A Segurança do Trabalho é uma profissão que conquistou um grande espaço no mercado. Com um crescimento exponencial no Brasil, quem segue essa carreira encontra excelentes oportunidades em todos os cantos do país e nas mais variadas áreas, como na indústria e engenharia civil.

Não é à toa que diversos estudantes estão buscando o curso de Segurança do Trabalho como forma de ingressar no mercado profissional e conseguir destaque e satisfação profissional.

Se você ainda não sabe o que é Segurança do Trabalho e como acontece o seu curso, fique tranquilo! Neste artigo, trazemos as principais informações para você. Vamos lá?

O que é Segurança do Trabalho?

Antes mesmo de entender como o curso é ministrado e quais são suas especificidades, você precisa compreender o que é Segurança do Trabalho, não é mesmo? Como o próprio nome aponta, Segurança do Trabalho nada mais é do que o conhecimento de técnicas e normas que diminuem os riscos de acidentes e doenças ocupacionais.

Assim, essa carreira busca a criação de um ambiente de trabalho saudável, que potencialize a ocupação do colaborador, ao mesmo tempo em que coloca a sua saúde em primeiro lugar, tanto física quanto psicológica.

Nesse sentido, quem é formado em Segurança do Trabalho lida diariamente com a prevenção de acidentes e incêndios, bem como com a promoção da saúde do trabalhador, protegendo a sua integridade enquanto cidadão.

Tudo isso pode ser feito por meio de diversas atividades, como a construção e implementação de novas Normas Regulamentadoras (NR), oferta de cursos e treinamentos sobre o uso de equipamentos individuais, elaboração de laudos técnicos em relação à infraestrutura da empresa e tantas outras práticas que visam aumentar a qualidade de vida do funcionário.

Curso de Segurança do Trabalho

Para que você consiga atuar de forma ética e legal, é necessário realizar o curso de Segurança do Trabalho. Afinal, é somente por meio dele que você conhecerá as principais normas que regulamentam a segurança do trabalhador, as formas de intervenção em construtoras, indústrias e hospitais, além de se familiarizar com o campo para ter uma prática coerente com as necessidades dos funcionários.

Atualmente, existem cursos técnicos e tecnólogos em Segurança do Trabalho. O primeiro pode ser feito em conjunto com o ensino médio, enquanto que o segundo é um curso superior e tem um aprofundamento maior.

A seguir, você pode conferir as principais diferenças entre eles e escolher aquele que mais se adéqua a sua rotina e estilo de vida.

Curso técnico em Segurança do Trabalho

Como comentamos, o curso técnico é mais breve, podendo ser realizado ao longo do ensino médio. Via de regra, ele pode ser encontrado em instituições de formação profissionalizantes e em algumas universidades do Brasil, sobretudo os institutos federais.

Justamente por ser mais rápido, é um curso que não tem um grande aprofundamento, trabalhando temas mais gerais da Segurança do Trabalho e limitando um pouco a atuação do técnico formado.

No entanto, isso não quer dizer que a oferta de emprego seja baixa. Na verdade, existem muitas empresas que priorizam um profissional técnico do que um tecnólogo, em função de apresentar um salário mais baixo e um conhecimento similar.

Vale lembrar, ainda, que o curso pode ser feito tanto presencial quanto a distância, garantindo mais flexibilidade para alunos que trabalham e estudam, por exemplo.

Curso de tecnólogo em Segurança do Trabalho

Diferentemente do anterior, o tecnólogo em Segurança do Trabalho é um curso superior e, por isso, apresenta outro nível de aprofundamento. Isso quer dizer que, ainda que demore mais tempo para conquistar o diploma, você garante mais oportunidades no mercado de trabalho em função do conhecimento que você apresenta.

Assim, além de ter mais possibilidades, você pode trabalhar em áreas que o técnico não pode, como consultor e analista de Segurança do Trabalho. E mais, é possível estudar para concursos públicos e conseguir um bom reconhecimento no sistema brasileiro.

Ao longo do curso, você entrará em contato com todas as normas de segurança, os campos de atuação que você pode investir, as inovações da saúde e segurança do colaborador e tantos outros conteúdos que o tornam capaz de promover um ambiente de trabalho confortável para o funcionário.

