Artes: o guia completo!

INTRODUÇÃO

A arte é uma das melhores e mais criativas maneiras de se expressar do ser humano. A partir dela, a humanidade guarda para a posteridade elementos da sua cultura, das emoções do artista, do momento político e social da época, sempre imprimindo valores críticos e estéticos às obras.

No vestibular e, em especial, no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), questões relativas à arte vêm sendo cobradas já há alguns anos como um dos tópicos da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Pensando nisso, preparamos este guia completo sobre Artes especialmente para você. Confira!

O que é arte?

De modo geral, as artes referem-se ao desenvolvimento de símbolos e simbolismos, sendo praticadas pelo ser humano desde a pré-história. Podemos incluir nesse grupo a arquitetura, a literatura, a música, a dança, o cinema e o teatro, por exemplo. Mas, é claro, não podemos deixar de fora as artes plásticas (escultura, desenho e pintura).

A arte e a história estão intimamente ligadas. Ao longo de sua existência, o ser humano procurou se expressar através de linguagens artísticas, sejam elas visuais ou não.

Se antes a arte era muito valorizada, hoje em dia tem sido, infelizmente, deixada de lado pela população, em especial no Brasil. Mas o que muitos não compreendem é que a arte, em si, não está presente apenas nas pinturas e estátuas de museus. As inúmeras formas de se fazer arte estão espalhadas no cotidiano da população, sendo expressada nas mais diversas linguagens.

Podemos dividir as artes de várias maneiras. Entretanto, existem três grandes grupos em que a maioria das formas de arte pode se classificar. São eles:

  • Artes plásticas: relacionada a escultura, artesanato, artes gráficas e arquitetura;
  • Artes visuais: todo tipo de arte que busca retratar a realidade ou a imaginação por meio da visão como recurso principal de estudo. Envolve pintura, cinema, decoração, entre outras;
  • Artes cênicas: estuda todas as formas de expressão presentes na música, no teatro ou dança.

Além dessa classificação, adotada por autores como Hegel e Ricciotto Canudo — sendo o segundo o responsável pela nomeação do cinema como a sétima arte, em 1912 —, teóricos e estudiosos da arte, é possível estabelecer uma lista de 11 itens que podem ser classificados atualmente como arte, inclusive considerando-se o uso da tecnologia:

  1. Música: arte que se baseia no ritmo e nos sons emitidos em um determinado período de tempo;
  2. Dança: dentro das artes cênicas, é uma forma de movimento realizado com o corpo;
  3. Pintura: uso das cores e suas variações nas mais diversas formas de expressão em uma superfície;
  4. Escultura: criação de imagens plásticas em três dimensões, independentemente do tipo de material utilizado;
  5. Teatro: encenação de uma história ou situação por atores;
  6. Literatura: expressão artística que conta histórias por meio de palavras;
  7. Cinema: arte criada para reproduzir histórias em imagens com movimento em tela;
  8. Fotografia: imagens e técnicas para a captura de paisagens, momentos, retratos, etc.;
  9. Quadrinhos: arte de utilização de cor, palavra e imagem para se contar uma história;
  10. Jogos: criação de jogos reproduzidos eletronicamente que permitem a interação do usuário;
  11. Arte digital: artes gráficas produzidas por meio de softwares de computador.

História da arte

A arte e a história da humanidade se entrelaçam profundamente, desde os seus primórdios. A história da arte é o estudo das inúmeras manifestações artísticas elaboradas pelo homem, com a finalidade estética ou comunicativa, buscando expressar ideias, emoções e visões do mundo.

A história da arte acompanha, de perto, o desenvolvimento e o desenrolar da própria história da humanidade, criando laços profundos com a cultura dos inúmeros povos espalhados pelo mundo. Busca compreender as manifestações que aconteceram ao longo do tempo e as que acontecem atualmente, correlacionando-as ao contexto histórico de cada época.

Ciência multidisciplinar, a história da arte procura classificar as diferentes formas de cultura, estabelecendo um período e especificando características artísticas que se destacam e influenciam o resto do mundo. Os estudos dessa história tiveram início no Renascimento, limitados apenas às produções do ocidente.

Entretanto, ao longo do tempo, foram se expandindo, buscando compreender a arte de todas as civilizações, sempre sob a ótica da cultura de cada uma. Hoje em dia, a arte tem uma rede de estudos bastante ampla, com o grande objetivo de preservar e difundir o legado artístico de toda a história da humanidade.

