Histologia vegetal: tire todas as suas dúvidas – Stoodi

Assim como o corpo humano é formado por células que dão origem a diferentes tipos de tecidos para formar os órgãos internos, os músculos e a pele, as plantas também são formadas por tecidos celulares, e o estudo desse sistema é chamado de histologia vegetal e faz parte do campo da Botânica.

Neste post, vamos nos aprofundar um pouco mais neste assunto para tirar as suas dúvidas e trazer informações relevantes para que você se prepare para gabaritar as questões de Biologia nos vestibulares e no ENEM.

E para te ajudar a compreender as características, organização, estrutura e as funções dos tecidos das plantas, dividimos o assunto nos seguintes tópicos:

  • Os meristemas;
  • Tecidos de revestimento;
  • Tecidos de sustentação;
  • Tecidos condutores;
  • Tecidos de preenchimento;
  • Os parênquimas;
  • A organização dos tecidos na raiz, no caule e nas folhas.

Pronto para iniciar os estudos? Então, vamos começar falando sobre os primeiros responsáveis pela formação dos tecidos vegetais: os meristemas.

Os meristemas

Também conhecidos como tecidos de formação, os meristemas têm um objetivo primordial: contribuir para o crescimento da planta. Para isso, as células que formam este tipo de tecido têm um processo de divisão celular intenso para dar origem a todos os tecidos e órgãos da planta — raiz, caule e folhas.

Neste processo, o tecido meristemático apresenta 2 fases diferentes: a primária e a secundária, conforme explicaremos na sequência.

Tecido meristemático primário

Localizado entre o caule e a raiz, o meristema primário é o responsável pela primeira fase de crescimento da planta, no sentido longitudinal, e tem grande importância para o desenvolvimento vegetal, já que, nessa fase, a divisão celular dará origem à formação dos demais tecidos.

Tecido meristemático secundário

Enquanto o meristema primário está relacionado com a altura da planta, o secundário — também chamado de meristema lateral —, é responsável pelo crescimento em espessura do caule e das raízes nas espécies vegetais.

Além dos meristemas primários e secundários, existem outros tipos de tecidos, com funções específicas, chamados de “permanentes” ou “tecidos adultos”. Fazem parte deste grupo os tecidos de revestimento, de sustentação e os condutores, mas falaremos sobre eles de forma mais aprofundada nos tópicos a seguir. Confira!

Tecidos de revestimento

Como o próprio nome já indica, esses tipos de tecido funcionam como um invólucro e se localizam na parte externa das plantas, cumprindo a função de proteger as folhas, as raízes e o caule, e podem ser divididas em 2 categorias:

  • epiderme: composta de células mais achatadas e impermeabilizada pela cutícula;
  • periderme: responsável pelo revestimento dos órgãos secundários, formando a casca das plantas.

Tecidos de sustentação

Gerados a partir dos meristemas, os tecidos de sustentação são formados pelo colênquima, que é composto por células vivas, alongadas e ricas em celulose, fornecendo flexibilidade às plantas, e pelo esclerênquima, constituído por células mortas, alongadas e com uma parede celular bastante rígida e espessa.

Tecidos condutores

Formados pelo xilema e pelo floema — tanto primários quanto secundários —, os tecidos condutores são responsáveis por transportar e distribuir água e outras substâncias da folha à raiz das plantas.

Também chamado de “lenho”, o xilema é composto por células mortas e é responsável por conduzir a seiva bruta ao longo da planta. Já o floema, ou líber, é constituído por células vivas e transporta a seiva elaborada, formada por água, aminoácidos sais minerais e glicose.

Tecidos de preenchimento

Encontrados em todos os órgãos da planta, estes tecidos completam os espaços entre os tecidos de revestimento e os condutores, e são formados pelos parênquimas, um tipo de célula com grande capacidade de divisão e sobre os quais falaremos com mais detalhes no tópico seguinte. Vamos conferir?

Os parênquimas

Encontrados na região externa do caule e na parte intermediária das folhas, os parênquimas possuem uma grande capacidade de diferenciação e podem exercer diferentes funções de acordo com a sua categoria:

  • parênquima de preenchimento, como o córtex e a medula do caule que se localizam entre os tecidos;
  • parênquima clorofiliano, do tipo paliçádico ou esponjoso, que pode ser encontrado nas folhas e auxilia no processo de fotossíntese;
  • parênquima de reserva, que armazena substâncias, como o amido, os óleos e as proteínas.

A organização dos tecidos na raiz, no caule e nas folhas

Histologia vegetal

Neste último tópico, agora que você já conheceu mais sobre o que é histologia vegetal, vamos falar sobre a morfofisiologia dos vegetais, ou seja, como os tecidos estão dispostos em cada um dos órgãos das plantas. Essas estruturas também fazem parte da nutrição vegetal. Veja logo abaixo:

Raiz

Para compreender melhor, podemos dividir este órgão em 3 zonas diferentes:

  • zona meristemática: a parte mais profunda da raiz, que é protegida pela coifa e composta por epiderme, endoderme, córtex, periciclo, câmbio, xilema e floema primários;
  • zona de crescimento: neste trecho, identificamos o início da estrutura secundária, com o aumento da espessura da raiz e dando origem ao xilema e ao floema secundários;
  • zona de ramificação: esta é mais uma estrutura secundária, em que a epiderme dá lugar à periderme, ou a casca, formada por súber, felogênio e feloderme.

Caule

Assim como a raiz, a estrutura do caule também pode ser dividida em 3 fases de crescimento:

  • estrutura primária: nesta etapa, o caule é composto por epiderme, medula, câmbio vascular, xilema e floema primários, além do córtex, responsável pelo preenchimento e sustentação da planta;
  • estrutura secundária inicial: além do xilema e do floema secundários, agora o caule passa a contar com a formação de felogênio;
  • estrutura secundária estabelecida: nesta fase, os tecidos seguem a mesma sequência da raiz: a periderme substitui a epiderme, originando a casca da árvore.

Folhas

A folha, por sua vez, possui apenas a fase de crescimento primário, formada pelos seguintes componentes:

  • epiderme: que possui a cutícula, como camada protetora, os estômatos, responsáveis pelas trocas gasosas e os tricomas, que ajudam a folha a reter líquidos e eliminar substâncias;
  • parênquima assimilador: responsável pela realização da fotossíntese;
  • feixe vascular: que são as nervuras da folha que contém o xilema e o floema.

Gostou deste guia sobre histologia vegetal e tirou as suas dúvidas sobre este assunto tão importante da Botânica? Então, cadastre-se gratuitamente no Stoodi e aproveite para conferir outros conteúdos exclusivos que vão dar aquela força nos seus estudos de Biologia e nas demais matérias exigidas nos vestibulares e no ENEM!

0 Shares:
Você pode gostar também