É importante ter em mente que, assim como o técnico, o tecnólogo também pode ser feito a distância ou presencial, abrindo mais oportunidades para todos os estudantes brasileiros que querem seguir uma carreira de renome no país.

Duração do curso

Nos últimos tópicos explicamos que cada curso tem a sua especificidade, certo? Isso quer dizer que a duração do técnico não é a mesma do tecnólogo, afinal, um é voltado para o conhecimento médio e outro para o superior.

Assim, se você optar por cursar o técnico, deverá dedicar pelo menos um ano e meio de estudo para conquistar o seu diploma, podendo estender até dois anos. Agora, se a sua escolha for o tecnólogo, será necessário cumprir pelo menos três anos de estudo para seguir a carreira em Segurança do Trabalho.

piso segurança do trabalho

Segurança do Trabalho: estágio

Quem é vestibulando sabe: é preciso estar constantemente estudando e aprimorando seus conhecimentos para ter um bom desempenho no vestibular. Acontece que, muitos acreditam que o nível de dedicação aos estudos termina assim que entrar na graduação, mas não é bem assim.

Ainda que você se dedique para uma profissão da sua escolha, é necessário reunir bastante conhecimento para ter um bom destaque no mercado de trabalho, além de montar um currículo de qualidade que seja relevante para você no futuro.

Uma excelente forma de fazer isso é por meio do estágio, uma experiência profissional em que você não precisa estar formado para desempenhar tarefas na área. Justamente por não ter o diploma em mãos, o estagiário tem a possibilidade de conhecer a fundo a sua profissão, identificando as áreas que mais gosta e abrindo portas para o seu futuro.

É importante ter em mente que o curso de Segurança do Trabalho não apresenta o estágio como uma obrigatoriedade. Ou seja, você só terá essa experiência caso tenha disponibilidade para realizar um período extracurricular.

Uma excelente forma de conseguir uma vaga no mercado concorrido é por meio de plataformas digitais que disponibilizam suas vagas na internet, como a Catho, SINE e NUBE (Núcleo Brasileiro de Estágios).

Segurança do Trabalho: salário

O salário é um dos elementos que os estudantes mais levam em consideração na hora de escolher uma profissão, não é mesmo? Afinal, quem não quer ser bem-sucedido e ter uma boa recompensa financeira ao final do mês? Embora esse pensamento seja muito comum, na maioria das vezes não é muito saudável.

Isso porque, considerar o salário como a única variável de sucesso e felicidade implica em esquecer de todas as outras que, por sua vez, também possibilitam que um trabalho menos rentável gere felicidade e bem-estar na ocupação.

No entanto, isso não quer dizer que devemos esquecer completamente da remuneração para decidir qual profissão seguir. A dica aqui é colocar na balança as suas prioridades e analisar se as tarefas das suas carreiras em potencial farão você feliz.

Quem opta por ser profissional de Segurança do Trabalho apresenta uma boa remuneração, ainda que a profissão não tenha um salário-mínimo nacional. Em outras palavras, é tarefa de cada sindicato definir o piso do trabalhador filiado a ele.

Via de regra, a média gira em torno dos R$ 2.000,00 e R$ 5.000,00, dependendo do nível de especialização, qualidade do trabalho exercido e do campo de atuação. Ainda, esses valores podem variar de cidade para cidade.

Por exemplo: São Paulo, por ser uma cidade referência em indústria e construção civil, oferece aos seguranças do trabalho uma remuneração acima da média, podendo ultrapassar os R$ 9.000,00 para quem é tecnólogo.

Ainda, você pode se aventurar na carreira de profissional autônomo e prestar consultorias para diversas organizações que visam melhorar a qualidade do trabalho, além de estar em dia com a regulamentação brasileira. Assim, você faz o seu próprio horário e controla as suas finanças a partir do seu nível de especialização, conhecimento e dedicação à ocupação.

Quanto ganha um técnico em segurança do trabalho?

Você já deve ter percebido que quem opta por cursar o tecnólogo em Segurança do Trabalho tem uma remuneração melhor do que o técnico, não é mesmo? Isso acontece em função das atividades que o técnico pode desempenhar: aquelas mais básicas e que exigem menos conhecimento do profissional.