Basicamente, a história da arte é segmentada em cinco grandes períodos de tempo:

  • Pré-história: considera os períodos do Paleolítico, Neolítico e da Idade dos metais;
  • Arte Antiga: focada nas produções artísticas da Mesopotâmia e do Egito antigo, abrange o extenso período de 4.000 a.C. ao ano 300 d.C.;
  • Arte Medieval: compreende o milênio entre os anos 300 e 1350;
  • Arte Moderna: período mais curto, mas altamente produtivo, do ano 1350 a 1950;
  • Arte Contemporânea: considera todas as produções artísticas do ano de 1950 até hoje.

História da arte no Brasil

A história da arte no Brasil é igualmente extensa. Compreende toda e qualquer manifestação artística desde os períodos anteriores à colonização. Para se ter uma ideia, as formas artísticas mais antigas do país são datadas de 15.000 anos atrás, encontradas no estado do Piauí.

Arte pré-colonização

Vários estudos confirmam a presença de registros artísticos na pré-história do Brasil. Na Paraíba existem pinturas rupestres com cerca de 11.000 anos de idade. Em Minas Gerais, registros artísticos muito característicos, com raras formas geométricas, datam de 2.000 a 10.000 anos atrás.

Tudo isso sem contar nas artes “plásticas” da pré-história. O Brasil é rico em registros de objetos utilizando ossos, pedras, chifres e argila, com um propósito utilitário e cerimonial, exalando uma alta preocupação estética.

Já os registros de arte indígena são originários, principalmente, da região amazônica. As civilizações indígenas pré-colonização fabricavam vários objetos de cerâmica, com finalidades estéticas. É possível destacar vasos em formas humanas e de animais, por exemplo. As costas do Maranhão e da Bahia são riquíssimos territórios com registros de produção de cerâmica.

Além disso, a arte indígena sempre foi muito rica em outros tipos de expressão, como pintura corporal, trançados e fabricação de objeto com plumas de aves.

Arte pós-colonização

Após a colonização portuguesa no Brasil, é possível perceber a influência de várias regiões. Em Pernambuco, por exemplo, os holandeses foram responsáveis por muitas referências artísticas na produção local. Isso sem contar com a riquíssima cultura africana que possui papel fundamental na criação da identidade brasileira atual, com suas músicas, danças, comidas típicas, entre outros.

Já os missionários católicos foram responsáveis por difundir o estilo Barroco no Brasil do século XVII. Sem grandes mecenas, os artistas brasileiros foram muito influenciados pela Igreja Católica. No século XIX, o Barroco foi finalmente superado pelo Neoclassicismo, que teve sua substituição feita pelo modernismo após a Semana de Arte Moderna de 1922.

Artes no Ensino Médio

A presença de artes no ensino médio das instituições brasileiras vem ganhando cada vez mais força. Em maio de 2016, teatro, artes visuais e dança foram inseridos no currículo de ensino básico no Brasil. Até esse momento, apenas música fazia parte da grade, de maneira “obrigatória, mas não exclusiva”.

Ainda debaixo de muito preconceito, as artes de maneira geral não são vistas como uma necessidade de aprendizado, o que constitui um gravíssimo erro na formação educacional brasileira.

Em um esforço para mudar isso, o MEC passou a incluir na prova do Enem de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias assuntos relativos à arte e sua história. Arte Contemporânea e Modernismo, por exemplo, são assuntos recorrentes nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio.

Artes rupestres

As artes rupestres são a categoria de representações e expressões artísticas da pré-história, normalmente gravadas nas paredes de cavernas e abrigos em rocha. Podem ser divididas em dois tipos: pintura, utilizando pigmentos, e gravura rupestre, feita por incisões na rocha.

Geralmente as representações são baseadas no cotidiano dos seres humanos da época, com animais, plantas e pessoas. Interpretar esse tipo de arte é muito difícil, mas o senso comum gira em torno das imagens representando cenas de caça, lutas, rituais e o próprio cotidiano da sociedade da época.

É, acima de tudo, um precioso registro de milênios atrás, dizendo um pouco sobre culturas extintas há muito tempo, mas que continuam gerando fascínio em quem as estuda.

Arte contemporânea

Os estudiosos nunca chegaram a um consenso sobre o período exato em que se inicia o que chamamos hoje de arte contemporânea. Entretanto, é possível dizer que seu início foi próximo da metade do século XX, logo após o término da Segunda Guerra Mundial, buscando romper com a arte moderna.

Após a guerra, os artistas buscaram se voltar às questões do inconsciente, interessados em encontrar maneiras de reconstruir a sociedade, dizimada pelo conflito mundial.

Mais evidente nos anos 1950, os movimentos culturais passaram a questionar a sociedade pós-guerra, em atitudes de verdadeira rebeldia contra o estilo de vida difundido pela mídia da época. Além disso, com o surgimento de novas tecnologias, as pessoas passaram a entender que a arte feita por outros poderia, na verdade, ser uma tradução de suas próprias vidas.

