembro de 2017, que desrespeitar os direitos humanos não deve zerar a redação. A decisão foi tomada para evitar que diferenças ideológicas fossem determinantes na nota. Ainda assim, esse quesito poderá penalizá-lo em até 200 pontos. Por isso todo cuidado é pouco.

Para ter certeza de que sua intervenção não fere nenhum direito humano, você pode consultar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, publicada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948. Confira alguns itens que você não deve citar:

Direto à vida

Nenhum de seus argumentos deve propor a morte de alguém para solucionar o problema. Por isso, não use discursos de genocídio, morte ou tortura, afinal, este é um dos principais direitos: o direito à vida.

Discursos de exclusão

Também não se deve propor ideias que aumentem ou alimentem a desigualdade ou a exclusão social. Evite propor que as fronteiras sejam fechadas ou que afrodescendentes sejam segregados, por exemplo. Você também não deve atacar alguma minoria, seja ela étnica, seja de gênero.

Lembre-se do que deve ser feito

Os vestibulares e o Enem não cobrarão de você uma solução para o problema, mas uma proposta de intervenção — não precisa ser original e você pode propor a ampliação de políticas já adotadas. Seu foco deve ser na viabilidade, ou seja, a proposta poderá ser aplicada com a legislação atual? Ao lembrar disso, você evitará perder tempo imaginando soluções criativas para a situação, uma vez que tais itens não são considerados na correção.

Além disso, atente-se à proposta. Não há necessidade de fazer sua intervenção apenas no parágrafo final. Entretanto, na maioria dos casos, é mais lógico mantê-la ao fim do texto, uma vez que virá após sua argumentação. Entretanto, é possível que o próprio Enem (ou outra banca de vestibular) peça que as propostas sejam apresentadas ao longo de todo o texto. Por isso, não perca o foco.

Seja coerente

Sua proposta de intervenção deve ser coerente com o restante do texto. Isso significa que você não deve apresentar propostas para problemas não mencionados na redação. Por outro lado, verifique se você fez intervenções para as dificuldades apresentadas durante o texto.

Seja específico

Os alunos precisam ser bem específicos em suas conclusões, evitando medidas vagas. Dizer, somente, que “medidas são necessárias” para resolver o problema não é suficiente. Ou seja, é preciso apontar o que deverá ser feito para que a dificuldade citada seja corrigida.

Aponte os autores

Para deixar sua proposta de intervenção mais objetiva, aponte quais serão os autores ou agentes das suas medidas. Evite se referir à “sociedade em geral”. Tente identificar partes concretas da sociedade. Será o Governo Federal, a Câmara Legislativa, algum ministério ou associação? Aponte quais são!

Como fazer?

Explique como os autores implementarão as propostas. É possível que elas sejam realizadas a partir de leis, de conscientização na mídia, programas educativos etc.

Quantidade de propostas

Você até pode fazer mais de uma, entretanto, isso não é necessário. É mais fácil fazer poucas, mas que sejam completas, do que mostrar muitas propostas de forma simples, sem demonstrar como elas podem ser aplicadas na sociedade.

Como criar a proposta?

Agora que você já sabe como deve ser a proposta de intervenção, o que acha de fazer a sua? Ainda ficou com dificuldades? Não se preocupe! Fazer um esquema ajudará a não se perder enquanto escreve. Os pontos que não devem ser deixados para trás são:

  • quem fará mudanças necessárias;
  • o que fará? (o que será implementado);
  • como fará? (quais as etapas de implementação);
  • qual o objetivo a ser alcançado?

Para exemplificar, utilizando a proposta do racismo, veja como ficaria o esquema:

  • Quem fará? O governo federal.
  • O que fará? Aumentar o investimento no ensino fundamental e médio.
  • Como fará? Com valorização dos professores, melhoria na estrutura das escolhas e criação de campanhas de conscientização.
  • Qual o objetivo? Alcançar igualdade de oportunidades entre as raças.

Ficou com dificuldades para ligar cada parte? Veja um bom exemplo:

Ainda que os avanços nas políticas públicas contra o racismo sejam visíveis, mostra-se evidente a necessidade de se criarem outras medidas ao combate ao racismo. Além das leis em vigor, o governo deve aumentar o investimento no ensino fundamental e médio com a valorização dos professores, melhorar a estrutura escolar e criar campanhas de conscientização contra o racismo. Assim, a igualdade de oportunidade entre as raças será maior e haverá menos motivos para a criação de cotas.

Para escrever com qualidade e ter uma boa nota no vestibular, é necessário se exercitar. Por isso, faça o maior número possível de redações e treine cada parte do texto. Além de elaborar uma redação sobre racismo e preconceito de modo geral, tente escrever sobre outros assuntos. Dessa forma, você estará capacitado para dissertar sobre os mais variados temas. Portanto, leia jornais e revistas, capazes de ampliar seu pensamento crítico sobre a sociedade.

Quer desenvolver uma redação sobre racismo na sociedade brasileira? Escreva agora seu texto e envie para a correção do Stoodi!