Isso interfere diretamente no salário do segurança do trabalho, já que a qualidade da especialização é diferente e o trabalho a ser desenvolvido é de menor risco. Assim, a média salarial do técnico é R$ 2.500,00, podendo variar de cidade para cidade.

Retornando ao exemplo anterior, quem segue a carreira de técnico em São Paulo pode chegar a ganhar R$ 6.500,00 no mês em função da demanda que o mercado apresenta na cidade grande. No entanto, para atingir essa remuneração o profissional precisa ser bem qualificado.

Faculdade de Segurança do Trabalho

Até agora, você já conheceu o que é Segurança do Trabalho e como acontece o seu curso, certo? Mas, afinal, o que é visto nessa faculdade? Como a graduação tem como objetivo formar profissionais capazes de melhorar o ambiente de trabalho, trazendo segurança aos funcionários que estão em situações de risco, o foco principal dos estudos são as normas e diretrizes nacionais de segurança.

Assim, você orientará todo o seu trabalho a partir das Normas Regulamentadoras, que criam diretrizes para assegurar a segurança do funcionário sem perder de vista a otimização do seu ofício.

Por exemplo, uma das normas mais conhecidas é NR2, que exige da empresa ou organização uma vistoria do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) da região. Ou seja, antes mesmo da instituição ser aberta, ela precisa ser inspecionada pelo órgão regional para que ela receba um certificado atestando que está em condições de funcionamento.

E mais, a NR2 não é utilizada somente para a abertura de novas organizações, ela também é necessária para casos de reformas ou reaberturas, tendo em vista que ambas as situações alteram a estrutura física do local.

Essa é somente uma das normas estudadas durante a graduação. Ao todo, são 36 NR que regulamentam toda a atuação do segurança do trabalho, sendo que algumas são específicas para determinados setores, como da indústria, engenharia civil e hospitais.

Vale lembrar que esse estudo é feito em todas as modalidades do curso — técnico e tecnólogo —, sendo que o nível de aprofundamento é diferente em cada um deles, e pode ser realizado tanto presencial quanto a distância, dependendo da faculdade de Segurança do Trabalho escolhida por você.

Nota de corte: Segurança do Trabalho

Você lembra que comentamos sobre a importância de se preocupar com outras variáveis que não o salário para escolher a sua futura profissão? Pois é, um dos dados mais importantes para você tomar a sua decisão é a nota de corte.

Isso porque é essa informação que orientará todo o seu estudo, garantindo motivação para alcançar a nota necessária e entrar na tão sonhada graduação. Pensando em ajudá-lo a encontrar forças para estudar para as grandes provas, nós listamos a seguir as notas de corte de Segurança do Trabalho das principais faculdades do Brasil, de acordo com os dados do Prouni. Confira!

  • Universidade Pitágoras Unopar, Barra de São Francisco, curso a distância — 629.58;
  • Faculdade De Juazeiro Do Norte, Unidade Sede, turno noturno — 614.54;
  • Universidade Paulista, campus Itapeva, curso a distância — 612.52;
  • Centro Universitário das Américas, campus da Rua Augusta, turno noturno — 609.76;
  • Universidade Cruzeiro Do Sul, campus UDF Brasília, turno noturno — 606.0;
  • Centro Universitário Regional do Sul, campus sede, turno noturno — 606.0;
  • Universidade Paulista, campus Boa Vista, curso a distância — 605.95;
  • Centro Universitário Leonardo da Vinci, polo de apoio presencial de Salvador, curso a distância — 605.4;
  • Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte, campus sede, turno noturno — 604.72;
  • Universidade Pitágoras Unopar, campus sede, turno noturno — 602.78.

É importante ter em mente, também, que essas notas são referentes ao curso de tecnólogo, já que o técnico não exige um vestibular padrão por não ser considerado um ensino superior.

Segurança do Trabalho: grade curricular

Você já deve ter percebido que grande parte do curso de Segurança do Trabalho foca no desenvolvimento de competências e habilidades em relação às técnicas e procedimentos de segurança. Afinal, o objetivo da graduação é ter profissionais qualificados para otimizar a proteção dos trabalhadores, sobretudo os que colocam a sua saúde em risco.