Consciência ecológica, reaproveitamento de materiais descartáveis e a globalização são alguns importantes aspectos que influenciaram e continuam a influenciar fortemente a arte nos dias de hoje.

Arte moderna

A arte moderna é um termo que compreende o período de expressões artísticas do final do século XIX até o surgimento da arte contemporânea, em meados do século XX. Muito influenciada pela Revolução Industrial e suas máquinas a vapor, pelo surgimento da fotografia e da psicologia.

Os artistas buscaram romper com as regras, criando novos estilos para expressar a vida moderna. Futurismo e Cubismo são exemplos desses estilos criados na época. Além disso, a expressão das emoções e da sensibilidade deu início a movimentos como o Simbolismo, o Expressionismo e o Surrealismo, entre outros.

Tudo isso sem contar nos artistas gráficos, como designers e ilustradores (além dos próprios arquitetos), que trouxeram para a arte uma preocupação de funcionalidade social. A Art Noveau é um exemplo de movimento nesse sentido.

Apesar de ser considerado um movimento predominantemente europeu, a arte moderna foi introduzida nos Estados Unidos durante a Primeira Guerra Mundial, a partir da chegada de artistas parisienses a Nova York.

Art Noveau

Art Noveau ou, traduzindo, “arte nova”, é um estilo de arquitetura e decoração surgido no final do século XIX, acompanhando o movimento da arte moderna. Aplicada à indústria, a Art Noveau se transformou em expressões mais geométricas, características da Art Déco da primeira metade do século XX.

Muito popular na Europa, a Art Noveau se espalhou mundialmente. Seu auge foi durante a Belle Époque francesa (1871-1914), sendo influenciada por várias tendências locais. Apesar de ter sido substituída pelos movimentos modernistas da segunda metade do século XX em diante, a Art Noveau é considerada uma importante transição entre o historicismo e o modernismo.

Para a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), os monumentos de Art Noveau integram a lista de patrimônios mundiais, sendo considerados como grandes contribuições para a cultura global.

Pop Art

O movimento artístico da Pop Art surgiu na década de 1950, na Grã-Bretanha, mas alcançou seu auge na década seguinte, nos Estados Unidos da América. Propunha o reconhecimento da crise da arte no século XX, demonstrando obras massificadas e popularmente capitalistas.

A estética da Pop Art é voltada para um estilo mais popular, sendo considerada o marco de transição entre a modernidade e a pós-modernidade da cultura do ocidente. Muito colorida e plástica, as expressões artísticas de Pop Art são caracterizadas pelo uso de elementos como peças de publicidade e consumo, objetos do cotidiano, gesso, látex, poliéster, entre outros.

Utilizando suas obras como críticas sociais, artistas como Andy Warhol retratavam a imagem de ídolos populares da época, buscando mostrar como essas personalidades públicas eram figuras vazias, impessoais. Reproduzindo essas imagens de maneira mecânica, expressava em suas obras o modo como tudo na época era massificado, feito em linhas de produção.

Obras de arte

A arte não é apenas uma construção estética. É também uma forma de expressão, um simbolismo da representação de movimentos, histórias, reflexões e posicionamentos. E suas obras são incontáveis, sendo impossível listar com justiça cada uma delas. Pensando nisso, separamos aqui as quinze obras de arte mais famosas do mundo:

15 – Medusa, de Caravaggio (1597)

14 – Abaporu, de Tarsila do Amaral (1928)

13 – A ronda noturna, de Rembrandt (1639-1642)

12 – Moça com brinco de pérola, de Johannes Vermeer (1665)

11 – O juízo final, de Michelangelo (1535-1541)

10 – A persistência da memória, de Salvador Dalí (1931)

9 – Vênus de Milo, provavelmente de Alexandre de Antioquia (aprox. século II a.C.)

8 – A liberdade guiando o povo, de Eugène Delacroix (1830)

7 – Fonte, de Marcel Duchamp (1917)

6 – As meninas, de Diego Velázques (1656)

5 – Guernica, de Pablo Picasso (1937)

4 – O nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli (1483)

3 – A noite estrelada, de Vincent van Gogh (1889)

2 – O grito, de Edvard Munch (1893)

1 – Mona Lisa, de Leonardo da Vinci (1503-1506)

Artes no Enem

Como falamos anteriormente, o Enem já possui em seu edital temas ligados às artes, na prova de Linguagem, Códigos e suas Tecnologias. Muita gente fica em dúvida sobre o que estudar sobre Artes para se dar bem no Enem. Enquanto isso, outras pessoas imaginam que esse assunto não seja tão relevante.

Mas essas não poderiam estar mais enganadas. Das 45 questões da prova de Linguagens, 5 são relativas à disciplina de Artes (a mesma quantidade que a prova de Língua Estrangeira, por exemplo).

Como é possível perceber até agora pelo nosso guia, estudar Artes e toda sua história por completo é praticamente impossível, dada a vasta diversidade de assuntos sobre o tema. Pensando nisso, é preciso entender o que é cobrado com maior frequência nas últimas provas e focar nesses assuntos.

Entre 2013 e 2016, quatro assuntos se destacaram nas provas do Enem. O que mais caiu foram questões sobre Arte Contemporânea. Com 6 questões em 4 anos, é muito provável que ela seja novamente cobrada.

Outro assunto muito abordado é o Modernismo. De 5 questões ao todo, 3 se referiam ao movimento com viés europeu e duas sobre as influências do Modernismo no Brasil.

Já os outros dois assuntos recorrentes na análise das provas desses anos são relativos aos processos e movimentos artísticos no Brasil. Chama a atenção que, em 3 questões, foi abordado o tema da Arte Brasileira pós-anos 1970, um período de forte transição no país. Além disso, duas questões também abordaram a Arquitetura Brasileira, com destaque para grandes nomes como Oscar Niemeyer e suas obras famosíssimas.

Outros temas importantes, que precisam sem dúvidas ser estudados, são o Barroco Mineiro, o Renascimento Italiano, a Arte na Pré-História, além das grandes vanguardas e movimentos artísticos que marcaram época ao longo dos séculos.

Semana de Arte Moderna

Se existe um tema de grande importância para qualquer prova de concurso ou vestibular sobre a Arte Brasileira é, sem dúvidas, a Semana da Arte Moderna, de 1922.

Esse movimento foi uma manifestação artístico-cultural que tomou lugar no Teatro Municipal da capital paulista entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922. Reunindo diversas apresentações, recitais e exposições, contou ainda com palestras e seminários sobre arte.

A ideia dos artistas envolvidos era romper com a cultura artística que dominava o cenário atual, chocando a população, e mostrar que existiam outras maneiras de sentir, ver e usufruir a arte.

Buscando uma renovação social e artística no Brasil, o evento também conhecido como Semana de 22 teve como principal articulador o poeta Mário de Andrade, além de contar com grandes outros nomes como Oswald de Andrade, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Heitor Villa-Lobos, Graça Aranha e Plínio Salgado.

Extremamente criticada pela população, que ficou desconfortável com as apresentações e exposições propostas, a Semana de 22 recebeu comparações de seus artistas a loucos e doentes mentais. O escritor Monteiro Lobato, por exemplo, foi um dos fortes críticos do evento.

Após a Semana de Arte Moderna, foram criadas várias revistas e manifestos, com o intuito de disseminar essa nova maneira de se enxergar a arte no Brasil. Aos poucos, as influências desse movimento foram dominando o cenário artístico brasileiro, até passarem a ser aceitas e apreciadas pela população.

Como aprender Artes

Estudar Artes é, antes de mais nada, o estudo das influências culturais ao longo da história e como os movimentos artísticos ajudaram a moldar as diferentes culturas em todo o mundo.

Por isso, é fundamental que você conheça as principais vanguardas e movimentos artísticos, além de conseguir associar exemplos de obras de arte com o contexto histórico no qual estão inseridos e a qual estilo pertencem.

É preciso saber reconhecer também as diferentes funções sociais e culturais das expressões artísticas, além da produção dos principais artistas nos meios em que estão inseridos.

Aulas de arte online

Existem, na internet, diversos materiais sobre as influências dos movimentos artísticos e a história da arte. Porém, pela diversidade e extensão do assunto, muitos sites apresentam informações desconexas e esparsas, dificultando fortemente a compreensão por parte dos alunos, que acabam ficando perdidos no meio de tantos movimentos e artistas existentes.

Pensando nisso, o Stoodi dispõe, em seu sistema, de quase 20 horas ininterruptas de videoaulas sobre Artes para você estudar para o Enem de maneira completa e profunda.

O programa aborda assuntos desde a Pré-História até a Arte na Idade Contemporânea, abrangendo todos os movimentos e vanguardas criados ao longo da história da humanidade. Além disso, é possível também conferir vídeos sobre as correções de provas do último ano do Enem (2017).

Exercícios de Artes

Não adianta nada assistir às aulas sem praticar, não é mesmo? Por isso, para que você se prepare mais e melhor para os seus desafios, o Stoodi conta com um enorme banco de exercícios sobre Artes na plataforma. Essa é a melhor maneira de garantir o aprendizado do assunto e se dar bem nas provas!

Curtiu nosso guia completo sobre Artes para o vestibular? Então não deixe de se cadastrar na nossa plataforma e ter acesso a todas as nossas videoaulas, correções de provas e, é claro, nossa base de exercícios para praticar!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!