Para que isso seja possível, tanto o curso técnico quanto o tecnólogo devem apresentar disciplinas voltadas para o estudo de normas, bem como da legislação referente à Segurança do Trabalho. Ainda, não se pode deixar de lado matérias relacionadas a administração, ergonomia, saúde do trabalhador, direito e psicologia.

Independentemente da sua escolha, conhecer a grade curricular da Segurança do Trabalho é fundamental para conhecer por onde andará a sua profissão, além de compreender as possíveis atuações no mercado de trabalho.

A seguir, você pode conferir as principais disciplinas do curso técnico:

  • Administração Aplicada;
  • Empreendedorismo;
  • Matemática e Estatística;
  • Segurança em Instalações Industriais;
  • Saúde do Trabalhador;
  • Tópicos de Segurança do Trabalho;
  • Prevenção e Combate a Incêndios;
  • Gerenciamento de Riscos;
  • Sistemas de Gestão;
  • Ética e Cidadania;
  • Proteção ao Meio Ambiente;
  • Ergonomia;
  • Investigação de Acidentes;
  • Saúde e Segurança em Setores Específicos;
  • Normas e Legislação;
  • Higiene e Segurança no Trabalho;
  • Informática Aplicada;
  • Organização Industrial.

Agora que você já conhece as disciplinas mais comuns na grade curricular do técnico em Segurança do Trabalho, que tal dar uma olhada nas matérias que são ministradas na modalidade tecnólogo? Confira!

  • Computação e Informática;
  • Segurança e Medicina do Trabalho;
  • Desenho Técnico;
  • Legislação e Ética Profissional;
  • Gestão de Pessoas;
  • Controle da Qualidade;
  • Química Aplicada;
  • Gestão e Segurança no Ambiente Hospitalar;
  • Prevenção e Combate a Incêndios;
  • Projeto Integrado de Segurança em Ambientes Laborais;
  • Gestão e Segurança na Construção Civil;
  • Probabilidade e Estatística;
  • Auditoria;
  • Organização Industrial;
  • Laudos e Perícias;
  • Gerenciamento de Riscos;
  • Gestão Ambiental e Responsabilidade Social;
  • Ergonomia e Segurança do Trabalho;
  • Saúde do Trabalhador;
  • Doenças Ocupacionais;
  • Metodologia de Pesquisa;
  • Psicologia do Trabalho;
  • Segurança em Instalações Industriais;
  • Investigação de Acidentes;
  • Normas e Legislação;
  • Primeiros Socorros;
  • Higiene e Segurança no Trabalho.

É importante lembrar, ainda, que para conquistar o diploma de tecnólogo é necessário realizar um Trabalho de Conclusão de Curso, ou seja, uma pesquisa científica e acadêmica em relação a um tema que envolva a atuação do profissional de Segurança do Trabalho.

Pós-graduação em Segurança do Trabalho

Você lembra que comentamos sobre a importância de investir no seu futuro profissional durante a graduação por meio de um estágio? Pois é, isso não pode — nem deve! — acabar quando você sair do ensino superior. Dar continuidade aos estudos e manter-se sempre em dia com as inovações da sua carreira aumenta consideravelmente suas oportunidades de ocupação.

Isso porque, além de agregar pontos no seu currículo, você ainda cria uma excelente rede de contatos que podem indicá-lo para vagas, bem como garantir oportunidades que você não encontra em qualquer lugar.

Nesse sentido, a pós-graduação se torna uma ótima alternativa para quem quer expandir suas formas de trabalho e, ao mesmo tempo, aprimorar seus conhecimentos em relação ao campo de atuação, inovando cada vez mais o seu ofício.

Hoje em dia, existem diversas oportunidades para quem quer realizar uma pós-graduação em Segurança do Trabalho, já que é uma área que não para de crescer no Brasil. Dessa maneira, você pode investir tanto em mestrado e doutorado — sobretudo se tiver interesse em seguir a carreira acadêmica — quanto em especializações lato sensu.

Além de existir várias oportunidades de qualificação profissional, elas também podem ser realizadas nas modalidades presenciais, semipresenciais ou a distância, dependendo da sua disponibilidade e flexibilidade de horários.

trabalhadores Segurança do Trabalho

O profissional de Segurança do Trabalho

Até agora, você pôde conhecer toda a trajetória que o estudante de Segurança do Trabalho deve seguir até a sua formação. E, então, o que ele faz quando conquista o seu diploma? Na verdade, o campo de atuação desse profissional é muito amplo, tendo em vista que todas as empresas e organizações precisam seguir as Normas Regulamentadoras.

Nesse sentido, o profissional de Segurança do Trabalho deve desenvolver trabalhos para estimular os funcionários a utilizarem seus equipamentos de segurança, criar programas de prevenção de acidentes, treinamento aos colaboradores, orientações e palestras sobre técnicas de segurança, inspeções nas organizações e elaboração de laudos técnicos. Ele pode, ainda:

  • gerenciar novos modelos de segurança dentro de organizações;
  • implementar inovações de segurança no trabalho na empresa em que atua;
  • criar políticas de segurança para os trabalhadores;
  • realizar e acompanhar perícias, auditorias e vistorias;
  • coordenar equipes no desenvolvimento de pesquisas na área.

Além disso, você pode trabalhar com a saúde ocupacional, principalmente com tratamento e prevenção de doenças relacionadas ao trabalho. Nesse caso, a sua atuação será feita de maneira multiprofissional, em conjunto com médicos, psicólogos, enfermeiros e fisioterapeutas.

De maneira resumida, o grande objetivo de quem cursa Segurança do Trabalho é realizar diagnósticos relacionados à proteção que a empresa oferece aos seus funcionários, bem como o seu empenho em utilizar os equipamentos de segurança, propondo projetos de intervenção que visam melhorar a qualidade de vida e bem-estar do trabalhador.

Perfil do profissional

Diante de todas essas informações, é inevitável questionar-se sobre as habilidades que o profissional deve desenvolver para dar conta de atuar de forma ética e eficaz. Acontece que existem diversas competências que você precisa ter para conseguir ter um bom reconhecimento no mercado.

A seguir, você pode conferir as principais características que um profissional de Segurança do Trabalho deve ter.

  • ser um bom observador;
  • saber trabalhar em equipe;
  • conseguir administrar conflitos com facilidade, sabendo negociar com as partes;
  • tomar decisões acertadas;
  • saber se comunicar com facilidade, tanto de maneira verbal quanto escrita;
  • desenvolver uma postura de liderança, sabendo delegar tarefas e funções;
  • conseguir trabalhar sob pressão;
  • ser proativo.

No entanto, é importante ter em mente que essas características não são desenvolvidas de um dia para o outro. É um processo longo de mudança e percepção que, muitas vezes, acontece somente na prática. O fundamental é estar aberto para transformações e não ter medo de se aprofundar em questões técnicas e metodológicas para ampliar o seu leque de atuação.

Mercado de trabalho

Por fim, o nosso artigo não estaria completo se não falássemos sobre o mercado de trabalho, não é mesmo? Afinal, é ele que dita as regras e orientará todo o seu futuro depois de formado.

Como comentamos no início do artigo, muitas organizações estão buscando profissionais qualificados para implementar sistemas de Segurança do Trabalho, criando um ambiente protegido para que o trabalhador desempenhe bem a sua função, sem afetar a sua qualidade de vida e estabilidade emocional.

Além disso, todas as empresas querem estar em dia com a legislação, já que correm o risco de serem multadas se não seguirem as orientações do MTE e as Normas Regulamentadoras.

Uma informação bastante relevante para quem quer seguir a carreira na área é inscrição no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA): todos os profissionais que lidam com Segurança do Trabalho devem estar registrados no CREA para poderem atuar de forma legal no Brasil.

O curso de Segurança do Trabalho é amplo e conta com muitas possibilidades profissionais. Para entrar na graduação, lembre-se de manter o foco nos estudos, revisar bem todos os conteúdos e criar um planejamento eficiente para não deixar nenhuma matéria para trás.

E então, acha que Segurança do Trabalho é a graduação certa para você? Aproveite para conhecer o nosso plano de estudos e monte um planejamento de qualidade para mandar bem na sua prova!